Uncategorized

Tucanos fecham posição pelo impeachment de Dilma

tucanos

Em Brasília, reunião dirigida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso nesta noite de quinta-feira, unificou a posição dos tucanos pelo impeachment de Dilma Rousseff. Presentes todos governadores do PSDB mais o presidente nacional Aécio Neves, os líderes das bancadas da Câmara e do Senado. Ficou definida posição conjunta em apoio ao processo de impeachment da presidente Dilma Russeff. O PSDB passa a apoiar o impeachment em movimentos de rua, no Congresso, junto ao Supremo Tribunal Federal e Tribunal Superior Eleitoral. Com informações de O Globo.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que há razões jurídicas para aprovação do impeachment, mas é preciso discutir desde já uma série de reformas num pós-impeachment, como as da previdência e do sistema eleitoral.

O governador Beto Richa disse que foi uma posição unânime dos governadores e a avaliação repassada pelos líderes é que aumentam a cada dias chances de aprovação do afastamento de Dilma. Ele disse não temer retaliações do governo federal.

— Sempre fui tratado a pão e água. Essa é uma decisão partidária — disse Richa. E vamos cumpri-la.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que há razões jurídicas para aprovação do impeachment, mas é preciso discutir uma série de reformas num pós-impeachment, como as da previdência e do sistema eleitoral.

— As razões são suficientes (para aprovar o impeachment). Como foi dito pelo vice-presidente Michel Temer em seu livro, esse é um processo jurídico/político. A presidente desrespeitou reiteradamente a Lei de Responsabilidade Fiscal, tendo em vista a circulação de muito recurso lateral para programas sociais em ano eleitoral. É preciso se formar o clima político. Se esse clima político não se formar não há nada que derrube um presidente, que foi eleito. Mas o clima atual é que o Brasil está paralisado e um país como o Brasil não pode ficar parado, esperando que as coisas se resolvam por si só — disse Fernando Henrique.

Os líderes e o senador Aécio Neves garantiram que os governadores fecharam questão para apoiar o processo de impeachment. Estiveram presentes os governadores Geraldo Alckmin (SP), Marconi Perillo (GO), Simão Jatene (PA) Pedro Taques (MT), Beto Richa (PR) e Reinaldo Azambuja (MS).

— Há um sentimento no PSDB que o impeachment ganha força, e o esforço do partido é que esse debate se dê dentro do que propõe a peça assinada pelos juristas, com acusação de que a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade. Estaremos apoiando os movimentos de rua, mas com muita serenidade. O PSDB, com seus governadores e líderes, está coeso, convergente e sabendo qual será o seu papel no futuro. Foi uma reunião para afinar a orquestra — disse Aécio.

O governador Geraldo Alckmin, de São Paulo, falou em nome dos demais chefes dos executivos estaduais. Disse que a grande discussão é se o atual pedido de impeachment da presidente Dilma tem amparo constitucional, e no seu entendimento, tem.

— Não é um pedido golpista. Tanto é que o PT pediu impeachment dos presidentes Itamar Franco, Fernando Henrique e só não pediu de Lula porque era petista. O PT é o rei do impeachment — declarou Alckmin.

Mas as preocupações dos brasileiros, disse Fernando Henrique, não podem parar só na aprovação do impeachment da presidente Dilma, que é preciso fazer reformas e que sem isso não adianta trocar um por outro.

— Não para nisso. E o que vamos fazer? É preciso mudar o comportamento ético, o sistema eleitoral que está falido, não funciona mais. Não é possível continuar com a atual desordem orçamentária. Há um ônus muito grande a ser resolvido também na Previdência — defendeu Fernando Henrique.

Questionado se , numa eventual impedimento de Dilma e posse do vice Michel Temer, se ele apresentar um programa de reformas, o PSDB integraria um governo de transição, FHC brincou:

— Aí você pergunta para o presidente do PSDB.

— Os governadores do PT vieram respaldar as bancadas a favor do impeachment. Todos os governadores estão agora alinhados . O após, fica para depois — confirmou o líder Cássio Cunha Lima.

O governador do Pará, Simão Jatene disse que o PSDB só pensará em apoiar um futuro governo de transição, se houver uma proposta de reformas profundas.

— Não pode ser um governo repaginado para nos levar lá na frente ao que enfrentamos hoje. Se for para manter o que está aí, certamente o PSDB não vai apoiar — disse Simão Jatene.

Sobre os movimentos de rua programados para o domingo, o líder do PSDB na Câmara, Carlos Sampaio (SP) diz que não há expectativa de grandes multidões, porque é apenas um “esquenta” para uma outra grande manifestação que será agendada. Fernando Henrique disse que apoiará mas não sabe se estará na rua.

— Eu estou sempre na rua — brincou.

Sobre a ação que o PSDB vai entrar na Procuradoria Geral da República contra o uso de estrutura governamental para se defender do impeachment pela presidente Dilma, Fernando Henrique disse que é errada a prática, mas não acha um pecado mortal.

— Graves são outras coisas que a Operação Lava-jato está desvendando — disse Fernando Henrique.

4 Comentários

  1. São os paranaenses que pagam o “caviar”. Poderá usar como desculpa e lançar a mão no bolso dos desvalidos paranaenses.

    O Beto segundo a gazeta manda eliminar departamento do TC que questiona a contas do Governo.
    Então porque a Dilma não manda extinguir a PF?

  2. Sergio Silvestre Responder

    Hummm se a Dilma for deposta e acabar rapidinho as investigações da lava-jato,ai o povo enganado vai cortar os pulsos e querem saber minha opinião,DILMA DEPOSTA,MORO EM FERIAS.

  3. -Jogo de cena…apenas para desviar a atenção!!!
    -Não se enganem, o PSDB nunca foi e nem será oposição de qualquer outro partido…adota a mesma ideologia do partido reinante!!!!
    -Não há oposição com partidos de direita e muito menos com partidos de extrema direita neste País!!!
    -Todos tentam os conchavos e alinhavos para conseguir mais poder. Os desejos e as necessidades do povo brasileiro, são secundários ou inexistentes para estes senhores!!!

Comente