Uncategorized

Em nota, Governo diz que vai lutar pela integração do transporte na RMC

onibus - ur3

Em nota divulgada pela Agência Estadual de Notícias, o Governo do Paraná esclarece alguns pontos em relação ao valor do subsídio repassado à prefeitura de Curitiba para manter a integração do transporte coletivo na região metropolitana da capital. “O Governo do Estado vai lutar para manter a integração do sistema de transporte coletivo da RMC, uma conquista social da população de Curitiba e da Região Metropolitana. Se necessário for, o Estado recorrerá à Justiça para que a população de Curitiba e da Região Metropolitana não seja prejudicada por decisões unilaterais da URBS”, diz a nota.

“Os dados apontados pela pesquisa da Fipe indicam que a URBS vem utilizando na gestão da RIT parte dos recursos arrecadados na Região Metropolitana para custear o transporte coletivo urbano de Curitiba. Enquanto a URBS estima que o número de passageiros oriundos da Região Metropolitana representa 21,7% do total de usuários da RIT, a pesquisa da Fipe constatou que esse número chega, na verdade, a 31,2%, ou seja, é cerca de 50% maior do que a URBS alega”, diz outro trecho da nota.

“Além disso, a própria planilha da URBS demonstra que a RIT tem um custo operacional 15% menor nas linhas metropolitanas, em comparação com as linhas urbanas de Curitiba. A discrepância entre o que a URBS utiliza e o que a pesquisa da Fipe constata produz evidente evasão de recursos da Região Metropolitana para o caixa da URBS, o que configura apropriação indébita de receita.

Leia a seguir a nota na íntegra.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

Em relação à nota divulgada pela Prefeitura de Curitiba sobre o indicativo de greve do transporte coletivo, o Governo do Estado esclarece:

1 – Desde novembro de 2014, o Estado tem procurado a Prefeitura de Curitiba para negociar a readequação e renovação do convênio que permite à URBS a gestão do transporte coletivo metropolitano integrado (RIT).

2 – A pesquisa de origem e destino de passageiros da RIT, feita pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), da Universidade de São Paulo (USP), mostrou uma discrepância no número de passageiros da Região Metropolitana de Curitiba em relação aos dados apresentados pela URBS, e que subsidiaram o convênio encerrado em 31 de dezembro de 2014.

3 – Os dados apontados pela pesquisa da Fipe indicam que a URBS vem utilizando na gestão da RIT parte dos recursos arrecadados na Região Metropolitana para custear o transporte coletivo urbano de Curitiba.

4 – Enquanto a URBS estima que o número de passageiros oriundos da Região Metropolitana representa 21,7% do total de usuários da RIT, a pesquisa da Fipe constatou que esse número chega, na verdade, a 31,2%, ou seja, é cerca de 50% maior do que a URBS alega.

5 – Além disso, a própria planilha da URBS demonstra que a RIT tem um custo operacional 15% menor nas linhas metropolitanas, em comparação com as linhas urbanas de Curitiba.

6 – A discrepância entre o que a URBS utiliza e o que a pesquisa da Fipe constata produz evidente evasão de recursos da Região Metropolitana para o caixa da URBS, o que configura apropriação indébita de receita.

7 – Independente da renovação do convênio operacional com a URBS, o Governo do Estado mantém ainda a isenção de ICMS sobre o óleo diesel utilizado na RIT, o que significa um subsídio de cerca de R$ 24 milhões por ano. Além disso, em 2014 o Governo do Estado repassou outros R$ 65 milhões em subsídio direto para a URBS.

8 – Enquanto o Estado desonerou o ICMS sobre o óleo diesel, a URBS continua cobrando 4% de taxa de administração e a Prefeitura de Curitiba, 2% de ISS sobre a tarifa técnica.

9 – O Governo do Estado vai lutar para manter a integração do sistema de transporte coletivo da RMC, uma conquista social da população de Curitiba e da Região Metropolitana.

