Uncategorized

Impedido de tomar posse, Lula atuará como ministro informal

Foto_ Ricardo Stuckert_ Instituto Lula

da Folha de S. Paulo

Mesmo impedido de assumir um posto no governo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escalado pela presidente Dilma Rousseff para exercer informalmente a partir desta segunda-feira (21) a articulação política do Palácio do Planalto, função típica do chefe da Casa Civil.

Com um prazo exíguo de pouco mais de uma semana, o dirigente petista desembarcará em Brasília para capitanear uma estratégia que impeça o rompimento do PMDB com o governo federal.

A cúpula nacional do partido marcou para o dia 29 de março reunião para tomar uma decisão oficial sobre o assunto. Com o agravamento da crise política, sobretudo com a divulgação de gravações entre Lula e Dilma, o Palácio do Planalto reconhece que as chances de desembarque do PMDB cresceram.

Para um auxiliar presidencial, não é possível neste momento “perder tempo” esperando por uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a posse do petista, a qual deverá ficar apenas para depois do feriado.

O momento, segundo o auxiliar, exige uma “operação forte” e uma “ofensiva direcionada” para evitar que aumentem consideravelmente as chances de abertura do processo de impeachment de Dilma na Câmara dos Deputados.

A decisão de escalar Lula, segundo auxiliares da presidente, tem como objetivo ainda reafirmar versão de que o petista aceitou assumir a Casa Civil não para se proteger de uma eventual prisão, mas para tentar recuperar as condições de governabilidade de sua sucessora no Planalto.

OFENSIVA

Além da conversa com Dilma, o petista pretende se reunir no início desta semana com o vice-presidente Michel Temer, com quem falou por telefone na quinta (17), e com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

A ofensiva, segundo assessores presidenciais, pode incluir até uma conversa de Lula com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adversário de Dilma e responsável pelo acolhimento do pedido de impeachment.

Em conversas reservadas, Temer avalia que a entrada de Lula ajuda na articulação política, mas o vice tem dúvidas se isso será suficiente para evitar um desembarque do PMDB, sobretudo com o agravamento da crise política.

O peemedebista tem reclamado que a presidente não o recebe mais e demonstrou irritação com a decisão do Planalto de nomear para a Secretaria de Aviação Civil o deputado federal Mauro Lopes (PMDB-MG), mesmo com decisão do partido de proibir filiados de assumirem cargos no governo até decisão oficial sobre o desembarque.

CARGOS E EMENDAS

Em outra frente, o governo cogita aumentar o espaço do PMDB em cargos de segundo e terceiro escalões e agilizar a liberação de emendas parlamentares. Até 16 de março, por exemplo, a maior parte das verbas foi direcionada para Saúde e Turismo, pastas comandadas pelo partido.

Dilma também marcou novo encontro com os seis ministros peemedebistas. Na reunião de coordenação política desta segunda-feira, a petista fará apelo para que os ministros aumentem a pressão sobre suas bancadas na Câmara e no Senado para evitar o impeachment.

9 Comentários

  1. Ministro informal so existe na cabeça deste desgoverno fascista e incompetente. pro desespero com medo da prisão.

  2. Doutor Prolegômeno Responder

    Ministro informal é uma idiotice sem tamanho. Fazer-se passar por ministro sem o ser é caso e falsidade ideológica. Quando muito ele pode passar por um palpiteiro em assuntos políticos. Qualquer outra autuação “informal” será interferência ilegal em assuntos do governo. A mídia do nariz marrom lulopetista não tem limites para seu besteirol.

  3. NÃO DUVIDEM SE ELE NÃO FOR CONTRATADO COMO COLABORADOR EVENTUAL COM STATUS DE MINISTRO, RSRSRSRS

  4. No período FHC, que só perde em falcatruas para o período Collor, o impeachment contra o “pai da criança” mais que justo só não prosperou graças às “forças não muito ocultas” de ACM, Maluf e toda a caterva da época. Brindeiro, o engavetador geral da república, dava cobertura ao bando…
    As mesmas empreiteiras, hoje sob o jugo de Moro, o “Imparcial” (piada!), também distribuíam mimos e propinas à torto e a direito.

  5. Como o próprio pau d’água Lula da Silva disse em 14 de fevereiro de 1988:
    “No Brasil é assim: quando um pobre rouba, ele vai para a cadeia. Mas quando um rico rouba – ajusta-se para político hoje – ele vira ministro”

    Luiz Inácio Lula da Silva, ex-sindicalista, ex-presidente do Brasil, atual ministro informal de Dilma e futuro presidiário.

  6. Tudo bem, mas sem foro privilegiado e acuado pela sombra negra da toga do Juiz Moro!
    Imagine-se quando dantesco da PF engatando o distinto em pleno Palácio do Planalto

  7. Essa presi..ANTA é muito cara de pau. Ela e sua legião continuam a brincar de governar. Prisão a todos.

Comente