Uncategorized

Eduardo Cunha propõe parceria à oposição na Câmara: ‘Fora PT’

EduardoCunhaAlanMarquesFolha2

Do Josias de Souza:

Longe dos refletores, Eduardo Cunha, líder do PMDB na Câmara, procurou os congêneres da bancada da oposição para pedir apoio à sua pretensão de tornar-se o próximo presidente da Câmara. De acordo com o relato de seus interlocutores, o deputado irá à sorte dos votos no plenário enrolado nas seguintes bandeiras:

1. Fora PT: Eduardo Cunha apresenta-se como candidato favorito a impedir que um petista se apodere da cadeira de presidente da Câmara na legislatura que se inicia em fevereiro de 2015.

2. Independência: desafeto de Dilma Rousseff, o líder do partido do vice-presidente Michel Temer sinaliza que comandará a Câmara como um magistrado parcial. Nas bolas divididas entre Planalto e Câmara, decidirá sempre em favor do Legislativo.

3. Respeito às minorias: afirma, de resto: nas ocasiões em que a maioria governista ameaçar com o trator, proverá à minoria oposicionista a proteção dos escudos do regimento interno e da Constituição.

Antes composta por PSDB, DEM e PPS, a infantaria oposicionista ganhou o reforço do PSB e do Solidariedade. Numa primeira rodada de conversas, decidiram costurar uma estratégia conjunta. Analisam a viabilidade de uma candidatura própria. Como Plano B, a maioria prefere Eduardo Cunha a qualquer nome do PT.

Afora o flerte com os antagonistas de Dilma, Eduardo Cunha articula a formação de um bloco de legendas governistas para isolar o PT. Faz isso com o respaldo da unanimidade da bancada do PMDB, que o reconduziu à liderança na última quarta-feira.

Ao farejar a movimentação do pseudoaliado, o Planalto decidiu tratá-lo como adversário. Porém, numa conversa com Temer, Dilma disse que, antes de decidir o que fazer, seria conveniente verificar: A) como se comportarão os partidos. B) quem sobreviverá às delações do petrolão? O problema é que, se demorar muito para levar o seu fubá, Dilma arrisca-se a encontrar Eduardo Cunha voltando com o bolo -ou com o bololô.

4 Comentários

  1. Eh soh vasculhar um pouco e com certeza este também estah na roubalheira da Petrobras! Todo paladino da moral e dos bons costumes tem algo a esconder! E outra problemas de ordem pessoal deveriam ficar apartados da política. Cada um pensa nos seus probleminhas e o povo que se ferre! Esse cidadão eh um exemplo típico disto! Trabalhe pelo povo e soh!

  2. INTERESSANTE OBSERVAR QUE NINGUÉM PODE FAZER OPOSIÇÃO Á DITADORA DILMA, QUE QUER INTERFERIR NO PODER LEGISLATIVO, ATITUDE ESTA ANTI DEMOCRÁTICA, POIS OS PODERES DEVEM SER INDEPENDENTES e HARMÔNICOS ENTRE SI, e o executivo tem que respeitar o legislativo. Não estamos dizendo isso por aceitar a candidatura de Eduardo Cunha, mas sim por não concordar com o pretendido pelo Planalto. Respeitar o Poder Legislativo é um dever e obrigação do Poder Executivo, algo não visualizado nesses dezesseis (16) anos de petismo. Não respeitam ninguém, e o povo vai compreender esse descaso para com a Nação. Algo vergonhoso e antiético.

  3. BRASIL DECENTE Responder

    É, a turma da quadrilha do PT estão com os meses contados, é apenas uma questão de tempo pra oposição ter os documentos suficientes pra entrar com um processo de IMPEACHMENT e agora nem mesmo Mensalão, Petrolão e outras formas de corrupção irá adiantar pra esses quadrilheiros e isso é devido que até eles já viram que estão sendo marionetes da PTralhada em busca de seu sonho de uma ditadura corrupta e obviamente já viram que tudo tem limite e como eles( corruptos) tem filhos e netos já viram que o país que ficará no futuro não tem nada a ver com um país desenvolvido e se aproxima cada vez mais de uma Venezuela ( altissimo nível de assassinatos e corrupção e baixissimo nível de democracia) e apenas por isso que vão apoiar a DERRUBADA DA TIA GORDA assim que um pedido fundamentado de IMPEACHMENT adentre a casa ou seja, ela tá ferrada……penso que até final de 2015 teremos muita turbulencia institucional e daremos um bye bye pra esses quadrilheiros %$#@!&.

  4. É só da um google, veja o que diz na Wikipédia.
    Eduardo Cosentino da Cunha (Rio de Janeiro, 20 de setembro de 1958) é um economista, radialista e político brasileiro. Evangélico, é fiel da igreja Sara Nossa Terra e seguidor do bispo Robson Rodovalho. Atualmente, é deputado federal, pelo PMDB do Rio de Janeiro.

    Filiado ao Partido da Reconstrução Nacional, foi presidente da Telerj durante o Governo Collor . Já pelo Partido Progressista Brasileiro, comandou a Cehab no mandato de Anthony Garotinho. Candidatou-se pela primeira vez a um cargo eletivo em 1998, tendo sido eleito suplente de deputado estadual do Rio de Janeiro e assumido uma vaga na Alerj em 2001. Elegeu-se deputado federal em 2002, ainda pelo PPB. Reelegeu-se em 2006 e 2010, pelo Partido do Movimento Democrático Brasileiro.

    Como radialista, tem atuado em sete rádios FM (Rádio Melodia desde meados da década de 1990)no RJ, SP, PI, e PR (violando o artigo 54 da Constituição Federal)e responde três processos no Supremo Tribunal Federal (inquéritos 2123, 2984 e 3056). É conhecida sua posição em relação ao Marco Civil da Internet, na qual ele defende a autonomia das empresas de telecomunicações no controle de fluxo dos usuários, ferindo o princípio de neutralidade da rede . Em 2012 foi acusado de envolvimento na falsificação de documentos públicos que levaram ao arquivamento de procedimento no Tribunal de Contas do Estado. .

Comente