Uncategorized

Gleisi quer metade das vagas no Legislativo
para mulheres

Gleisi1-- projeto senado

De Ivan Santos, Bem Paraná:

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado aprovou projeto da senadora Gleisi Hoffmann (PT), ontem, que prevê reserva um percentual mínimo de 50% das cadeiras na Câmara dos Deputados, nas assembleias estaduais, na Câmara Distrital do Distrito Federal e nas câmaras de vereadores para mulheres. Para a petista, a disparidade entre os sexos na composição dos Legislativos brasileiros revela que dificilmente o equilíbrio político entre homens e mulheres será alcançado naturalmente, demandando, portanto, a adoção de medidas afirmativas. Para ela, a aprovação da proposta será um passo fundamental em direção “ao aperfeiçoamento da representação política feminina no Brasil.”

Na justificativa do projeto, ela observa que nas eleições para a Câmara dos Deputados, em 2010, foram eleitas apenas 45 mulheres, o que representou menos de 9% da composição da Casa. Gleisi Hoffmann cita ainda que, numa escala decrescente de participação feminina em câmaras de deputados, em 2011 o Brasil ocupou a 108ª posição entre 188 países, conforme dados da instituição Inter-Parliamentary Union.

Segundo Gleisi, as cotas de 30% de candidaturas para mulheres representaram um avanço, mas não resolveram o problema. “Com certeza, precisávamos avançar mais para ter a garantia de que as mulheres possam ter, no Parlamento, o direito de exercer a sua representatividade, do jeito que têm na sociedade. Não há democracia plena se metade da população não tem a participação igualitária nas suas instituições”, afirmou.

16 Comentários

  1. Se todas forem iguais a ela e à Ideli e outras tantas iguais, exceto à Ana Amélia, estaremos mal representadas, à começar pela presidente.
    O parlamentar feminino tem que ser tão bom ou melhor que qualquer outro parlamentar, pois precisa representar bem todas as mulheres trabalhadoras, mães, esposas, avós, profissionais de todas as áreas dignas desse País. É um cargo honroso e de muita responsabilidade.

  2. Tem que primeiro fazer a cabeça das mulheres e oferecer condições financeiras iguais a dos homens para que possamos atingir este numero. Não adianta nada ter lei, sem que se tenha condições de candidaturas femininas, principalmente financeira, pois nem todas nós temos a mesma sorte da Gleisi de pertencer a um grupo influente e que concebe bilhões pra candidatura.
    Um ponto negativo, analisando a atualidade, os partidos tem poucas mulheres concorrentes e com isso poderão ter suas candidaturas prejudicadas, pois a maioria das mulheres não querem ser candidatas.

  3. O exemplo da senadora para que mulheres entrem na política não em sido muito edificante nesse sentido …

  4. Desde que nenhuma delas receba R$ 1mi de grana roubada de empresa pública, em quatro suaves prestações, digo, pacotinhos, no shopping, pra mim tudo bem!!!

  5. Quem não tem o que fazer, além de tentar barrar a CPI e a CPMI da Petrobras, inventa moda agora querendo que as mulheres tenham cinquenta por cento (50%) das vagas nos poderes Legislativos de todo País. Ela está tentando usurpar e burlar a democracia com um projeto absurdo desse tipo. Sabemos que hoje em dia para as mulheres saírem candidatas para preencher a quota de trinta por cento (30%) já é difícil, como complementaria os cinquenta por cento (50%)? Esse projeto se for aprovado terá consequências nocivas para o País, pois virá mexer com toda a estrutura eleitoral. Como essas vagas serão completadas? As mulheres terão mil (1.000) votos e serão eleitas ao pas so que os homens terão que ralar nos cem (100.000) ou duzentos (200.000) mil votos. Como ficará essa desproporcionalidade? Essa Senadora, após perder as eleições para a governança do Estado está pensando em sua sobrevivência, pois as duas vagas de Senador (que a quatro anos existem) uma seria de mulheres. E por quê não no Executivo? Para apagar o impacto negativo sofrido tanto nas eleições para o Governo do Estado (votação pífia) quanto no dinheiro que dizem que pegou para a campanha de 2,010 ao Senado Um milhão de reais (R$1.000.000,00). Não vai ser com um simples projetinho desses que irá desestruturar o sistema democrático. Na democracia tudo tem limite, inclusive projeto dessa má qualidade tem que ser ARQUIVADA por absoluta falta de objetividade, coerência, ser anti-democrático e inconstitucional.Esses petistas sempre puxando para o lado das mulheres como se elas não tivessem vontade própria, mas tentando interferir em suas pretensões.

