Uncategorized

Paúra no “clube”
dos políticos

Estão paralisados, em compasso de espera.

Por Mary Zaidan

Ainda que pelo avesso, Dilma Rousseff acertou uma. Depois da prisão de alguns dos donos do dinheiro – grandes empreiteiros que pagaram propinas a operadores da Petrobras –, o Brasil definitivamente não será o mesmo.

Embora não façam cessar a corrupção, as grades têm o poder de inibi-la e de ampliar a delação. Mais ainda depois da síndrome da bailarina, referência a Kátia Rabello, do Banco Rural, que, assim como os demais empresários condenados no mensalão, continua na cadeia enquanto os políticos, exceto o delator, cumprem suas penas no aconchego do lar.

Rompida a crença do silêncio como garantia de proteção, corruptos e corruptores perderam o constrangimento de dedurar. Falam, entregam provas, devolvem dinheiro roubado. Algo – é verdade, Dilma – nunca antes visto neste país.

A delação atemoriza, apavora. A paúra é geral.

Quanto mais a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça Federal do Paraná desvendam segredos do “clube” dos empreiteiros, mais o “clube” dos políticos arrepia. Afinal, um clube não existe sem o outro. E vice-versa.

Fala-se de 60 ou 70 políticos do PT, PMDB e PP. Nominalmente, já se aponta para o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto (SP). Mas ninguém arrisca um palpite de até onde isso vai.

Teme-se, em especial, pelos VIPs. Assim como nem todos os empreiteiros participariam da elite do “clube”, entre os políticos não é diferente. Há poder de mando, hierarquia. Maiores e menores beneficiários de cada centavo desviado. Seja para o projeto político, seja para o próprio bolso.

Não por outro motivo, no PT e na base aliada, as disputas são acirradíssimas para colocar apadrinhados em postos-chaves do governo. Normalmente, naqueles que têm fatias mais generosas de recursos.

Petrobrás, fundos de previdência, Banco do Brasil e Caixa, além de ministérios obreiros, como Transportes e Cidades, são cerejas do bolo. Valem tapas, pontapés, todo tipo de golpe para assegurá-los.

Por ora, em vez do assanhamento que a reeleição deveria provocar, o “clube” político está em passo de espera. A paralisia é tamanha que até a presidente – talvez por temor de maior envolvimento dos seus – vem adiando o anúncio de mudanças na equipe.

Aos aliados, perturba a proximidade do ex Lula, responsável pela nomeação do delator Paulo Roberto Costa, e de Dilma, ex-presidente do Conselho de Administração da Petrobras, com o que está vindo à tona. Aflige, sobremaneira, nada ter acontecido para desmentir a revelação do doleiro Alberto Yousseff de que Lula e Dilma sabiam de tudo.

Em pane, os políticos desse nefasto clube, acostumados a criar as regras, espreitam da várzea. Fazem de conta que não são os donos da primeira divisão. Dilma, inclusive.

2 Comentários

  1. A roubalheira é tão grande que é quase inimaginável. Pindorama é realmente um país riquíssimo, porque se não fosse a roubalheira não seria tão grande. Diante de quadro tão vergonhoso o Gigante voltou a dormir no Berço Esplêndido.

  2. MENSALEIRO JÚNIOR Responder

    A PAPUDA ESTÁ SE ORGANIZANDO PARA HOSPEDAR OS CHEFÕES DESSA QUADRILHA E SEUS COMPARSAS POLÍTICOS, O BRASIL ESPERA QUE O STF NÃO SE FINJA DE MORTO QUANDO OS NOMES DA CÚPULA POLÍTICA CHEGAR AO SEU CONHECIMENTO,POIS SE TAL ACONTECER NÃO RESTARÁ OUTRA OPÇÃO SENÃO A INTERVENÇÃO MILITAR, COM FECHAMENTO DO CONGRESSO E DO JUDICIÁRIO. O CHEFÃO MAIOR NÃO TEM FORO PRIVILEGIADO E VAI CAIR NAS MÃOS DO JUIZ SÉRGIO MORO. SÓ DE OUVIR ESSE NOME, O CHEFÃO TEM FROUXOS INTESTINAIS, ELE E SEU FILHO PRODÍGIO VÃO AMARGAR LONGOS ANOS NA PAPUDA

Comente