Uncategorized

Levy diz que governo
está engajado para evitar rebaixamento

moody's
Em nota, ministro avalia que a agência de avaliação Moody’s vai esperar definição sobre Orçamento de 2016 antes de decidir sobre grau de investimento

Com um dia de atraso, o Ministério da Fazenda divulgou uma nota sobre a perspectiva de rebaixamento do rating brasileiro pela agência de classificação de risco Moody’s. No texto, o ministro Joaquim Levy diz que o governo está “engajado em atacar os problemas” apontados pela instituição e reconhece que há sacrifícios a serem feitos para criar espaço para as medidas de melhoria do gasto público e para estabilizar a trajetória da dívida pública.

Na quarta-feira, a agência colocou a nota de crédito brasileira, até então estável, em revisão. Esse processo pode levar até 90 dias. O texto divulgado pela Fazenda atribui a situação ao cenário de crise política e a consequente dificuldade do governo em progredir com uma agenda positiva no Congresso Nacional.

“Os crescentes desafios para conter a deterioração do custo e tamanho do endividamento público, para assegurar a consolidação fiscal e a consequente piora do ambiente econômico impedem a retomada do investimento e da atividade, criando riscos ainda maiores para a qualidade do crédito soberano”, diz a nota.

O texto acrescenta ainda que a agência vai esperar uma definição sobre o Orçamento de 2016 para tomar uma decisão sobre o Brasil. Levy tem defendido que a meta fiscal do ano que vem, de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país), seja mantida, enquanto o Ministério do Planejamento argumenta que ela precisa ser reduzida, pois não há condições para que esse esforço fiscal seja assegurado:

“A agência aguardará os desdobramentos da proposta orçamentária de 2016 para conduzir exercícios sobre a trajetória de endividamento.Nesse sentido, os encaminhamentos requerem sacrifícios e o governo está engajado em atacar esses problemas, revendo a natureza legal, regulamentar e administrativa das despesas que, quando reduzidas, contribuirão para reverter o déficit fiscal e estabilizar a trajetória da dívida”, diz a nota.

2 Comentários

  1. Este pau mandado de banqueiros está sentindo na pele o bonde no qual embarcou.
    Quem pariu Mateus que o embale!

  2. O Brasil já está rebaixado pelos desmandos petistas. Agora é só oficializar. Vamos às ruas gritar “FORA DILMA, FORA PTRALHAS”!

Comente