Uncategorized

Contadora de Youssef enumera empresas envolvidas com doleiro

contadora - youssef

Do Globo:

A contadora Meire Pôza, que atuou para Alberto Youssef, afirmou que o doleiro se reuniu com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), para acertar investimentos do fundo Postalis, dos Correios, em uma empresa de Youssef. O encontro ocorreu em 12 de março deste ano, cinco dias antes da prisão do doleiro, conforme a contadora afirmou em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista da Petrobras nesta quarta-feira.

O montante envolvido é de R$ 25 milhões, referente à metade de uma debênture lançada no mercado para arrecadar dinheiro ao empreendimento de Youssef. Esses R$ 25 milhões seriam aportados pelo Postalis. Os outros R$ 25 milhões, pelo Funcef, da Caixa Econômica Federal.

– Eu estive com Youssef no café da manhã no dia 14. Ele afirmou ter vindo a Brasília dois dias antes e ter resolvido com o PT a aprovação da operação. Ele também disse ter conversado com Renan para acertar a ponta que era do PMDB e que até o fim do mês a operação com o Postalis iria sair. Não saiu porque Youssef foi preso – afirmou Meire.

O GLOBO revelou a história em 12 de setembro. Uma reportagem mostrou que a contadora, em depoimento à Polícia Federal (PF), afirmou ter havido uma reunião entre Youssef e Renan para tratar de investimentos de fundos de pensão. Segundo Meire, na reunião foi fechado um “acordo verbal” para que fundos de pensão investissem em ações de uma das empresas do doleiro.

No depoimento, Meire afirmou que parlamentares do PT e do PMDB fizeram as negociações pelos aportes dos fundos Postalis, dos Correios, e Funcef, da Caixa Econômica Federal (CEF), mediante uma suposta partilha de comissões com integrantes dos dois partidos. Pelo PT, as negociações teriam sido conduzidas pelo deputado federal André Vargas (sem partido-PR). A proximidade e negócios conjuntos do deputado com o doleiro já foram citados nas investigações da Lava-Jato.

O valor dos aportes dos fundos de pensão, ainda segundo o depoimento, seria de R$ 50 milhões. “Corretores” – intermediários que fariam o dinheiro chegar aos partidos – ficariam com 10%.

YOUSSEF TERIA CONTATOS COM EX-MINISTRO MÁRIO NEGROMONTE E CHEGOU A ORIENTÁ-LO, DIZ POZA

A contadora que atuou para o doleiro Alberto Youssef e que colaborou com as investigações da Polícia Federal (PF), Meire Poza, afirmou que o ex-ministro das Cidades Mário Negromonte mantinha contatos com o doleiro e chegou a orientá-lo sobre a compra de uma empresa de controle de monitoramento de veículos em Goiânia. Negromonte, que renunciou ao cargo de deputado federal para assumir o cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) da Bahia em junho deste ano, foi ministro da presidente Dilma Rousseff entre fevereiro de 2011 e fevereiro de 2012.

O ex-ministro era visto com o doleiro num restaurante em São Paulo comprado por Youssef, segundo a contadora, que presta depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) mista da Petrobras, nesta quarta-feira. Negromonte, conforme Meire, indicou a Youssef a compra da empresa de monitoramento de veículos em Goiânia, pois haveria a aprovação do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) sobre esse monitoramento. O Denatran é vinculado ao Ministério das Cidades.

O irmão do ex-ministro, Adarico Negromonte, foi citado pela contadora como responsável por transportar o dinheiro das empresas do doleiro.

Em depoimento, a contadora Meire Poza elencou quatro empresas como clientes de uma das empresas dele, a GFD Investimentos: Mendes Júnior, Sanko Sider, Engevix e Paranasa. Ela confirmou que a GFD não exercia qualquer atividade e que a principal fonte de receita do empreendimento eram repasses dessas empreiteiras, em troca de notas fiscais frias.

