Uncategorized

Macri adota sua primeira grande medida de ajuste: 300% de aumento na luz

macri-reuters

El País

A maioria dos políticos, economistas e analistas argentinos afirma que o verdadeiro Governo de Mauricio Macri começa em março, quando terminam as férias de verão, as escolas dão início às aulas e as pessoas voltam à vida normal e à luta diária. À espera desse momento crucial, Macri já pôs em prática sua primeira grande medida de ajuste que promete polêmica: um aumento das tarifas de luz que rondará 300%, embora os detalhes só serão conhecidos em 1º de fevereiro. A Argentina, em especial Buenos Aires e arredores, a zona mais influente do país, tem há 12 anos, por uma decisão política dos Kirchners, uma das energias mais subvencionadas do mundo.

Macri e seu ministro da Economia, Alfonso Prat-Gay, querem reduzir os 7% de déficit público que o país acumula e decidiram começar a cortar nesses subsídios, que segundo diferentes cálculos representam até 2,5% do PIB argentino. Não vão eliminar todos, afirmam que eles serão mantidos para os dois milhões de usuários mais pobres e outros dois milhões de aposentados e pessoas de baixa renda, mas a decisão é radical, afetará a classe média e condicionará, sem dúvida, a arrancada da temporada política e econômica depois do verão. Até agora Macri se havia concentrado em reduções de impostos sobre a área rural e na liberação da taxa de câmbio. Agora, segundo definição de um ministro macrista, “vão começar a movimentar o barco”

4 Comentários

  1. Coisa de esquerdista Responder

    É ridículo, pra não dizer má fé, dizer que esta foi a primeira grande medida dele. Já desindexou a moeda, reduziu numero de comissionados, tirou a Argentina daquela canal inútil Telesur e retirou impostos da exportação.

  2. O desespero da esquerda é ululante diante da emergência de um governo sério,de um sujeito preparado,que -com medidas corretas -está colocando a Argentina no rumo certo.A imprensa carcomida por esquerdistas irá se esforçar,em vão!,para escrever todo tipo de mentira para tentar macular a imagem do Macri.

  3. Medidas corretivas, pois a energia lá, funcionava como o combustivel aqui na epoca ds eleicoes, 10 anos sem correcao……..

  4. EDILSON HUGO RANCIARO Responder

    Concordo com o Cesar. O que os argentinos pagam em energia elétrica, NOS PAGAMOS AQUI PARA COMPRAR 10 PÃES.

Comente