Uncategorized

Direita reaparece e ganha adesão na trincheira contra o governo

mais

De O Globo

RIO – A direita reapareceu no país. Tendência observada nas eleições do ano passado, a defesa de ideais de direita e centro-direita ganhou força nas manifestações antigoverno promovidas desde março. No Congresso, temas como a redução da maioridade penal seguem em discussão. Para especialistas, reconhecer que concorda com parte dessas ideias ou admitir em público “ser de direita” já não assustam muito. Segundo eles, a esperança de mudança depositada nos governos petistas foi grande, mas terminou abalada com denúncias de corrupção, contribuindo para o fortalecimento dos movimentos direitistas.

Bandeiras como redução da maioridade penal, revisão da carga tributária e a adoção de leis mais rígidas para crimes hediondos — que possam instituir a pena de morte ou perpétua — ultrapassaram a fronteira ideológica da direita e hoje são defendidas por eleitores que consideravam-se de centro ou centro-esquerda. Surgiram ainda grupos minoritários que reivindicam o retorno da ditadura militar.

Além do crescimento dos movimentos de direita no exterior, especialistas apontam a atual fragilidade política do PT, denúncias de corrupção — do mensalão à Operação Lava-Jato — e a condução da economia como razões para a direita despontar.

— Existem duas vertentes para a recuperação da direita. Por um lado, o ambiente mundial favorável e crescente à direita e ao centro-direita em vários países, que atinge principalmente os mais pobres. No caso da Europa, envolve a questão dos imigrantes. Por outro, temos no Brasil um governo mal avaliado — explica a pesquisadora do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil da FGV Marly Motta: — Mal avaliado politicamente, economicamente e moralmente, o que é muito grave para um governo de esquerda, onde os eleitores depositaram todas as esperanças de mudanças.

Marly ressalta que, mesmo se reafirmando nas manifestações, não há a garantia de que o ressurgimento da direita ganhará corpo suficiente para se manter forte até as eleições de 2018.

Segundo o professor e pesquisador da UFF Daniel Aarão Reis, grupos da nova direita têm se mostrado mais moderados:

— Havia muita dificuldade em se assumir como de direita. Ser chamado assim era encarado como um insulto. Existe hoje uma tendência à direita e ao centro. São “as direitas”: extrema-direita e grupos de direita mais moderados. Eles querem superar o lado pejorativo vinculado à direita.

Liderança de direita, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) diz que seu grupo “abraçou os pedidos de mudança feitos pela sociedade”. E que a direita está representada em nomes distribuídos por vários legendas:

— O último partido de direita foi o PDS. O meu, o PP (envolvido em denúncias de corrupção apuradas pela Operação Lava-Jato), acabou.

Pesquisa do Datafolha divulgada em setembro do ano passado, durante o período eleitoral, já mostrava tendência de crescimento da ideologia de direita. De cada cem brasileiros, sete possuíam tendências de esquerda; 28, de centro-esquerda; 20, de centro; 32, de centro-direita e 13, de direita. Os números foram colhidos a partir de um questionário que mediu a inclinação ideológica. O Datafolha usou como referência os métodos do Pew Research Center em estudos sobre o voto americano.

O GLOBO criou um questionário para identificar a tendência ideológica (ao lado), que pode ser respondido. As perguntas foram baseadas em levantamentos de institutos de pesquisa e entrevistas com cientistas políticos. Por ser uma enquete, não há uma amostragem científica.

RESISTÊNCIA ÀS AÇÕES SOCIAIS

De acordo com o cientista político e pesquisador da UFRJ Paulo Baía, a nova direita brasileira pode ser identificada por duas bandeiras e uma negação:

— Grupos de direita e extrema-direita, muitas vezes, não têm a percepção da desigualdade social. Eles defendem a redução da carga tributária e, em alguns casos, o fim de programas de proteção social. Para muitos, seriam privilégios.

Para Paulo Baía, no Brasil não existe atualmente um partido com representação nacional exclusivamente de direita, o mesmo não ocorrendo com legendas menores que buscam registro, entre elas uma sigla que reúne apenas militares:

— O PP e o DEM, por exemplo, apontados como de direita, reúnem os mais diversos políticos, que nem sempre compactuam com as mesmas ideologias.

— No DEM, um partido de direita, nem todos pensam igual. Existem alas mais moderadas. Não podemos generalizar e chamar todos do partido de direita raivosa — acrescenta Reis.

9 Comentários

  1. O povo está descobrindo que a DIREITA não é esse bicho papão pregado pela esquerda e que foi redondamente enganado pela esquerda no poder há 25 anos, notadamente pelo PSDB e pelo PT.
    A esquerda agora tenta seu último suspiro declarando guerra aos brasileiros e se utilizando da sua infiltração dentro da igreja católica através das CEB e da CNBB, uma estranha ong comunista que se proclama de bispos mas que não faz parte da própria igreja.

  2. deputados : proponham um PLEBISCITO P/ PENA DE MORTE.
    nao no primeiro homicidio, mas no segundo, para os ‘direitos humanos” não alegarem “armação “…
    .. GANHA DE GOLEADA … E PODE VIR GLOBO, OAB, CNBB, ETC FAZENDO CAMPANHA CONTRA…QUE MESMO ASSIM PASSA.
    facam uma pesquisinha particular nas ruas…

  3. Luduvig Van Mises, filosofo austriaco.

    Veja mais na wikipedia.
    Eunao tinha ouvido falar dele ate agora.

  4. NA CORDA BAMBA Responder

    Na época da ditadura falar em ser esquerda era ser comunista. Hoje
    ser direito ou esquerda já não importa mais porque ninguem possui
    mais ideal político. A situação está tão preta que a tentativa é de salvar
    a própria pele. O Brasil nunca esteve tão péssimo como está. O que
    pode piorar mais !? Nada !!!

  5. Infelizmente chegamos a um ponto crítico das nossas vidas onde
    a piada do otimista e o pessimista já virou realidade. Um pessimista
    diz que estamos tão mal que só vai sobrar “M” pra todo mundo. O
    otimista reponde:- será que vai sobrar um pouco para mim ???

  6. O estudo confunde os anseios da classe média com direita, a direita é bem mais do que isto. Duvido que muita gente que hoje sai às ruas pedindo a cabeça da camarada pre$idanta queira a volta dos milicos, gente que ensinou como é que se rouba e se fica impune. As aspirações da classe média tem sim pontos em comum com os ideais da Direita, só isto.

  7. Pai de familia Responder

    A esquerda é composta em sua grande maioria por maconheiros, vagabundos, que muitas vezes, criam sindicatos pelegos de governos esquerda, e muitos que se dizem: “Filosofos”, “historiadores”, “sociologos”, entre outros.

    São doutrinados que buscam adestrar os demais com suas mentiras e falácias.

    Adoram criticar o capitalismo opressor dos seus Iphones 5, tomando uma coca-cola e usando a camisa do Che Guevara.

    Praguejam contra o periodo militar brasileiro(não que eu busque seu retorno), mas amam as ditaduras socialistas Cubanas, Venezuelanas, Norte-Coreanas, que oprimem e massacram seus próprios povos.

    Esses esquerdopatas que a todo custo tentam reescrever a história e se passarem como “heróis da democracia”.

    Coerência e esquerda não andam juntas.

    O que a esquerda ensinou: Ódio, hipocrisia, demagogia, inversão de valores, dirtorção dos fatos e decadência moral.

Comente