Uncategorized

Figueiredo Basto, advogado de Youssef, nega que doleiro tenha negociado com o PSDB

Foto: Denis Ferreira Netto/ Estadão figueiredo - - foto denis ferreira netto - estadao

Do Globo:

Os advogados do doleiro Alberto Youssef, preso na operação Lava-Jato, apresentaram nesta quarta-feira à Justiça Federal do Paraná um pedido de acareação entre o doleiro e Leonardo Meirelles, diretor-presidente da Labogem. A defesa quer ainda a impugnação do depoimento prestado por Meirelles na segunda-feira onde ele acusa Youssef de ter mantido negócios com o PSDB através do ex-presidente nacional da legenda Sérgio Guerra (PE), morto em março.

— Meu cliente jamais teve negócios com Sérgio Guerra ou com quem quer que seja do PSDB. Em seu depoimento à justiça, como é do conhecimento de todos, ele disse que tinha negócios com o PP e que o dinheiro de propinas da Petrobras iam também para o PT e PMDB — disse o criminalista Antônio Figueiredo Basto.

De acordo com a defesa do doleiro, Youssef não teria negociado com o PSDB. O pedido foi encaminhado ao juiz Sérgio Moro, que decidirá nas próximas horas se aceita ou não a acareação entre as partes. O advogado, que pediu também uma acareação entre Youssef e Meirelles para mostrar que seu cliente fala a verdade, Meirelles já prestou quatro depoimentos e em nenhum deles citou o PSDB.

— Não sei quais os interesses que movem Meirelles ao dizer agora que Youssef tinha negócios com o PSDB. Deve ter seus objetivos eleitorais. Mas Youssef não é movido por questões partidárias e está disposto a desmentir Meirelles, garantindo jamais ter tido negócios com o PSDB — afirmou o criminalista.

Segundo Figueiredo Basto, Meirelles já havia confessado, no dia 25 de março, logo após ter sido preso, que conheceu Youssef apenas em 2012.

— Se conheceu Youssef em 2012, como ele pode afirmar que meu cliente teve negócios com o PSDB em 2009? Acho que o depoimento do Meirelles está fazendo o jogo de alguém neste momento de campanha eleitoral, mas reafirmo que meu cliente é apartidário e não está protegendo ninguém. Seu depoimento de colaboração com a Justiça já está no STF e sua delação premiada é apartadiária.

Meirelles é apontado como laranja de Youssef no laboratório Labogen, indústria de remédios que estava falida e que o doleiro usou para tentar conquistar um contrato milionário com o Ministério da Saúde, na gestão do então ministro Alexandre Padilha, para fornecimento de medicamentos. Segundo o Ministério, o contrato não chegou a ser assinado.

Figueiredo Basto disse, contudo, que não pode responder pelo ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa. Em um dos depoimentos da delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa disse que pagou R$ 10 milhões para Sérgio Guerra com o objetivo de esvaziar a CPI da Petrobras em 2009.

— Não sei se o Paulo Roberto Costa teve ligações com o PSDB. Esse é um problema dele. No que se refere ao meu cliente, posso garantir que nunca teve negócios com Sérgio Guerra ou com o PSDB.

Para ele, agora Meirelles vai ter que provar em juízo se realmente Youssef tinha ligações com o PSDB.

— Ele vai ter que provar. Não pode ser apenas de ouviu dizer. Meu cliente vai provar tudo o que já contou à Justiça e é por isso que está à disposição para falar o que realmente aconteceu.

A CPI, que começou de forma ruidosa para investigar supostas fraudes na construção da refinaria de Abreu e Lima, entre outras obras da Petrobras, terminou sem qualquer resultado concreto. Guerra morreu em março deste ano e foi substituído na presidência do PSDB pelo senador Aécio Neves, candidato do partido à presidência da República. Na semana passada, a direção do partido disse que todas as denúncias têm que ser investigadas.

Depoimento teria incluído nomes do PSDB no esquema da Petrobras

Na segunda-feira, em depoimento na 13ª Vara Federal de Curitiba, Leonardo Meirelles afirmou que outros políticos do PSDB, além do ex-presidente do partido Sérgio Guerra, receberam dinheiro desviado da Petrobras pela organização do doleiro Alberto Youssef. A questão chegou ao tribunal conduzida pelo advogado de Meirelles, Haroldo Nater, que argumentou sobre o possível envolvimento de tucanos com esquema que teria beneficiado PP, PT e PMDB.

— Acredito eu que o PSDB e eventualmente algum padrinho político do passado e provável conterrâneo ou da região do senhor Alberto — disse Meirelles à justiça que teria confirmado ainda uma conversa por telefone entre Youssef e Sérgio Guerra. O ex-senador estaria cobrando uma promessa não devidamente cumprida pelo doleiro.

8 Comentários

  1. BRASIL DECENTE Responder

    Pois é, já desconfiava que era invenção dos PTralhas as vésperas da eleição para “nivelar por baixo” o PSDB, afinal esse partidinho de %$#@!#$ queria dizer: “viu, povo brasileiro eles se dizem diferente da gente mas são iguais”,mas obviamente não funcionou.

    Em tempo, AÉCIO está com 8,47% á frente da “presidenta” segundo pesquisas internas.

  2. ROBERTO FERNANDES DA SILVA Responder

    Quando é um advogado ou qualquer representante do PT que afirma ser calunia e difamação, o mesmo é membro da quadrilha… quando é alguém ligado ao PSDB ou que fale a favor desse, é um paladino da verdade que merece toda credibilidade… fica a pergunta: que advogado que na defesa de seu cliente irá depor contra???

  3. Isso é só desespero da petralhada. É o terrível medo da cadeia; da solidão; da falta da grana fácil, e de bajuladores baratos.
    Acabou, petezada. “És página virada, descartada do meu folhetim”, como diria o Chico; não fosse comuna, e amasiado com a bandidagem do partido.

  4. Parreiras Rodrigues Responder

    Abobados de enchente se apressaram a suspeitar de Álvaro Dias.

    Abobados de enchente me lembra a piada: Em 83, teve aquela baita enchente do Iguaçu, logo no começo do governo Richa Pai. Morreram pessoas. Na ante-sala do céu, São Pedro as recebeu em bloco. A cada depoimento, um velhinho sentado num canto da sala, resmungava: Cê nunca viu enchente!!!!
    Assim, um afogado dizia que as águas de março arrastavam postes, casas, outro, dizia que as águas levaram gado e cobriram barracões, assim todos.
    O velhinho, lá no canto: Cê nunca viu enchente.!!!!
    Lá pelas tantas, São Pedro, saco cheio dos apartes do velhinho, encara-o: Fica quieto ai, Noé….

  5. sergio silvestre Responder

    Delação premiada com os dois depoentes um divergindo do outro.Essa delação gorou,ficou sem credibilidade,ou não combinaram com os Russos.
    Deveriam fazer cursos para a delação sair perfeita e só delatar gente do PT,
    mas parece que alguém teve um desacerto e dedou todo mundo.
    Agora quem levou de boa nisso tudo foi a Dilma e a delação do juiz Moro foi pras cucuias,

  6. O PT é assim mesmo, quando descobrem-se seu lamaçal de falcatruas eles dão um jeitinho de puxar alguém para sujar os outros também, mas como a mentira tem perna curta, então não conseguiram…
    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Comente