Uncategorized

Déficit comercial de outubro é o pior dos últimos 16 anos

Do Globo:

O comércio exterior brasileiro registrou um déficit de US$ 1,177 bilhão em outubro, o pior para o mês desde 1998, quando a balança registrou um saldo negativo de US$ 1,443 bilhão. As exportações somaram US$ 18,330 bilhões e as importações, US$ 19,507 bilhões.

No ano, há um déficit acumulado de US$ 1,871 bilhão, montante que só não foi superado pelo valor apurado no mesmo período de 2013, de US$ 1,990 bilhão. Nos dez primeiros meses de 2014, as vendas externas somaram US$ 191,965 bilhões e o gastos no exterior, US$ 193,836 bilhões. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

As exportações realizadas em outubro caíram 19,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior e 10,6% ante setembro de 2014, influenciadas por menos divisas com manufaturados e commodities. Já as importações decresceram 15,4% e 9,2% em igual período de comparação, como reflexo da baixa atividade econômica.

Em comparação a outubro de 2013, houve redução de 30,3% nas vendas de produtos manufaturados, com destaque para automóveis, que apresentaram uma queda de 52%, e óleos combustíveis, com um decréscimo de 62,4%. Também entra na conta o fato de, em outubro do ano passado, ter sido exportada uma plataforma para exploração de petróleo no valor de US$ 1,9 bilhão, o que não se repetiu agora.

No grupo básicos, as vendas caíram 15,4%, com ênfase para soja em grão, minério de ferro e milho em grão, respectivamente com reduções de 55,6%, 41,3% e 30,2%. Já os embarques de semimanufaturados tiveram uma pequena diminuição de 1%, devido a óleo de soja em bruto, outro e açúcar em bruto, entre outros itens.

IMPORTAÇÕES DE HIDROCARBONETOS

Nas importações, houve queda de 36,2% em combustíveis e lubrificantes, 14% em bens de consumo, 12% e, bens de capital e US$ 9,3% em matérias-primas e intermediários. Isso significa que boa parte dos gastos no exterior acompanhou o decréscimo dos preços e das quantidades embarcadas de óleos combustíveis, naftas, petróleo, gás natural e carvão.

Em bens de consumo, as principais quedas foram observadas nas compras de automóveis, móveis e eletrodomésticos. Em bens de capital, os maiores decréscimos ocorreram com maquinaria industrial.

Por mercados compradores, os Estados Unidos passaram, em outubro, a ser os principais clientes de produtos brasileiros, seguidos por China, Argentina, Países Baixos e Alemanha. Por mercados fornecedores, os chineses permaneceram na frente, com os americanos em segundo, os argentinos em terceiro, os alemães em quarto e os sul-coreanos em quinto lugares.

8 Comentários

  1. Ainda bem que o povão burro que votou na Dilma nem sabe o que é
    deficit comercial. São felizes tambem por não saber que o país indo mal
    comercialmente prejudica diretamente os seus empregos… empregos !?
    esqueci que vivem de bolsas diversas…

  2. Do Interior.... Responder

    Cadê a petezada que frequenta o site para comentar essa “conquista” deste partido imcomPeTente.

  3. No cenário atual do nosso país os lulistas e dilmistas dizem que tudo esta sob controle, e tem explicações para qualquer problema interno. A mais conhecida e que advém da crise internacional. Agora pergunto, segundo a matéria acima, como pode os Estados Unidos, seguidos de China, até a Argentina, Países Baixos e Alemanha, terem sido os maiores clientes em Outubro?! E detalhe, o maior “desafeto” da esquerda latina americana, foi o maior cliente…. Então, assumam a incopetência…

  4. No cenário atual do nosso país os lulistas e dilmistas dizem que tudo esta sob controle, e tem explicações para qualquer problema interno. A mais conhecida e que advém da crise internacional. Agora pergunto, segundo a matéria acima, como pode os Estados Unidos, seguidos de China, até a Argentina, Países Baixos e Alemanha, terem sido os maiores clientes em Outubro?! E detalhe, o maior “desafeto” da esquerda latina americana, foi o maior cliente…. Então, assumam a incompetência…

  5. Ué vi a PRESIDENTA DILMA e o MINISTRO MANTEGA falarem durante a campanha que estava tudo bem com a economia!
    Pôxa, como o mercado mudou após a eleição dessa corja…..
    E há que defenda essa quadrilha!
    Corruptos e Mentirosos, nosso País não merece o Governo que tem.

  6. Caro FÁBIO, agora já podemos dizer ” e agora DILMA ??”, qual a linha que nos orienta. Por mais tranquila que seja a indicação, estou indo em sentido contrário, visto que nos últimos 12 anos o sentido de orientação é o mesmo e já antecipo onde encerrará. Estamos em processo acelerado de cubanização política, seguido de processo semelhante no aspecto econômico. A sociedade brasileira entrará em processo de encerramento de ano, natal, festas, praias, férias, carnaval. A partir daí inflação alta, sem controle, elevação dos juros, estiagem, falta de água, safra comprometida, falta de comida, falta de papel higiênico, falta de carne bovina. É tudo o que DONA DILMA deseja. A partir de 2015, seremos uma VENEZUELA maior, caminhando celeremente para um ESTADO cubano como os petistas assim esperam. Não sendo muito forte contra os petistas, aceito que 51,0% dos cidadãos membros da sociedade brasileira assim também desejam. Estou indo no sentido contrário, contenção de despesas, contenção de compras, liquidação de pendencias e aguardar os acontecimentos. Por isso defendo liberdade de opinião, com liberdade de imprensa. Defendo que ” o sul é o meu país”, e conclamo a população para o IMPEACHMENT JÁ da DILMA. Atenciosamente.

  7. Sergio Silvestre Responder

    Deficit é um descontrole nos gastos de governos.
    Exemplo,o nosso aqui da terrinha deve um monte de dinheiro para fornecedores e não paga,é descontrle gerando deficit,
    Vamos dar desconto nos impostos para aqueles que pagarem adiantado,não gera deficit hoje mas no futuro vai fazer falta.
    Isso é descontrole,isso é deficit.

  8. Sergio Silvestre, o funcionário do lulo-petismo, como todo ptista não entende nada de economia…

    Défict é falta, insuficiência, carência…

    Mas o partido vai bem, tem os 3% pra equilibrar as despesas.

Comente