Uncategorized

Delegados condenam atuação midiática dos promotores do Gaeco

unnamed

O jornalista Celso Nascimento, na sua coluna deste domingo, 28, na Gazeta do Povo, registra que a Associação dos Delegados de Polícia do Paraná tomou pública sua posição sobre a atuação do Ministério Público por meio do Gaeco. Os delegados condenam promotores que “têm extrapolado ao agir de forma autoritária e seletiva buscando mais o sensacionalismo e os holofotes da mídia do que resultados que possam conduzir à responsabilização de autores dos delitos”, diz trecho da nota divulgada nesta sexta-feira, 26.

A Adepol cita casos ocorridos no Paraná, como o “vazamento irresponsável de calúnias contra Fernanda Richa procurando vinculá-la em malfeitos”. E acrescenta: “Nem mesmo o direito à defesa dos investigados tem sido admitido e respeitado, como se viu na tentativa de intimidação por parte do Gaeco ao advogado Sergio Botto de Lacerda pelo simples fato de, como profissional do direito, ter impetrado habeas corpus em favor de um suspeito”.

9 Comentários

  1. Sergio Silvestre Responder

    Os delegados de policia deveriam sim é apoiar,mas alguns estava envolvido meio que de raspão na coisa e vazaram,outros pediram aposentadoria etc,.
    Eu não sei no que vai dar ,mas esses jovens promotores não avisam aos Russos das suas intenções e essa ladroagem praticadas no Paraná lesou o estado a tál ponto de estar falido.
    Não adianta tentar tangenciar com uma imprensa amiga e bem paga que a coisa vai entornar,isso de seu braço direito,homem que circulava livremente pelo palácio,tinha encontro com empresários em saguões de hotéis chiques era o que do governador.
    Ora gente,ninguém é mais ingenuo a ponto de saber que ele tranalha para o governo e nisso tem cumplicidade,.

  2. Do Interior.... Responder

    Já estão chamando o gaeco e o MP de Londrina de DOP’s, órgão que estava acima das leis na época da ditadura militar. A manifestação dos delegados de polícia parece acender a luz amarela nisso.

  3. Se os promotores colocam os holofotes e aparece um monte de trambiqueiros fazer o que? Querem que apaguem os holofotes para continuar a trambicagem nas trevas ? Lembrem q o governo, aos costumes, não vê nada, não sabe de nada, não quer nada disso para afetar sua virtualidade …

  4. antonio carlos Responder

    Ká ká ká os senhores delegados estão com inveja destes novos paladinos da Justiça, mas é só darem algumas “exclusivas” para o pessoal que edita aquele gazetinha ali da praça Carlos Gomes que a coisa muda. Mas aí a ciumeira pode mudar de lado.

  5. Felizmente o jornalismo tem sido ponto crucial, caso contrário muitos casos já teriam sido abafados. O governo atual encontra-se num lamaçal sem tamanho. Um dos protagonista primo do governador e seu companheiro de corrida, como também o amigo esportista de tênis, sendo que este carrega toda a operação em seu NOTEBOOK pessoal. Lá estão provas concretas sobre toda trama com empreiteiras e distribuição das verbas das escolas do paraná. O tal Fanini é conselheiro na SANEPAR, ou seja os tentáculos da corrupção estão por todos os lados e secretarias.
    amigo assim quem precisaria de inimigo. primo assim é melhor que seja distante. O STJ atualmente é um centro de proteção, visto que lá tudo acaba prescrevendo ou engavetado.
    O PT está pedindo explicações ao seu ministro cardozo, não querem admitir irregularidades pois as provas estão chegando aos peixes maiores, vamos colocar o rabo de molho.

  6. Caramba!
    Bem antes do fotógrafo ser preso, já corria na assembleia os boatos de que um primo do Governador provocaria um tsunami no executivo. Começo a achar que abalou até os mais remotos fundões da administração. Essa dos Delegados não poderia ser diferente, pois há um histórico conflito de interesses…

  7. -Se as ações do GAECO estão fora dos limites da lei, então quem supervisiona o GAECO???
    -Existe alguma corregedoria ou auditoria para punir e coebir ações à margem da lei cometidas pelo GAECO???
    -Se as ações são ilegais, o GAECO pode ser considerado formação de quadrilha???

Comente