Uncategorized

Por amor, dentista deixou a casa ser usada para guardar drogas e armas

dentista marina stresser - foto MA- gazeta do povo

Em sua primeira entrevista após sair da prisão, a dentista Marina Stresser de Oliveira diz que seu maior erro foi ter se envolvido com a pessoa errada.

da Gazeta do Povo

Pela primeira vez desde que saiu da cadeia, em julho, a dentista Marina Stresser de Oliveira, de 27 anos, conhecida como “trafigata”, resolveu falar sobre sua prisão. Ela assumiu que sabia que havia coisas ilegais guardadas em sua casa e contou ter fechado os olhos por amor. Marina era casada com um homem que foi preso pela Polícia Federal, suspeito de tráfico de drogas, antes do caso dela vir à tona.

Há duas semanas, a dentista retomou sua rotina em um novo consultório, agora no bairro Santa Felicidade, mas com o “peso” da tornozeleira eletrônica. Ela não pode sair após as 21h e nos fins de semanas e feriados é obrigada a permanecer em casa. “Está sendo um recomeço. Difícil, não é fácil. Pelo tanto que o caso repercutiu, mudou a rotina da minha família, amigos próximos. Graças a eles também tenho bastante apoio”, disse a dentista. Ela recebeu a reportagem no escritório do advogado, Alexandre Loper, na Rua Mateus Leme, em Curitiba.

Marina foi detida em novembro de 2014 em frente de sua antiga clínica, no bairro Xaxim. No carro de Marina, um Renault Megane, estacionado em frente à clínica, e na casa dela foram encontradas, na ocasião, armas e três quilos de maconha. No consultório, a polícia apreendeu munição. O caso foi investigado pela Divisão de Narcóticos da Polícia Civil. O processo dela e de outro homem preso no mesmo dia está em fase final de audiência de instrução e julgamento. Assim que terminarem as perícias nos celulares recolhidos, o juízo da 9.ª Vara Criminal de Curitiba deverá conceder a sentença. Ela espera ser absolvida dos crimes de tráfico, associação para o tráfico e porte ilegal de armas.

Leia aqui a reportagem completa.

8 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    Sei, sei. Meu velho pai, promotor de justiça carioca das antigas, dizia que já tinha ouvido as histórias mais meigas, quanto aos motivos dos crimes, mas, que sempre haveria outras ainda mais meigas e ternas. A criatividade é infinita. Desculpa e bunda,todo mundo tem, ele dizia. Nada como uma boa assessoria de imprensa…

  2. parece um Ex Presidente não sabia de nada,não viu nada e não conhecia o marido. cana nela .

  3. Parabens, vida nova que começa, afinal todos mereçem uma segunda chance,( quem nunca cometeu um erro que atire a primeira pedra…)

Comente