Uncategorized

Um bilhão e meio de reais

Oswaldo Militão, Folha de Londrina

O advogado londrinense Narciso Ferreira envia à coluna a sua opinião sobre uma afirmação do secretário da Fazenda do Estado do Paraná em dezembro último, que disse que os poderes Judiciário, Legislativo, Tribunal de Contas e também o Ministério Público são verdadeiras “ilhas de prosperidade”, pelo fato de que eles têm em seus caixas sobras orçamentárias superiores a um bilhão e meio de reais e que estão aplicadas em redes bancárias, rendendo juros e correção financeira. Para Narciso Ferreira, esses poderes deveriam devolver essas sobras para os cofres do governo do Estado. E disse mais: – “Penso que a OAB paranaense deveria fazer campanha para a devolução dessas sobras aos cofres do Estado”.

4 Comentários

  1. Geraldo Machado Responder

    Aproveitem para chamr o PESSUTI E O NEREU MOURA que mudaram a lei, LDO, em 2010 permitindo um maior repasse do governo do estado para os outros poderes.

    E lembrem-se que o REQUIÃO sempre foi contra a mudança.

    Pena que o BETO que recebeu esta LEI CAVALO DE TROIA não tenha tido força para mudar na LDO para 2012.

    Tenho certeza que se o REQUIÃO voltar a ser governador, acaba com esta festa.

  2. Doutor Prolegômeno Responder

    Se o Estado está quebrado, todos os poderes tem a obrigação de pagar sua parte na bancarrota.

  3. Vivemos hoje um quadro de ópera bufa no estado. Escassez é o que não falta no MP, no TCU/PR, no Poder Judiciário e no Legislativo. Muito pelo contrário. Porém, tranquilidade financeira não é sinônimo de qualidade na prestação de serviços ao contribuinte. O nosso Poder Judiciário é uma porcaria, caríssimo e péssimo. Como advogado digo que a OAB É UMA GRANDE PIADA PRONTA! É uma deusa cega também para o benefício de alguns. Num país onde o PT está conseguindo transformar isto aqui numa grande Cuba melhorada, pois se ganha um pouco mais que cinquenta dólares, aqui pelo menos todo mundo está vivendo como pode com R$ 1.000,00 a R$ 2.000,00 por mês. Os membros do Poder Judiciário e os outros citados no início do comentário são uma classe de nobres (aí incluído nobres como pessoas que trabalham muito pouco ou quase nada), onde dificuldades financeiras são algo da plebe distante. E para esta, BRIOCHES! UMA VERGONHA!

  4. Escritor da Bíblia Responder

    Zulivre Requiao vortá …
    O dinheiro capim do povo, roubado, tripudiado, scurrassado, não é faci pega de vórta.. arranca esse dindin dos vampiro … caso vórti, é bem bom specular se é verdade ou só pa ingreis vê

Comente