Uncategorized

Gazeta do Povo vendida por um real

índice

João José Werbitzki, no blog do JJ

Certamente vivemos os estertores do jornal de papel. A notícia deve ser confirmada nos próximos dias: a família Lemanski vendeu por um real a sua participação acionária no jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, para a família Cunha Pereira, que já era acionária da empresa.

O motivo deve ter sido, segundo minhas fontes, os prejuízos acumulados nos últimos anos pelo jornal (que teriam sido de R$40 milhões no ano passado), os quais vinham sendo cobertos com lucros da RPC TV (sociedade dos Cunha Pereira com os Lemanski).

A sociedade entre as duas famílias não se altera na rede de TV, mas nos jornais acaba. Além da Gazeta do Povo os Cunha Pereira agora também são os únicos donos da Tribuna do Paraná, que vem perdendo circulação ano após ano (da mesma forma que a Gazeta do Povo, o que deve ter se ampliado com a transformação do jornal do formato standard para berliner).

Na semana passada a Gazeta demitiu 12 funcionários sênior, inclusive o competente diretor de redação, Eduardo Aguiar, e outros que tinham sido contratados em Rio e S.Paulo, muitos deles com salários de R$ 50 mil.

Minhas fontes revelam que a Tribuna deverá deixar de circular até junho (se não reverter suas perdas em circulação e receita)..e que a Folha de Londrina enfrenta também uma situação delicada, com uma dívida da ordem de R$ 40 milhões.

5 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    É uma lástima que os jornais impressos serão extintos no Paraná. O Paraná que já é órfão de qualquer representação de relevância no cenário nacional. Com uma expressão política pífia, marcada por fanfarronice e nepotismo, de bisavô para bisneto há mais de cento e cinquenta anos, a província cispaulista vai acabar perdendo a última de suas vozes que se fazia ouvir, ainda que roucamente, e que, no passado, levantou bandeiras vitoriosas. No resto do Brasil sobrarão, talvez, o combalido mas glorioso Estadão e, mais provavelmente, a Folha e O Globo. Adio, giorni di gloria…

  2. Depois da morte do competente Francisco Cunha a decadência da Gazeta foi visível. Passou a ser um jornal parcial andando na contra mão daquilo que o velho Francisco fazia. Grande defensor da nossa terra e das causas Paranaenses era seu Francisco, coisa que os herdeiros não fazem.
    Questão de tempo não só a tribuna deixara de circular como tambem a gazeta vai sucumbir. E digo mais, da maneira como está, não fará falta.

  3. Renato Britto Barros Responder

    Já estava na hora da família Lemanski abandonar essas parcerias.
    No passado tanto o dr. Francisco quanto o dr. Lemanski remavam para o mesmo lado, hoje os herdeiros de Francisco querem mandar no dr. Mariano.
    Deu noque deu.
    Parabéns dr. Mariano pela bravura de deixar a gazeta.

  4. NEM A ” GORJETA ” DO pt SALVOU A LAVOURA,UM REAL AINADA É CARO PARA UM JORNALECO DESSES.

  5. -Perderam valores não somente pela diminuição das vendas, mas também um dos fatores que as redações destes jornais não estão entendendo e evolução das mídias digitais e também mudou muito a consciência dos leitores que não gostam mais de matérias tendenciosas e formuladas com viés político de esquerda, principalmente a matéria de política, economia, vida na sociedade e notícias policiais.

Comente