Uncategorized

Juiz rejeita denúncia
de promotor contra
Cristina Kirchner

Foto: Enrique Marcarian / Reuters 2015-791001076-ARGENTINA-EDUCATION_-2_20150214

Para Daniel Rafecas, não há evidências de encobrimento de suspeitos iranianos no atentado contra uma organização israelita em 1994.

d’O Globo:

O juiz federal Daniel Rafecas rejeitou nesta quinta-feira a denúncia apresentada pelo promotor Alberto Nisman contra a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, por suposto encobrimento a acusados iranianos pelo atentado contra uma organização israelita em 1994. O magistrado rejeitou o pedido de indiciamento da presidente feito semanas atrás pelo promotor Gerardo Pollicita, quem deu sequência ao caso após a misteriosa morte de Nisman, no mês passado.

Rafecas considerou que “não foram dadas as mínimas condições para se iniciar uma investigação criminal com base no que foi apresentado pelo promotor”. Pollicita poderá apelar da decisão ante a Câmara.

“Ficou claro que nenhuma das hipóteses de delito sustentadas pelo promotor Pollicita em seu pedido sustentam-se minimamente”, disse o juiz, em documento obtido pelo jornal argentino “La Nación”.

Segundo Rafecas, a assinatura de dois acordos com o Irã — um de investigação conjunta sobre o atentado e o outro de colaboração comercial — e o suposto interesse em suspender o alerta vermelho da Interpol sobre os acusados iranianos não configuram delito.

O juiz destacou que a análise dos elementos “inibe a abertura de um processo penal” porque não se sustenta a suspeita de que haveria uma manobra para encobrir e/ou obstruir a investigação do ataque à organização israelita Amia..

Nisman foi encontrado morto com um tiro em sua cabeça em 18 de janeiro, um dia antes de apresentar sua denúncia ao Congresso. A Casa Rosada inicialmente pressionou pela definição da morte como suicídio, mas dias depois Cristina Kirchner classificou-a como um assassinato motivado por um suposto complô contra o governo.

O atentado contra a Amia, em Buenos Aires, em 1994, matou 85 pessoas e feriu mais de 300.

5 Comentários

  1. É IGUAL AQUI,O DINHEIRO FALA MAIS ALTO,O pt DE LÁ E O pt DAQUI,SÃO FARINHA DO MESMO SACO,OU ESTRUME DO MESMO MONTE.

  2. -Também existe a (in)Justiça na Argentina, afinal de contas, se o juiz aceitasse as provas, seria o próxima à “cometer um auto-suícidio contra sí mesmo”!

Comente