Uncategorized

Campos fez doação pós-morte de R$ 2,5 milhões ao PSB

Da Carta Capital:

O comitê financeiro do PSB à Presidência da República informou ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ter recebido uma doação do falecido ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos. Na planilha enviada ao TSE no início de setembro, a contribuição está registrada com a data de 14 de agosto, um dia depois do acidente aéreo com o então presidenciável. A doação atribuída a Campos é quase cinco vezes maior do que o patrimônio declarado por ele ao registrar sua candidatura, de 546 mil reais.

Aqui, a reprodução do site do TSE que mostra a doação atribuída a Eduardo Campos.

O atual responsável pela gestão financeira do comitê presidencial do PSB é o tesoureiro do partido, Márcio França. O deputado federal é candidato a vice na chapa do governador Geraldo Alckmin, do PSDB, que tenta a reeleição em São Paulo.

Quando o PSB ratificou Marina como candidata no lugar de Campos, ela decidiu nomear alguém de sua confiança para comandar as finanças da campanha. O cargo pertencia então a Henrique Costa, da confiança de Campos. Marina primeiro escolheu seu chefe de gabinete no tempo de ministério, Bazileu Margarido. Depois, Marina reforçou a equipe com um banqueiro com passagem pelo Citibank, Álvaro de Souza.

A presidenciável não estava à vontade com os acordos financeiros que Campos fechara com aliados em troca de apoio. Um dos partidos da coligação presidencial do PSB, o PPS já recebeu, por exemplo, meio milhão em recursos arrecadados e transferidos pelo comitê financeiro do PSB. Vários candidatos a governador pelo PSB também já obtiveram verba por este caminho.

A solução acertada entre Marina e o PSB para tentar uma convivência foi separar as finanças: de um lado, as da campanha da candidata; de outro, as do comitê presidencial do partido. O primeiro grupo tem Álvaro de Souza à frente. O segundo, Márcio França.

Com isso, Marina também tenta preservar a “pureza” de seu caixa. O estatuto do partido que quer fundar, a Rede, proíbe os filiados de tomar fundos de quatro setores empresariais: fumo, bebidas, armas e agronegócio. França não vê problema nestes financiamentos. Conta com eles para cumprir os acordos de Campos.

A prestação de contas entregue pela campanha de Marina ao TSE declara não ter havido recebido nenhuma doação até agora. A CartaCapital, Bazileu Margarido, que coordena as finanças da campanha de Marina, disse em telefonema que a doação foi legal e que o partido prepara uma nota de esclarecimento.

6 Comentários

  1. Do Interior.... Responder

    Essa mulher melancia está se saindo cada vez pior. Colocar o agronegócio no mesmo balaio de armas, bebidas, fumo vê que a Marina não bate bem dos pinos. O agronegócio é o que tem mantido o Pibinho no positivo. Sem ele o Brasil já teria afundado.

    Agora, porque não pôs no balaio dos supostos “fora da lei” as empresas e construtoras que mais fazem negociatas com o governo?

  2. justino bonifacio martins Responder

    Continuam a dizer bobagens sobre o PIB que tal como a renda per capita é uma mentira que não mede o desenvolvimento de um país, mas sim a riqueza de poucos que se apresenta, no economês, como sendo de todos. Juntam , num exemplo hipotético, os 15 mil dólares Do Interior… mais os meus 1.000 dólares, que distribuído entre nós, dá uma média de 5.500 dólares. Deu pra entender, Do Interior…

  3. antonio cabrera de sá Responder

    Tenho que bater palmas para Marina em não aceitar doações de fontes como: armas,bebida e funo, mas deixar o ago-negocio de fora é dizer que não sabe governar o Brasil. Este pais não sobre-viveria sem o agro-negócio, Marina está por fora, não tem pedigrí para governar um pais grandemente agricola.

  4. Uai, o espírito dele tá pensando que ainda tá vivo e tá mandando ajuda de lá onde está!

  5. Do Interior.... Responder

    Justino, bobagem é acreditar que o PIB é mentira e que não representa o desenvolvimento do País.

    Sob sua errada ótica, se sua família ganhasse 5.500 dólares e gastasse 5.499 para sobreviver (comida, roupas, etc.) e vc pretendesse investir em uma casa nova, como vc compraria esta casa sobrando 1,00 por mês?

    Agora, se sua renda familiar fosse 10.000 dólares e vc gastasse os mesmos 5.499 nas despesas, vc poderia comprar uma casa nova? Pois bem este 1,00 pode ser comparado com o PIB (tudo que o país produz, menos o que gasta)

    Faz diferença para vc uma renda familiar média de 10.000 dólares e de 5.500 com este exemplo?

    A diferença, meu amigo é que com o PIB alto, sobra dinheiro no caixa para investir (construir estradas e infraestrutura no campo governamental; e aumentar uma indústria ou qualquer investimento na área privada).

    Entendeu?

Comente