Uncategorized

Juiz suspende ação penal contra Luiz Abi

LUIZ ABI-kkBC-U101677807372PsB-1024x683@GP-Web
O juiz atende a uma decisão tomada no início de agosto pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Paraná

Da Gazeta do Povo

O juiz Juliano Nanuncio, da 3ª Vara Criminal de Londrina, suspendeu nesta sexta-feira (11) a ação penal do caso Voldemort, na qual é réu Luiz Abi Antoun, parente distante do governador do Estado, Beto Richa (PSDB), e nome influente na gestão tucana até ser preso, em março deste ano, pelo Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O juiz atende a uma decisão tomada no início de agosto pelo Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Paraná.
Abi chama alto escalão da PM como testemunha de defesa

Os desembargadores acataram um pedido de liminar da defesa de Abi, que alega que o Gaeco vê indícios da participação da secretária de Estado da Administração e Previdência, Dinorah Nogara. Como ela detém foro por prerrogativa de função, a defesa de Abi defende que o caso seja remetido ao TJ. Assim, até que a Reclamação de Abi seja efetivamente julgada, o Órgão Especial suspendeu a ação penal de forma liminar. O acórdão do Órgão Especial, com o teor da decisão, ainda não foi publicado, mas o comunicado sobre a suspensão chegou na tarde desta sexta-feira (11) ao gabinete de Nanuncio.

O primeiro a analisar o caso no TJ, o desembargador Renato Lopes de Paiva indeferiu em junho o pedido de liminar. Em seu despacho, Paiva destaca que Dinorah não foi denunciada. “Uma vez que nada existe no juízo do Tribunal de Justiça quanto à secretária (…), como se pode afirmar que este juízo deve ser estendido aos corréus? Sequer é possível falar que a Secretária de Estado e o reclamante são corréus, já que ela não foi denunciada. Também não se pode afirmar que o delito foi praticado em coautoria, já que a Secretária não foi investigada no primeiro grau. Não se pode estender uma competência que sequer foi fixada”, escreveu o desembargador. A decisão, contudo, depois foi revertida no Órgão Especial.

Na ação penal do caso Voldemort, Abi é acusado de montar um esquema criminoso para obter um contrato emergencial de R$ 1,5 milhão com o governo do Estado, de consertos e manutenção da frota oficial. Neste processo, ele responde, em liberdade, por organização criminosa, falsidade ideológica e fraude em licitação. Outros seis nomes são réus na mesma ação penal. Abi também foi denunciado pelo caso Publicano, no qual o Gaeco apura um esquema de corrupção na Receita estadual, com o envolvimento de dezenas de auditores fiscais.

Abi chama alto escalão da PM como testemunha de defesa
Catarina Scortecci

Poucas horas antes de ser comunicado sobre a suspensão da ação penal do caso Voldemort, nesta sexta-feira (11), o juiz Juliano Nanuncio fazia pedidos de inquirição de testemunhas arroladas pela defesa e pela acusação. Dois coronéis da Polícia Militar do Paraná seriam chamados como testemunhas pela defesa de Abi, o tenente coronel Hudson Leôncio Teixeira, do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), e o tenente coronel Élio de Oliveira Manoel, do Gabinete Militar da Assembleia Legislativa do Paraná.

Teixeira já é alvo de uma ação civil por improbidade administrativa em função da participação no episódio que ficou conhecido como o “massacre de 29 de abril”. A ação da PM deixou cerca de 200 servidores públicos feridos no Centro Cívico, em Curitiba, e Teixeira foi um dos comandantes da ação.

O advogado de Abi no caso, Antonio Carlos Coelho Mendes, disse que preferia não comentar a escolha do seu cliente. A reportagem deixou recado para o tenente-coronel Élio de Oliveira Manoel, que estava em reunião. O tenente-coronel do Bope Hudson Leôncio Teixeira está de licença para um curso da PM e a reportagem não conseguiu contato. Por causa da suspensão da ação penal, os pedidos de inquirição das testemunhas não devem prosperar.

7 Comentários

  1. Renato Britto Barros Responder

    Isso me lembra a famosa música do cantor e compositor Zé Rodrigues
    Que dizia mais ou menos assim :
    ” Soy latino americano ”
    Somado ao também cantor e compositor Belchior
    ” Sem parentes importantes e sem dinheiro no bolso ”
    Tem gente que nasce com o …… pra Lua.

  2. Sergio Silvestre Responder

    Fecha essa pocilga e vamos praticar a renuncia nos pagamentos de impostos.Para que se sacrificar para uns roubar e outros livrar.Rateiam tanto aqui no Blog sobre roubos e dentro de suas cozinhas os caras fazem o que querem.Que tipo de Justiça é essa desse tribunal?ali tem gente seria ou só tem vendilhão

  3. Até onde foi noticiado a tal oficina já havia consertado um punhado de carro e não recebeu um centavo do estado. Final disso será o pagamento com juros e correção pelo serviço já prestado. Ou será que a iniciativa privada tem que fazer caridade para o estado ??

  4. Ha tá!!! capaz que algum juiz desse brasil seja de fato pessoa séria, é claro que é um vendido, pelas regalias, pelas maracutaias, pelos cargos a parentes, por alguns ¨presentinhos¨, pelas nomeações e assim por diante.

Comente