  6. Vigilante do Portão Responder

    Mais uma TOLICE da Loira.

    Está Legislando em causa própria?

    Com medo de ter poucos votos na próxima eleição, Gleisi está preparando essa maracutaia.

    Assim, um homem, mesmo fazendo + votos, não se elege.

    Em seu lugar, garantida pelo 50%, assumiria uma Candidata, mesmo tendo MENOS votos.

    Parecido com algo que já ocorre no caso da Votação Proporcional.

    UM ERRO.

    Mais um.

  7. huneri luiz piovesan Responder

    Tudo bem senadora. E as cotas nessas mesmas casas como ficam? Negros e indios devem ter as mesmas cotas das universidades.

  8. Ela quer mostrar serviço criando cotas e propondo projetos inúteis, mas felizmente já cotada para cassação, poderá ser uma a menos no senado,

  9. Paladina da Moralidade Responder

    Principalmente mulheres com ética, decência e respeito. As corruptas não merecem estar no Parlamento. Merecem pedir a conta e cuidar do marido e dos filhos. Pelo FIM DA HIPOCRISIA. Por um Brasil melhor. Por uma nação igualitária. Fora ‘aos e às’ cafajestes de plantão. Brasil , nós te amamos.

  10. Projeto eivado de hipocrisia. O Brasil país do jeitinho vai se tornar o país das cotas também. Quem decide o percentual de representantes homens ou mulheres é o povo no exato momento em que ele está diante das urnas no primeiro domingo de outubro do ano eleitoral. Chega de cotas já bastam aquelas para afrodescendentes e pessoas de baixo poder aquisitivo. As cotas mais discriminam do que promovem a inclusão social; .

  11. Está aí o motivo da sua pouca votação. Isso é coisa de quem não tem o mínimo de bom senso.

  12. Edson Erasmo Porta Responder

    O que isso significa? Os 50% das vagas é para se candidatar ou pra eleição? Alguém poderia me explicar. Obrigado! Se foi o que entendi mesmo não vejo sentido nisto. Estão avacalhando este país a cada dia. Até em nosso voto vamos ser direcionados. Que democracia é essa?

  13. Dei uma corrida d’olhos nos comentários e pensei: não posso admitir 13 cometários, esse número maldito! Diante disso, lá vai o 14º, só pra ferrar o PT/3%!!!
    No mérito do post, diria: esses petistas são uns FDP mesmo! Não contentes em dividir a sociedade por nível educacional, poder aquisitivo, cor da pele, etc., agora querem dividi-la na questão de gênero!!! Ô Gleisi, para com iusso, deixa diusso! Essas coisas acontecem naturalmente, não precisa tu vir forçar a barra!! Aconselhe-se melhor com Kumaris, criatura de Brahma!!!!!

  14. Agora podemos jogar fora o Estado Democrático de Direito em nome de uma suposta “inclusão” das mulheres na política. Esse cotismo não tem limites: ele tende ao infinito! Primeiro são as cotas nas universidades, privilegiando uma raça em desfavor de outras. Depois fez-se a mesma coisa nos concursos públicos. Agora querem fazer para mulheres no Congresso Nacional?

Comente