10 – Se necessário for, o Estado recorrerá à Justiça para que a população de Curitiba e da Região Metropolitana não seja prejudicada por decisões unilaterais da URBS.

Curitiba, 23 de janeiro de 2015

Governo do Estado do Paraná

16 Comentários

  1. Quando Beto era prefeito ele deu conta de administrar o transporte público sem ajuda nenhuma (aliás, com marialoca jogando contra o tempo todo, diga-se de passagem). E ainda fez a domingueira.

    Fruet tem subsídios garantidos e não dá conta do recado? Não quer abrir a caixa-preta da URBS? Ignora a pesquisa da FIPE? Quer usar dinheiro da RIT pra tapar buracos da má administração da URBS?

    Que bonito! E o povo, só sistrepa.

  2. O Beto Richa tá provando do próprio veneno, do oportunismo que praticou para eleger-se prefeito em 2004. Naquela ocasião, para faturar politicamente, abriu um rombo na Urbs ao determinar a redução do valor da passagem de ônibus reajustada pelo então prefeito, Cassio Taniguchi, que elevou a tarifa e viajou, deixando o Beto interinamente. De lá para cá, o rombo só aumentou, porque, nem o Beto reeleito, e muito menos o acólito fraco que deixou interinamente como prefeito sanearam o problema do rombo.Na eleição do Gustavo, para tentar favorecer a eleição do fraco Ducci, subsidiou a tarifa. Perdeu a eleição, e agora o Beto quer se livrar do abacaxi
    Estes são nossos homens públicos. O caldo fica ainda melhor com o ineficiente e inoperante prefeito que temos agora.
    Que tragédia!!!

  3. Se o atual governador quando prefeito tivesse resolvido o imbróglio da tarifa de transporte público, mas não, empurrou com a barriga e depois deu mais uma empurradinha fazendo um subsídio para se safar nas eleições, agora, diz que vai lutar pela integração ?

    É só discurso, só discurso, governantes que não mandam porque inapetentes ao comando público, é isso que temos aí.

    E a sociedade continua votando nos mesmos, sem cobrar-lhes a solução dos problemas que se perpetuam, enquanto “eles” passam, sempre numa boa, deixando a terra arrasada …

  4. e o cara que escreveu a nota nem ficou vermelho. Quem será que mente mais nesta estoriada toda?

  5. Sergio Silvestre Responder

    Admiro a luta do governador,e como tem lutado e com a luta continuando ele vai enrolando.Acha que um governo que deve para fornecedores,e ainda a pouco falei com um que tem uma nota de 500 mil reais de serviços prestados e nada de pagto e acha que vai receber daqui 20 anos se ainda estiver vivo.E tem gente que ainda bota fé nele.

  6. O Governo culpa a Prefeitura, a Prefeitura culpa os empresários, os empresários culpam o sindicato, o sindicato culpa os trabalhadores (motoristas e cobradores) e os trabalhadores culpam o povo porque precisa usar o transporte público.

    Greves sucessivas de transporte público serão lembrada em eleições para senador e reeleição para prefeito.

    O duro é que final de fevereiro vamos amargar mais uma greve quando provavelmente o valor da tarifa terá um belo reajuste.

  7. ESTA NA HORA DE REVER OS LUCROS ASTRONÔMICOS DESSAS EMPRESAS,GANHAM RIOS DE DINHEIRO E POUCO FAZEM,TEM LINHA COM ÔNIBUS QUE QUEBRA NO MEIO DO CAMINHO,ÔNIBUS QUE ATRASA,FINAL DE SEMANA E FERIADO É UM CAOS,ESSA TARIFA A R$ 2,00 ESTA MUITO BEM PAGA.

  8. Esse caloteiro que pague o que esta atrazado, 16 milhoes, depois pode dar alguma ideia. Se pagasse conforme acordado, nao teriamos greve. Parece que vai querer parcelar em sete meses, nao tem vergonha mesmo. O mais kengracado e que se for necessario entrara na justica, PAGUE o que deve seu CALOTEIRO. Nunca fiquei tao envergonhado de ser paranaense, ah, logo ele vai dizer que a culpa e da Dilma…. e tem idiotas que ainda acreditam.

