Uncategorized

Perdemos o Cruyff

cruyff

Johan Cruyff, um dos maiores ídolos do Barcelona e a grande estrela do Carrossel Holandês na década de 1970, morreu neste dia 24, aos 68 anos, após lutar contra um câncer no pulmão.

“Em 24 de março, Johan Cruyff morreu pacificamente em Barcelona, rodeado por sua família, após um dura batalha contra o câncer. É com grande tristeza que pedimos respeito à privacidade da família durante seu período de luto”, diz um comunicado publicado no site oficial do ex-jogador.

5 Comentários

  1. Renato Britto Barros Responder

    O esporte mundial perde um dos maiores craques de bola do século XX.
    Foi embora o Carrossel Holandês.
    Pra nós brasileiros infelizmente ficamos ( Dunga) com a gangorra brasileira.

  2. Joe Kostelo Castelvan Responder

    Possivelmente sua família não vera esta mensagem mas que sirva de exemplo para os jovens.

    Cruyff, Neskens, Rep e outros mais formaram o melhor time de futebol que vi jogar.
    Na copa de 1974, só perderam a final na Alemanha, por pura sorte dos Deucthlands.

    Jogo bonito, limpo, pra frente, agradável de se ver.

    À família enlutada que Deus os console e tenham certeza que tanto como jogador, como técnico e como homem foi um exemplo a ser seguido.
    É isso que importa.

  3. Cruyff foi um grande jogador e depois que parou soube passar o que sabia. Atendia a todos com respeito e simpatia, diferente ad nosso “técnico” que pensa ser o “Deus” do futebol.

  4. -Excelente jogador e técnico de futebol. Como jogador de indiscutível técnica comandou a “Laranja Mecânica” da Holanda na final da Copa de 74 contra o futebol “burocrático” da Alemanha. Perderam a final, mas estava plantada a semente da revolução tática do futebol. Mais tarde foi jogador do Barça e depois como técnico do mesmo clube.
    -Comparava-se ao eterno camisa 10 Pelé o qual era fã e também da escola brasileira da Copa de 70 e 82…
    -Foi vencido pelo câncer de pulmão ocasionado pelo hábito do tabagismo, ainda como jogador. Uma pena!!

  5. Um gênio da bola. Ser inteligente, com uma visão de jogo que pouquíssimos possuíram ou possuem. Jogava com maestria, elegância e objetividade.

Comente