Uncategorized

Cartola da Conmebol que prejudicou Atlético-Pr
em 2005 indiciado por corrupção no futebol

marin, nicolas - petraglia

Ora, pois. Vejam só. Entre os indiciados no escândalo deflagrado hoje (27) em uma ação conjunta das Polícias dos Estados Unidos e da Suíça que derrubou cartolas de todos os continentes está Nicolás Leoz, presidente da Conmebol entre 1986 e 2013. Neste meio período, Leoz mandou o Atlético Paranaense, de Mario Celso Petraglia, finalista da Libertadores de 2005, jogar a partida de ida das finais em Porto Alegre, que fica a mais de 700 km da capital paranaense.

O regulamento exigia que o time mandante deveria jogar em um estádio com capacidade de pelo menos 40 mil espectadores. O Atlético construiu arquibancadas provisórias na Arena da Baixada e conseguiu a liberação do corpo de bombeiros para tal capacidade.

Na ocasião, o então presidente da Conmebol não quis ceder ao apelo das autoridades de segurança pública, que alertaram o risco de colocar duas torcidas na estrada e que também chegaram a liberar a capacidade exigida para que a partida fosse realizada no estádio atleticano.

Leoz mandou o jogo para o Rio Grande do Sul, distante da Arena, grande trunfo atleticano naquela competição. Melhor para o São Paulo, de Marin, amigo de Leon e indiciado no mesmo escândalo, que acabou sendo o campeão daquele torneio.

4 Comentários

  1. Até que enfim, esses FDP, estão sendo presos, pela justiça dos estados unidos é logico, mas mesmo assim vamos comemorar, só falta o governo brasileiro, querer brigar para não extraditar esses vagabundos para os estados unidos e querer traze-los de volta ao brasil. o FBI poderia fazer uma auditoria nos estadios brasileiros tambem, quem sabe levaria mais uma duzia de vagabundos pra lá. porque se tem uma coisa que nós estamos apto a exportar é ladrão aqui tem bastanteeee

  2. Bobagem de cartola ressentido.
    Sevila joga a final da Liga Europa não na Espanha e o Dnipro da Ucrânia não no seu país e sim no estádio de Varsóvia (Polônia).
    Ou seja, ganha quem tem time.

Comente