Uncategorized

União tenta barrar auxílio-moradia a juízes

A Advocacia-Geral da União (AGU) protocolou, nessa segunda-feira (20), uma nova petição na tentativa de barrar o pagamento de auxílio-moradia a juízes federais de todo o País. No documento, o órgão alega que a existência de outra ação movida pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe) com o mesmo pedido, cuja liminar foi indeferida pelo então ministro Joaquim Barbosa. Além disso, a AGU reitera a necessidade de julgamento imediato do caso pelo plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com informações da AGU, a petição alerta para existência da chamada litispendência entre a ação originária, julgada pelo ministro Luiz Fux, que autorizou o pagamento de R$ 4,3 mil aos juízes, e ação de 2010 da Ajufe. A questão foi levantada pelo Estado do Rio Grande do Sul, em petição apresentada no início do mês. O Estado recorre da decisão liminar que também estendeu o pagamento aos juízes estaduais, entre eles os do Espírito Santo – cujo tribunal não reconhecia o benefício.

O órgão sustenta que a existência de duas ações com temas e partes iguais é ilegal, conforme prevê o Código de Processo Civil, pois como já houve ajuizamento de ação sobre o pagamento do auxílio-moradia, a segunda não pode prosseguir, devendo ser extinto o processo sem julgamento do mérito. Esse fato jurídico deve criar uma situação embaraçosa para o Supremo, sobretudo após as manifestações das entidades de classe da magistratura que pressionam os tribunais para o início dos pagamentos – que foi até regulamentado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O documento elaborado pelos advogados públicos traz, inclusive, a decisão liminar do então ministro Joaquim Barbosa que indeferiu o pedido da Ajufe e de outras associações de magistrados federais em setembro de 2010. As entidades exigiam o reconhecimento do direito ao benefício, que em 2010 era de R$ 2.750,00, alegando previsão do pagamento no artigo 65 da Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman).

O relator do caso concluiu que os argumentos apresentados pelas associações sobre a necessidade de equiparação de benefícios não eram suficientes para autorizar o pagamento. “A mera previsão na Loman não me convence, uma vez que os magistrados são remunerados por meio de subsídio, forma de pagamento que por natureza indica o englobamento em valor único de parcelas anteriormente paga em separado”, destacou Joaquim Barbosa à época.

Em outro ponto o ministro diz que “não me parece que tenha sido demonstrado receio de dano irreparável ou de difícil reparação. O auxílio-moradia não serve para complementar a remuneração do magistrado federal, mas sim para indenizá-lo por despesas que surgem da sua designação para exercício em localidade distante, mas que deve desaparecer à medida que o magistrado reúna condições de obter moradia adequada”.

Por esses motivos, a AGU reforçou que ficou evidente a semelhança entre as duas ações a partir do momento em que o ministro Luiz Fux admitiu o ingresso da Ajufe como parte na ação atual, na condição de assistente litisconsorcial (parte interessada).

2 Comentários

  1. BRASIL DECENTE Responder

    Pra mim,isso é um ‘ROUBO LEGALIZADO” e depois querem que procuremos a justiça? Oras, se eles mesmos não se respeitam e só pensam em ganhos materiais! Os juizes de verdade já se rebelaram contra esse ganho vergonhoso. Os juízes reclamam que tem muito trabalho e deveriam ganhar mais só que esquecem que são SERVIDORES PUBLICOS e não MARAJÁS e também “esqueceram” que tem ao contrário da maioria dos Servidores o PRIVILÉGIO CONSTITUCIONAL DA VITALICIEDADE APÓS 2 ANOS, é amigos, está na nossa carta maior que após 2 anos o cargo é vitalício e não estável.

    Na boa, se 26.000 reais brutos é pouco depois de tudo isso, os insatisfeitos com esse “baixo salário” poderiam pedir a EXONERAÇÃO e ir advogar, é, vão ser advogados sem ter ganhos fixos e vitaliciedade, afinal qualquer advogado no mercado ganha mais que 26.000 reais por mês não é? ah, e sem muito trabalho com certeza.
    BANDO DE CARA DE PAU.

  2. Ká ká ká esta é para ir dormir morrendo de tanto rir, qual é agora a palhaçada deste DesGoverno e da sua advocacia? Agora que todas as Suas Excelências e os paladinos da Justiça já estão recebendo a tal sinecura, a AGU vem dar uma de moralista? Chega de tanta enganação, a vergonha na cara desapareceu de todo mundo, quem o DesGoverno pensa que nós todos somos? Idiotas? Calhordas? Com certeza eles pensam que a gente é igualzinha a eles. E vamos ter mais desta palhaçada por mais 4 anos. Que Deus tenha pena de nós, porque vamos precisar demais da ajuda divina.

Comente