Uncategorized

Eleições e dissimulações

alvaro_osmar_requiao.jpg

Por Celso Nascimento/Gazeta do Povo

Um sábio certa vez escreveu: “A palavra foi dada ao homem para esconder o seu pensamento.” Portanto, nem tudo o que lhe parece é. Vejamos o que dizem (em palavras) alguns notáveis políticos do Paraná a respeito das eleições municipais de 2016 e estaduais de 2018 para esconder o que realmente pensam:

• Senador Roberto Requião: “Serei candidato a governador em 2018”.

• Ex-senador Osmar Dias, atual vice-presidente do Banco do Brasil: “Já fui candidato a governador duas vezes e perdi; então, eu acho que o povo quer mesmo é que eu seja senador”.

• Senador Alvaro Dias (com mandato até 2022): “Me baseio nas pesquisas e elas mostram boas chances para me candidatar a presidente da República, mas não descarto ser candidato a governador. Vai depender das pesquisas”.

• Governador Beto Richa: “Não tenho essa ansiedade [de ser candidato à Presidência] que outros políticos têm. Cumpro apenas o mandato para qual fui eleito”.

• Prefeito Gustavo Fruet: “A democracia está muito cara. É insustentável. Se for candidato à reeleição posso até ser prejudicado”.

O que de fato pensam:

• Requião: quer mesmo é se reeleger senador, disputando sem correr nenhum risco uma das duas vagas. Acha que a candidatura de Richa não ameaça a própria reeleição, mas se no páreo estiver também Osmar Dias, tudo vira uma incógnita.

• Osmar : acredita que desta vez tem toda a chance de chegar ao Palácio Iguaçu, estimulado pelo desgaste político (talvez irrecuperável) de Richa, cujo grupo se encontra órfão de competidores viáveis. Torce para que o irmão Alvaro Dias decida disputar a Presidência.

• Alvaro: no fundo, sua prioridade é voltar a ser governador, mas também, secundariamente, acredita na viabilidade da candidatura presidencial (fora do PSDB e possivelmente já filiado ao PV), embalado por sua forte postura oposicionista nacional e pelo descrédito das demais correntes políticas na cena brasileira. Se nada der certo, manterá por mais quatro anos a cadeira no Senado.

• Richa: se em algum dia já lhe subiu à cabeça a mosca azul de ser presidente, ela (a mosca) já voou para longe. Sua intenção real é se eleger senador, bafejado pela sorte de haver duas cadeiras em disputa. Uma delas, não tem dúvida, é sua.

• Fruet: as palavras dançam em sua boca de modo a não se declarar aberta e definitivamente candidato à reeleição. Mas até as Vias Calmas sabem que a ideia de renovar o mandato não lhe sai cabeça, apesar de as pesquisas ainda não lhe proporcionarem segurança de vitória, mas se anima com a fragilidade dos adversários que se apresentaram até agora.

Política, além de poder ser definida como a arte de governar, tem muito a ver também com a arte de dissimular, isto é de ocultar ou disfarçar, sob palavras, os verdadeiros sentimentos.

5 Comentários

  1. Mais “chutes” do Celso.

    Só falta ele trazer os “palpites” do Matemático que fez a previsão de vitória do Osmar Dias.

  2. O grupo do Beto é menos ruim. Responder

    Não adianta espernear, em 2016 haverão apenas 3 grupos políticos com chances de vitória aqui na Capital e serão as seguintes:
    O Fruet com a máquina da prefeitura mesmo que lenta e descolado do PT e até agora sem um partido a vice definido e chapa de vereadores fraca;
    O Requiãozinho do PMDB rachado pelas brigas internas e a maldição do PT nacional que fazem parte do grupo e uma chapa de vereadores fraca também;
    O consórcio de partidos ligados à Beto Richa, onde sairão vários candidatos concorrendo entre sí no primeiro turno e aquele que se sair melhor, terá o apoio dos demais partidos aliados no segundo turno e que serão eles: Leprevost; Francischini; Rubens Bueno; Ratinho e/ou substítuto do PSC; Flavio Arns; Luciano Ducci; filha do Ricardo Barros e Cida Borghetti ( Atual vice governadora ) pelo PP.

    Sendo assim, não adianta espernear pois, a melhor estratégia pragmática é a do grupo do Beto Richa que pelo critério QUANTIDADE e não qualidade, levará sua estratégia à vitória da prefeitura em 2016 e consolidará seu projeto de pavimentar seu caminho ao Senado em 2018.

    E ainda mais que Fruet e Família Requião tem de negativo o fato de estarem ligados ao PT nacional e assim, não haverá perdão nas urnas.

    A eleição será ruim eu concordo mais vencerá o grupo do Beto por ser o menos ruim, eu disse menos ruim.

    Não merecíamos isso, mais é o que haverá para concorrer em 2016 e ponto final.

  3. Roberto Cardoso Responder

    Venhamos e convenhamos. Esses politicos de carreira aí citados, que contribuição deram ao país e ao Paraná nos últimos 30, 40 anos? Nenhuma. Por acaso o Paraná e o Brasil melhoraram com algum tipo de atuação desses politicos? Por favor, eleitores, aposentem esse pessoal. Chega dos mesmos. Ser oposição é a coisa mais fácil neste país. Quero ver fazer, acontecer, tomar uma atitude. Isso não faz parte do cardápio deles.

  4. O único páreo que o Bob pode se inscrever é o seguinte : Animais de 74 anos ou mais, sem vitória.

Comente