Uncategorized

Com chefes de núcleos regionais, Beto Richa
faz balanço e destaca
futuras ações

O governador Beto Richa reuniu-se nesta segunda-feira (31), em Curitiba, com cerca de 350 chefes de núcleos regionais do Governo do Estado, em todo Paraná, para fazer um balanço da gestão e discutir o planejamento para os próximos anos.

Richa disse que o sucesso do governo depende da união de todos. “Assumi o compromisso de mudar o Paraná. É preciso lembrar da responsabilidade, da obrigação que temos com todos os paranaenses” disse ele, durante o encontro. Apesar dos resultados positivos das medidas de ajuste fiscal, Richa reafirmou que é preciso manter austeridade no planejamento das ações. “O resultado de nossas ações tem que aparecer na ponta. Temos que ser exemplo de administração ética, transparente, competente com resultados positivos em todas as regiões”, afirmou Richa.

O secretário chefe da Casa Civil, Eduardo Sciarra, explicou que o encontro tem o objetivo de fazer um raio x das ações do governo e alinhar as estratégias. Esse é o maior evento do gênero já realizado no Estado, com participação dos secretários e de representantes de núcleos regionais da Educação, Saúde, Desenvolvimento Urbano, e de órgãos como Departamento de Estrada de Rodagem (DER) e Instituto Ambiental do Paraná (IAP).

RESPOSTAS – A secretária da Administração e da Previdência, Dinorah Botto Portugal Nogara, ressaltou que o evento ajuda a ter uma visão de unidade de gestão. “É importante para tiramos dúvidas e darmos mais velocidade nas ações de governo, gerando respostas para a sociedade em tempo mais curto”, afirmou.

Para o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, Ratinho Júnior, trata-se de uma oportunidade para trocar ideias. “O governo é muito grande e esta é uma oportunidade de ver como a estrutura está funcionando”, disse. O encontro é importante para criar padrões e verificar pontos de conflito e convergência na estrutura, de acordo com o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

AJUSTE – Em tom otimista, o governador ressaltou que o Paraná foi o primeiro Estado a fazer o ajuste fiscal e que será o primeiro a sair da crise. “O Paraná não é uma ilha, principalmente com o cenário de retração econômica e queda brutal de arrecadação em todas as esferas da administração pública por causa da crise financeira brasileira. Mas fizemos nossa lição de casa e isso vai permitir que possamos voltar a investir de R$ 3 bilhões a R$ 5 bilhões a partir do próximo ano”.

O governador afirmou que contribuíram para o ajuste recomposição de alíquota de impostos (como ICMS e IPVA), a redução das estruturas de cinco secretarias e corte de mil cargos em comissão. “Hoje somos o Estado com o menor número de cargos em comissão proporcionalmente ao número de servidores”, disse.

O Paraná, disse Richa, está conseguindo equilibrar suas contas em um momento em que outros Estados ainda estão tentando driblar as dificuldades financeiras. Atualmente seis estados não estão conseguindo honrar suas folhas de pagamento.

SOCIAL – Ao fazer um balanço do governo nos últimos quatro anos e meio, Beto Richa ressaltou a mudança na forma de administrar o Estado, com uma gestão aberta ao diálogo, tanto com a iniciativa privada quanto com os municípios. Ele também destacou o atual ciclo de investimentos, impulsionado pelo programa Paraná Competitivo, e os ganhos sociais promovidos nos últimos quatro anos. “Nenhuma administração se justifica se não melhorar a vida das pessoas”, disse, ao lembrar que o Paraná é o Estado com o segundo menor índice de desigualdade do País, segundo o IPEA.

INVESTIMENTO – Entre as ações com grande impacto social, Richa lembrou o recorde na entrega de casas populares, nos primeiros quatro anos de gestão, os investimentos na contratação de pessoal – 24 mil professores e 10 mil policiais – e o reajuste de 62% nos salários dos professores.

3 Comentários

  1. Valmor Lemainski - Cascavel Responder

    Esses encontros mostram em que porto as naus devem atracar… Toda a boa administração tem um foco, metas e uma equipe de bons comandantes…
    Estou feliz com o nosso estado…

  2. Sempre para o futuro, sempre para o futuro …
    Mas o passado avaliza esse futuro?
    Um passado de inapetência e incompetência governamental, cujos resultados foram o arrocho fiscal, o confisco da previdência e a tunga nos professores e servidores.
    Então, renova-se o chavão virtual – o melhor está por vir!
    Já vimos esse filme.

Comente