  9. Não me venha com demagogia com esta nota mais falsa do que nota de 3 reais, a culpa é do governo e da prefeitura ,briga partidaria não respeitando o usuários do transporte coletivo, isso é falta de respeito!!!!!!

  10. Se os governantes utilizassem o transporte público pode ter certeza que o problema ja estaria resolvido.

  11. Vilmar Parolin Responder

    Primeiramente a URBS nao deveria existir, pois não serve para nada,
    somente serve para aumentar o preço da passagem o SINDIMOC E UM BANDO DE PICARETAS QUE USAM O SINDICATO PARA BENEFICIO PRÓPRIO,NÓS ESTAMOS FRITOS NA MÃO DA URBS E DA FAMILIA GULIN QUE É O OLIGOPOLIO DO TRANSPORTE.
    NOSSOS VEREADORES NÃO SERVEM PARA NADA TAMBÉM, SÓ VOTAM COM O PREFEITO.E FINALMENTE O VEREDOR JORGE BERNARDI QUANDO DIRETOR DA URBS NÃO FÊZ NADA PARA MELHORAR E BARATEAR A TARIFA.A GRANDE MAIORIA DOS VEREADORES É BANCADA PELOS EMPRESARIOS DO TRANSPORTE COLETIVO. ESTAMOS LITERALMENTE SEM PAI E MAE A MERCE DE PESSIMOS POLITICOS .

  12. Onde esta a lei para punir, 75% dos ônibus deveriam estar rodando, o povo esta pagando não anda de graça.

  13. Foi o desgovernador que fez o estrago no transporte coletivo quando disseram para ele que era prefeito. Ele agora que arrume a bagunça.

  14. Quem mente, eu não sei, prezada noiva assassinada e ressucitada de Tarantino.
    Eu sei quem se dana com isso: o povo de Curitiba e região.
    Enquanto o acordo dos governos com os donos das empresas valia, nada de greve.
    Todo mundo ia prá Miami, Riviera Francesa, ou mesmo Porto de Galinhas, no caso de reles gerentes do transporte público (tanto de URBS quanto de COMEC).
    Bastou alguém querer mamar mais. A teta secou prá todo mundo: município, Estado e Federação. Com isso, está valendo neste momento o que diz o ditado: farinha pouca, meu pirão primeiro!
    O sindicato riu à larga da multa “de mentirinha” aplicada pelo juiz que acompanha as negociações desta enésima greve dos ônibus. Há jurisprudência favorável aos motoristas e cobradores, pois no ano passado foi aplicada multa de R$100.000,00 diários se os trabalhadores do transporte público não pusessem na rua pelo menos 70% da frota em horário de pico. Acordo feito, ninguém pagou um centavo sequer, pois a juiza à época liberou…
    Bom para os motoristas de taxi, vans, transportes alternativos, carrihnos de carga, motos, tuc tuc, velocípedes e outros: R$30,00, se tiver “bagagem” (qualquer bolsinha ou mochila).
    Enquanto os que decidem tiverem carrões à disposição, com motoristas e entrando e saindo de ambientes com ar condicionado, sem ter que depender de saúde ou educação pública, as coisas não mudarão.
    Vamos votar melhor, meu povo!

  15. O COMANDO se toca se voce esta contente com o que esta
    acotecendo com o municipio estado e país voce é um dos que
    deveria repenssar no que diz tem que parar sim pois eles mercem
    respeito e vamos parar com o chavao (o povo esta pagando) e mais
    a lei tem ser para eles (politicos de todos os partidos) pois sao
    farinhas do mesmo saco.O POVO ESTA PAGANDO A MUITO TEMPO POR NAO SEBER LUTAR PELOS SEUS DIREITOS
    POR ACEITAR TUDO QUE ESSES POLITICOS FAZEM

Comente