Uncategorized

Ivan Bonilha esclarece caso do “Metrô de Curitiba”

ivan bonilha

O conselheiro do Tribunal de Contas, Ivan Bonilha, afirmou hoje ao blog que se sentiu caluniado por notícia veiculada na imprensa. E para dirimir dúvida, Bonilha faz esclarecimentos sobre o caso do “Metrô de Curitiba”.

Bonilha esclarecc que a fiscalização da licitação do Metrô não foi escolhida avulsamente para ser investigada pelo Tribunal ou por mim. Ela consta desde o biênio anterior de “Plano Anual de Fiscalização” – PAF, do TC.

Sobre o processo, ele diz: “Fui sorteado relator para decidir sobre a legalidade e perfeição da contratação, e recebi um relatório de onze (11) engenheiros do Tribunal dando contas de um vasto rol de inconsistências, que não poderia ser ignorado nem pelo mais mentecapto dos gestores. Agi com extremo cuidado, nunca deixei este processo repousar por mais de duas noites em meu gabinete.”

Bonilha explica que concedeu prorrogação, a pedido do Município, que alegou não ter tempo para fazer esclarecimentos. E, depois, ao constatar ausência de documentos citados na defesa do Município, alertou informalmente a Administração Municipal, poupando-lhe uma custosa tramitação de diligência formal.

E concluiu: “Enfim, este processo é tratado, por todos neste Tribunal, com a seriedade que seus números recomendam. Mas, imputar o atropelo, o desencontro, a frustração, a incompetência ou outra qualquer falha, até as inconfessáveis…a esta Corte, ou qualquer dos seus, é sinal irrefutável de torpeza de motivos.”

8 Comentários

  1. Seria bom ele esclarecer como entrou no Tribunal de Contas! Elaborou parecer em causa própria. O resto…

  2. Fernando Guimarães Responder

    Vergonha esse TC do PR. Esse tipo de controle deveria ser feito por engenheiros. E, em qualquer caso, sem atrasar ou paralisar obras. Ainda mais uma obra importante como essa. Alta sacanagem…

  3. Mario G. Rocha Responder

    Não esclareceu nada. Há interesses inconfessáveis quando alguém trava uma obra dessas.

  4. Interessante conhecer este relatório de 11 engenheiros e vermos a experiência dos mesmos, nao em cargos públicos e obvio

  5. O poder revela os homens.
    Quem era Bonilha antes de ser indicado por Gustavo Fruet para ser procurador geral do município na gestão de Beto Richa?
    Agora, conselheiro,com cargo vitalício do TC vira o coxo e é servo apenas do governador em seu mandato, que o nomeou ao TC.
    Cuidado, Beto!. Você é o Gustavo Fruet amanhã!

Comente