Uncategorized

Policial cria confusão na hora de pagar a conta em bar, atira em funcionário e acerta cliente

foto - bar - bandab da Banda B:

Uma confusão generalizada no Bar Brahma, que fica na avenida Getúlio Vargas, no bairro Rebouças, em Curitiba, na noite desta quarta-feira (20) foi protagonizada por dois policiais militares que estavam de folga. Uma cliente de 27 anos que chegava ao bar foi baleada nas nádegas e outros dois funcionários foram agredidos pelos policiais ao tentarem defender uma mulher que acionava a Polícia Militar (PM). Os feridos não correm risco de morte.

A briga aconteceu por volta das 22 horas quando os dois policiais militares se levantaram para pagar a conta e ir embora. No caixa, aconteceu o desentendimento por causa de um cupom adquirido em um site de compras compartilhadas. A pedido de um dos gerentes, a funcionária do Vallet acionou a Polícia Militar (PM) por meio do telefone celular. Foi a partir desse momento que um dos policiais militares partiu para a cima da mulher. Testemunhas viram a cena e afirmaram que a funcionária foi agredida com socos e coronhadas.

O marido da mulher que estava sendo agredida tentou defendê-la e também entrou em luta corporal. O soldado Farias, lotado no Batalhão da Polícia Militar Ambiental, teria sacado uma arma e atirado contra o marido da funcionária, que conseguiu desviar. O disparo de arma de fogo atingiu uma cliente que entrava no bar, no momento da confusão. Além da PM, o Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate), do Corpo de Bombeiros, também foi acionado.

“A jovem que foi atingida por um tiro está em estado leve, mas com uma perfuração no glúteo. Já a outra vítima é de agressão, levou coronhada no rosto, que atingiu o nariz, o crânio. Provável que tenha fratura no nariz, mas também não corre risco. Parece que são dois policiais, mas serão averiguadas essas informações”, diz tenente Thiago do Siate. As duas feridas foram levadas ao Hospital Cajuru. Outro funcionário que também foi agredido foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Médico Móvel (Samu).

O policial militar que sacou e atirou dentro do bar foi detido por uma equipe do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), a algumas quadras do bar. O outro policial envolvido, lotado no Batalhão de Polícia Militar Rodoviária, permaneceu no bar para prestar os esclarecimentos. O Bar Brahma preferiu não se pronunciar sobre o caso, até que todas as imagens das câmeras de segurança sejam analisadas.

Outro caso
Recentemente, outro caso envolveu um policial militar de folga que atirou em uma pessoa durante uma discussão de bar. Um soldado da Polícia Militar (PM), Mateus Dall Agnol, que é lotado no 13º Batalhão da Polícia Militar, atirou contra um jovem de 19 anos em frente a casa noturna Shed Bar, que fica na rua Bispo Dom José, no bairro Batel, em Curitiba, em abril. Os dois teriam entrado em conflito dentro da balada e, horas depois, em frente ao local o policial efetuou um disparo de arma de fogo contra a vítima, identificada como Gustavo Henrique Bontorin Waller. O jovem ficou internado na UTI do Hospital Cajuru, se recuperou e termina o tratamento em casa.

4 Comentários

  1. Sempre que ocorrem contratações de novos policiais, tem-se um aumento nos incidentes e ações precipitadas.

    É preciso reforçar e alertar constantemente que o uso de armamento em qualquer discussão não é a postura esperada pela população.

    Recentemente em um assalto em andamento os policiais de folga, saíram em perseguição aos miliantes e distribuíram tiros no Cajuru, acertando uma adolescente que retornava da aula.

    Claro que poderiam atirar e devem, em casos de real ameaça, torço sempre pelo sucesso da Policia.

    Creio que o caminho é reciclar e reforçar na academia, cursos com psicólogos e policiais antigos.

  2. Beatrix Kiddo Reply

    Porque os dois PMs de folga estavam armados dentro do bar? Esperavam pelo pior? E agora o que vai acontecer com esta dupla de desequilibrados? Vão para o “setor administrativo”? Lugar de desequilibrado não é vestindo um uniforme da PM e muito menos com berro na cinta. E não é a primeira vez que acontece isto, infelizmente não será a última. E por quê não? Porque a PM está nem aí com as consequências do que os seus fazem.

  3. QUESTIONADOR Reply

    -De qualquer deve ser aberto inquérito e caso se comprove a culpa dos policiais, deveriam ser expulsos da corporação e responder o inquérito como pessoas comuns com a acusação de tentativa de homícidio!!!

Comente