Uncategorized

O que há para aproveitar este sábado

música?
Lenine-cantor
– A Orquestra à Base de Cordas recebe no palco do Sesi o cantor, compositor e violonista Lenine. O repertório fica em torno do álbum Carbono do pernambucano e conta com arranjos de diversos músicos, entre eles, Jaime Álem, que vem a Curitiba para assistir ao espetáculo. O teatro fica na Comendador Franco, 1341 e o telefone para informações é o 3271-7719.
– No Teatro do Paiol quem dá o tom da noite é a Banda Gentileza com músicas do álbum “Nem Vamos Tocar Nesse Assunto”. Para informações: 3213-1340 e 3213-1341.
– LéoFressatoapresenta “Canções para o Inverno pasar Depressa” naPraça dos Palhaços (Alameda Princesa Izabel, 465), às 17 horas.
– O Espaço Cultural Calamengau abre as portas nesse sábado comfestaemhomenagemaos 60 anos da Rádio Educativa do Paraná. A noite promete muito forró-pé-de-serra, que começaàs 22 horas. Endereço: Rua Dr. Roberto Barrozo, 1190.

cinema?
far-country-the-james-stewart-1955-everett
– Dentro da Mostra de Filmes da Cinemateca da Embaixada da França no Brasil, às 17 horas, a animação dirigida por Jung, Laurent Boileau, “Aprovado para Adoção” (França/Bélgica 2012) e o drama “O Batedor de Carteiras” (França 1959), de Robert Bresson, às 19h.
– Continua em cartaz Anthony Mann e James Stewart, mostra do Cineclube da Cinemateca. Às 16h o filme apresentado é “O Preço de um Homem”: “Howard Kemp (James Stewart) é um colonizador taciturno, que perdeu suas terras enquanto lutava na Guerra Civil. Para obterdinheiro suficiente para umrecomeço, ele se torna um caçador de recompensas no Colorado.

exposição?
– Exposição “Natureza, Amores e Sonho” exibe mosaicos de mais de 40 artistas brasileiros no mezzanino do Memorial de Curitiba. A entrada é gratuita e o horário para visitação é das 9 às 15 horas.

literatura?
índice
– visibilia, Rodrigo GarciaLopes
Em visibilia, Rodrigo Garcia Lopes procura trazer às vistas a natureza invisível. Trata-se de registrar os momentos em que a imagem pede a palavra, de reconstruir e dar novo sentido aos momentos aparentemente banais.
O autor reitera, sem dramatismo e com grande domínio técnico, a fissura entre homem e natureza e estende uma ponte poética para a meditação.

Comente