Uncategorized

Free vovô

do Painel, Folha de S. Paulo:

Gilmar Carneiro, ex-presidente do Sindicato dos Bancários, apelou em seu blog para que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto seja liberado para sair da cadeia e visitar o neto que nasceu.

“Se os brutos também amam, as pessoas que mantêm a prisão de Vaccari poderiam se sensibilizar”, escreve o sindicalista.

9 Comentários

  1. Carmem Fulgencio Responder

    Sr. Gilmar Carneiro, me sensibiliza muito que uma criança não seja visitada pelo seu Avô, e que a mãe da mesma não tenha seu pai por perto nessa hora, mas o Senhor tem noção de quantas crianças nascem por dias, sem ser visitada pelo Avô, porque não possuem condições financeiras de conhece-las, ou porque seu Avô faleceu jogado em um hospital qualquer do SUS!!! porque o PT em vez de dar condições mínima que seja, de vida para o Brasileiro, Roubou vergonhosamente, afundou o Páis, e continua levando a Brasil a Bancarrota, e ainda temos que arcar com a conta da viagem!!! com todo respeito o Sr. esta brincando!!!!!!!!!

  2. Deixem o vovô metralha visitar o metralhinha. Melhor: levem o metralhinha para visitar o vovô metralha na cadeia. Assim aprende desde pequeno onde vão parar os ladrões de dinheiro público e ajuda o vovô a criar vergonha na cara.

  3. Em primeiro lugar deve- se pensar no bem estar da criança e afastá-la
    de corruptos e ladrões.

  4. Pra que..? para esse cara ir parar lá na Itália ou sei lá onde… NEM A P@U JUVENAL… fica ai no “xinlindra” que é o seu lugar

  5. Sociedade Responde Responder

    Nada disso meu caro Gilmar! Mesmo porque, pelo visto e pelo que fizeram, essa gente não tem coração… ** Deixa a energia negativa dos homens do Petrolão bem distante do anjinho para não contaminar desde cedo, ok? ** Fique em paz que o juiz Sérgio Moro também é um homem fraterno e trará o Vaccari como ele merece.

  6. Poderiam poupar o inocente que veio ao mundo agora, e não deixá-lo conhecer um dos bandidos do petrolão.

  7. Ela surtou porque deve ter visto quanto ganha um trabalhador brasileiro assalariado daqueles que compõe a maioria destes, os que “carregam piano”.

Comente