Uncategorized

Hospitais acusam
Fruet de atrasar
repasses do SUS

fruet repasse

Os hospitais Universitários Cajuru, a Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner acusam a Prefeitura de Curitiba de atrasar repasses do SUS. Segundo a assessoria dos hospitais, o repasse de recursos federais no valor de R$ 43,8 milhões não foi feito no dia 16 de outubro e o prefeito Gustavo Fruet (PDT) alega não ter o dinheiro.

A diretora do Hospital Cajuru Simone Simioli afirma que “a Secretaria Municipal de Saúde recebeu o dinheiro do governo federal, parcela única de R$ 5 milhões, e não repassou aos hospitais. A alegação da secretaria é que eles não têm dinheiro, mas o recurso vem do Fundo Nacional da Saúde e já foi repassado a secretaria”.

O Hospital Cajuru é filantrópico e 100% do atendimento é voltado ao SUS. São quatro mil e oitocentos atendimentos de emergência, seis mil e quinhentas consultas de ambulatório, mais de mil internamentos e mil procedimentos cirúrgicos por mês. É o maior pronto-socorro de atendimento de trauma do Paraná.

Os hospitais afirmam que caso os repasses não sejam normalizados os pagamento de obrigações aos fornecedores serão comprometidos e indicam possível desabastecimento de itens necessários a assistência dos pacientes e o pagamento de funcionários pode ser atrasado. Vaje a nota distribuída a imprensa pela assessoria dos hospitais.

Dos hospitais Cajuru, Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner:

NOTA À IMPRENSA
Os hospitais Universitários Cajuru, Santa Casa, Pequeno Príncipe e Erasto Gaertner demonstram preocupação em relação à assistência de saúde na cidade de Curitiba. A apreensão se deve ao atraso no repasse de recursos federais no valor de R$ 43.802.728,86, referente ao contrato fixo de prestação de serviços para o SUS, que a Prefeitura Municipal de Curitiba deveria ter realizado para os hospitais no último dia 16 de outubro.

A portaria de número 2.617 do Ministério da Saúde estabelece o prazo de 5 dias úteis, após a transferência federal à prefeitura, para o repasse aos hospitais. No último dia 9 de outubro, o Fundo Nacional de Saúde destinou o recurso para que a prefeitura encaminhasse às entidades que prestam serviço ao Sistema Único de Saúde (SUS) na capital, o que classifica 18 dias de atraso.

Em função do regime de gestão plena do Município, os hospitais exigem um posicionamento oficial da Prefeitura de Curitiba quanto a efetivação da transferência dos recursos enviados pela Governo Federal. As instituições lesadas alertam que os atrasos no repasse geram a tomada de empréstimos pelos hospitais, agravando a situação financeira dos mesmos. Além disso, os hospitais não conseguem efetuar o pagamento das suas obrigações em dia, os fornecedores indicam possível desabastecimento de itens necessários a assistência dos pacientes e o pagamento dos colaboradores pode ficar comprometido caso os repasses em atraso não sejam recebidos pelos hospitais. Lembramos também a importância da regularização dos pagamentos em função da necessidade dos hospitais efetuarem o pagamento do 13º salário dos colaboradores.

O atraso de recursos da saúde é mais um dos problemas enfrentados pelos hospitais conveniados ao SUS. O sub financiamento do sistema obrigada as instituições filantrópicas a arcarem custos superiores as receitas, gerando mensalmente prejuízos financeiros para estas instituições. A regularização dos pagamentos é fundamental para a manutenção regular dos serviços prestados pelos hospitais.

Assessoria de Imprensa Hospital Universitário Cajuru e Santa Casa de Curitiba

8 Comentários

  1. Renato Britto Barros Responder

    Nossa isso é caso de polícia.
    Cade o MINISTÉRIO PÚBLICO ? Quantas crianças estão sofrendo e isso sem contar os adultos e os mais necessitados ?
    Sr. PREFEITO GUSTAVO FRUET .
    CORTE SOMENTE 15% DA VERBA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA GAZETA DO POVO E TERÁ DINHEIRO PARA PAGAR TODOS OS HOSPITAIS DE CURITIBA.

  2. dá teus pulo grande prefeito, nem sombra do que foi o pai. aquele era um homem de responsabilidade. esse tem que estudar muito para chegar aos pés do velho.

    .

  3. Tem PT na historia… ou federal ou municipal…

    E aqueles vereadores, capitaneados pela Noemia Rocha, que fizeram campanha pra ajudar o Evangélico… e o problema é a prefeitura… seria engraçado se não fosse trágico.

  4. MENSALEIRO JÚNIOR Responder

    MAIS UMA VEZ FALO AO GUSTAVO FRUET PARA ALERTÁ-LO SOBRE SEUS ASSESSORES. NÃO ME FAÇA ARREPENDER-ME DE TER VOTADO EM VC. TROQUE TODO SEU SECRETARIADO E NOMEIE UM SECRETARIO PARA A TÃO IMPORTANTE SMDS,O POVO NÃO PODE ESPERAR MAIS,POR FAVOR PREFEITO NÃO COMETA SUICÍDIO POLÍTICO, AINDA DÁ TEMPO DE VC SE RECUPERAR, 2016 ESTÁ MAIS PRÓXIMO DO QUE VC IMAGINA.

  5. O PREFEITO CADE A PROMESSA DE CAMPANHA EU VOTEI EM TI MAS NA PROXIMA ESQUEÇA DO MEU VOTO EU ACREDITEI EM TI MAS AGORA TA DIFICIL DE ACREDITAR QUE A PREFEITURA NÃO TEM DINHEIRO VAMOS SE MEXER

  6. Político que acaba com o seu mandato fazendo de conta que governa,
    vai ficar falando sozinho. Hoje a população está mais consciente e cuida-
    dosa a respeito das ações governistas. Se ocorrer uma pesquisa hoje o
    Frueta deve beirar os 5 % de aprovação !!!

Comente