Meire Poza afirmou não ter “informações diretas” sobre os contratos das empreiteiras com a Petrobras. Ela disse ser possível, no entanto, que o doleiro tenha presenteado outros servidores da estatal, além do ex-diretor Paulo Roberto Costa.

Costa ganhou uma Land Rover de presente do doleiro. Meire também confirmou que Youssef deu um helicóptero ao deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA), no valor de R$ 800 mil. Ainda segundo a contadora, o doleiro presentou uma amante com apartamentos e restaurantes, de nome Taiana. Quebras de sigilos telefônicos mostram diversas conversas entre Youssef e Taiana de Sousa Camargo, que trabalhou no gabinete da deputada federal Aline Corrêa (PP-SP).

— O Youssef recebia o dinheiro das empreiteiras e usava para comprar um terreno no Rio de Janeiro, por exemplo — disse Meire no depoimento, em resposta aos primeiros questionamentos do relator da CPI, deputado Marco Maia (PT-RS).

Meire já prestou depoimento no Conselho de Ética da Câmara, que abriu processo para investigar a relação de Youssef com o deputado federal Luiz Argôlo (SD-BA). Na ocasião, ela confirmou que o parlamentar recebeu dinheiro do doleiro, disse que Youssef fez pagamentos a outras pessoas e o definiu como “banco”.

A contadora decidiu colaborar com a Justiça do Paraná, onde tramitam os processos relacionados à Operação Lava-Jato, que desvendou um esquema de lavagem de dinheiro envolvendo um montante de R$ 10 bilhões. Ela confirmou a emissão de notas fiscais frias a empreiteiras, por meio das empresas de Youssef, com o objetivo de dissimular a prestação de serviços. Meire falou em “malas de dinheiro” movimentadas pelas empresas.

7 Comentários

  1. Álvaro Barros Responder

    Postalis pelo jeito está falido, mais essa? fora os 300 milhões que o marido da “Greisi” “investiu” nas arapucas do Eik Batista !kkkkkk

  2. Parreiras Rodrigues Responder

    A justiça será feita não apenas com a derrota de Dilma, mas com a sua cassação seguida de temporada na Papuda. Ela e o fincador de postes!

  3. O Idealista Parreiras Rodrigues, cabra da peste de Sta Izabel do Ivai, talvez seja neste pais quem tenha mais moral para chamar o Lula como f”fincador de poste” pois que ele com seu idealismo ousou fincar aqui no Paraná e o fez com exito, milhares de palmeiras nordestinas que vinham na forma de cocos e estão sobranceiras pelo noroeste do estado.
    A cada comentário teu Parreiras, acredito que quem tem no DNA a boa índole a levará para sempre, ao contrário do malandro lula que só pensa na grana e no lucro fácil, venha donde vier.
    Manda brasa Parreiras. Você é dos bons e confiáveis.

  4. Mírian Waleska Responder

    Aliás, Parreira Rodrigues, ela nem devia estar concorrendo a presidência, essa ladra já devia estar presa. Onde está a justiça nesse país? Ela vai perder a eleição e vai fugir. aguardem.

  5. PARREIRAS VOCEÊ ESTA CERTO COM TUA COLOCAÇÃO, SABE O QUE NOS PREOCUPA É O NORDESTE, ENTÃO PARANÁ SÃO PAULO ETC TEMOS QUE DERRUBAR ESSE NORDESTE QUE É MARAVILHOSO MAIS ELES GOSTAM É DE SOFRER….

  6. Renato Trindade Responder

    Nunca a máscara caiu de forma tão clara quanto a máscara de honestidade dos petistas. A Gleisi e sua camarilha deveriam renunciar o cargo público. O Requião que descaradamente é Lulista e Dilmista deveria renunciar ou comer a mamona prá valer!

  7. Dinheiro suado dos empregados dos correios, por isso que o postal saúde não funciona.

Comente