Uncategorized

Requião reclama, mas
TC diz que rombo no ParanáPrevidência já existia em sua gestão

Requiao_Castellano-300x197

do Rogério Galindo, Gazeta do Povo:

O senador Roberto Requião (PMDB) andou reclamando em público do Blog Caixa Zero por ter afirmado que já no governo dele foram se acumulando dívidas do Executivo com o ParanáPrevidência. A afirmação estava em um post que criticava a decisão de Beto Richa (PSDB) de desmontar a poupança que vinha sendo feita pelo estado para reduzir, no futuro, a pressão do pagamento dos aposentados sobre o caixa do estado (leia aqui a análise).

Requião usou um blog “amigo” do PMDB para dizer que isso não era verdade. Destilou alguns impropérios contra o blogueiro e disse que a indignação era grande porque ele havia pago “religiosamente” as obrigações com a ParanáPrevidência.

Não é o que afirmam os documentos oficias, no entanto. Relatórios anuais da prestação de contas do governo do estado mostra que o rombo previdenciário do estado foi mesmo aumentando ao longo dos anos durante a gestão de Requião. Ao final de 2009, último ano completo do governo Requião, como mostra o extrato ao lado do parecer prévio do TC, a falta das parcelas da contribuição com financiamento chegavam a R$ 970 milhões, segundo o TC. O déficit técnico era de R$ 772 milhões, elevando o acumulado do fundo previdenciário para R$ 1 bilhão.

Claro que muito mais grave do que não fazer repasses é tomar o dinheiro que devia ficar lá para pagar imediatamente os aposentados – simplesmente por falta de capacidade para manter o tesouro fazendo os pagamentos como devia. Isso é o que está fazendo o governo Richa. Mas na gestão Requião houve sim, segundo o TC, falhas no pagamento da ParanáPrevidência.

previdência -1

12 Comentários

  1. Prezados,
    É necessário um esforço generalizado dos governantes e do empresariado, no sentido de se melhorar as exportações de PRODUTOS ACABADOS/PRONTOS PARA CONSUMO.
    Com isso o resultado da balança comercial será de QUALIDADE.
    ACHO QUE A EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS PRIMÁRIOS ENRIQUECE ALGUNS E EMPOBRE O PAÍS, POR CAUSA DA FUGA DE MATÉRIA PRIMA, TÃO NECESSÁRIA À AGROINDÚSTRIA, INCLUSIVE NO QUE SE REFERE À GERAÇÃO DE EMPREGOS E RENDA.

  2. Esse Requião é muito cínico….existiam processos na gestão dele, por falta de pagamento da contrapartida do Estado. O documento exposto na matéria cala esse idiota.

  3. Ká ká ká agora que o barco afundou todos os “capitães da nau do Paraná Previdência” quer por a culpa nos outros capitães. Mas todos são culpados, desde o criador até o piá de prédio. Nesta estoriada toda todos tem culpa.

  4. Sergio Silvestre Responder

    Pelo que eu vejo ai o distinto governador é que quer passar a mão nesse dinheiro,ou não.

  5. Antonio Alvaro Rosar Responder

    Este blog deveria abrir um item em que possamos apoiar ou rejeitar as opiniões postadas.

  6. Vigilante do Portão Responder

    Tenho insistido para que as mídias esclareçam a questão da Previdência.

    Nosso Maior Jornal, mais preocupado em debitar a Falência do Sistema e o consequente descontrole dos gastos com pessoal (*) ao Atual Governo, esquece de relatar as causas do desequilíbrio.

    Haveria, segundo a Lei de criação do Regime Previdenciário do Estado, contribuição PARITÁRIA: Funcionário/ESTADO.

    Anos 1980, o governo DEIXOU de pagar a parte do Empregador.

    As aposentadorias, nesse caso, ficaram POR CONTA do CAIXA do ESTADO.

    Lerner, ao final do mandato, tentou “resolver” o problema. Fez um acordo para parcelar o Débito.

    Requião, ao assumir, rompeu o acordo, aumentando a dívida.

  7. Vigilante do Portão Responder

    Acabo de ler o relatório do TCE, de NOVEMBRO/2010, últimos meses do governo REQUIÃO, no qual o Tribunal atesta o ROMBO de R$3,2 BILHÕES no Fundo Previdenciário.

    O déficit, em resumo, foi causado pela FALTA de REPASSES do Tesouro e pela ISENÇÃO concedida aos aposentados.

    Entidades Sindicais, atentas ao problema, encomendaram levantamento dos dados.
    Um Especialista foi contratado.

    Foi constatado um ROMBO MAIOR, coisa de R$4,2 Bilhões.

Comente