Uncategorized

Os vendilhões do Planalto

Editorial, Estadão

A aprovação ou a rejeição do impeachment de Dilma Rousseff vai depender, exclusivamente, de que os vendilhões do Planalto consigam negociar em número suficiente a mercadoria no momento mais valorizada no cenário político: os votos a serem registrados na sessão plenária que vai decidir a sorte da presidente da República. Pode­-se dizer, alternativamente, que o mandato de Dilma vai depender de que parlamentares venais fiquem satisfeitos com o que os traficantes de consciência, tendo à frente Luiz Inácio Lula da Silva, têm a lhes oferecer em troca do voto. E o mais vergonhoso é que essa estratégia de cooptação baseada na corrupção dos valores morais que deveriam prevalecer na gestão da coisa pública – estratégia definida esta semana pelo ministro Jaques Wagner como uma “repactuação” das alianças – foi concebida e é coordenada a partir dos gabinetes do poder e está sendo abertamente discutida nos círculos políticos.

Definitivamente, o lulopetismo perdeu de vez a vergonha.

Há porta­-vozes de Lula, como o senador Lindbergh Farias (PT­RJ), que até se permitem gabar­-se do “sucesso” de suas artimanhas: “Diziam que após o rompimento do PMDB haveria uma debandada e o que estamos vendo hoje é um movimento inverso, vários partidos voltando para a base. O PMDB facilitou o jogo para o governo, que terá agora condições de construir uma maioria (sic) de 200 votos. Não haverá impeachment”.

De qualquer modo, a “repactuação” pela “maioria” de 200 votos vai dar trabalho a Lula e sua tropa de choque, a começar pelos seis Ministérios ocupados pelo PMDB que, pela lógica, já deveriam estar disponíveis para serem negociados por votos na Câmara dos Deputados. Henrique Eduardo Alves, do Turismo, já se demitiu. Até dois dias atrás era dado como certo que três ministros peemedebistas desejavam permanecer nos cargos: Kátia Abreu, da Agricultura, da cota pessoal de Dilma; Marcelo Castro, da Saúde; e Celso Pansera, de Ciência e Tecnologia. Outros três estariam dispostos a renunciar tão logo ultimassem questões pendentes em seus gabinetes.

Ontem, o panorama já era diferente: a despeito da decisão do Diretório Nacional de determinar a “imediata saída”, todos os seis peemedebistas passaram a demonstrar que gostariam de continuar ministros. Ocorre que o Ministério da Saúde, por exemplo, já está sendo negociado com outros partidos, para profunda frustração do controvertido ministro Marcelo Castro. Corre o mesmo risco outro que está agarrado ao cargo com unhas e dentes: Celso Pansera. De qualquer modo, a composição final do Ministério “repactuado” dependerá do que cada aspirante a ascender ou permanecer no cargo poderá oferecer em termos de votos contra o impeachment.

Enquanto isso, na linha da falta de compostura a que o desespero a está levando, Dilma Rousseff voltou, quarta­-feira e ontem, a privatizar o espaço público da sede do governo de todos os brasileiros para promover comícios partidários em defesa de seu mandato. E não desperdiçou as oportunidades para elevar o tom na escalada “anti-golpe” a que se entregou de corpo e alma. Como a palavra de ordem “impeachment é golpe” ficou desmoralizada pela evidência de que o afastamento é preceito constitucional inquestionável, Dilma foi forçada a fazer uma adaptação no mantra: “impeachment sem crime é golpe”, conforme berrou, com voz cada vez mais esganiçada, sob aplausos delirantes das claques.

Mais uma vez, Dilma age de má­-fé e fala bobagem. O impeachment precisa, é claro, ter justificativa legal. Mas a existência ou não dos crimes alegados no pedido de impeachment é uma questão que cabe aos congressistas julgar. A presidente da República tem o direito de se defender, mas não o direito de se antecipar a uma decisão soberana do Congresso Nacional e decretar que o pedido de impeachment, já em tramitação na Câmara, não tem fundamento. Muito menos lhe cabe incendiar o País em benefício próprio. Se tivesse um mínimo de compostura, a desesperada chefe do governo preservaria a dignidade de seu mandato deixando a cargo de seus advogados e correligionários a tarefa de expor, nos foros adequados e com linguagem pertinente, os argumentos de sua defesa.

Mas Dilma só faz o que sabe. Formada na escola do “centralismo democrático”, com aperfeiçoamento no populismo lulopetista, ela acredita que o governante pode tudo, inclusive colocar-­se acima da lei.

10 Comentários

  1. Blá blá blá de perdedores vocês queriam o que mesmo que os PMDBistas ficassem no cargo e continue dando facadas nas costas do governo como fez o seu presidente Temer o jogo politico é assim mesmo derruba-se os traidores abrem se as vagas que não podem ficar em aberto por que a máquina governamental tem que continuar funcionando queiram vocês ou não então entendam perderam novamente agora só resta lamber as feridas abertas pelo golpismo fracassado dos traidores da pátria,

  2. Caro FÁBIO, os eleitores simples, residentes nos municípios estão sendo literalmente enganados pelos agentes políticos. Aqui no PARANÁ os líderes do PP, PMDB, REDE VERDE de sustentação do PT, PCdoB, PSD, PRB, PR, PDT, estão trocando os votos recebidos, por cargos nos ministérios da ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA PETISTA sendo contrários ao IMPEACHMENT JÁ da presidente DILMA A PERDULÁRIA, que os paranaenses já definiram como favoráveis. Esses líderes em seguida retornarão para buscar mais votos dos eleitores, para eleger os vereadores e prefeitos. O eleitor daqui terá coragem de eleger vereadores dos partidos alinhados acima? Atenciosamente.

  3. Do Interior... Responder

    Collor é mil vezes melhor que estes vermelhinhos velhacos. Pelo menos tinha compostura de presidente, coisa que esta laia vermelha não tem.

  4. COM CERTEZA O “vendilhão” NO ESTADO DO PARANÁ TEM NOME, SOBRENOME E APELIDO. É O TAL (de PUTA do) ricardo BARRO barros.

  5. Os brasileiros caminham para o abismo sem terem culpa alguma.
    Enquanto os babacas de Brasília (todos sem exceção) liderados
    pela Dilma e Lula lutam e gastam todas as nossas economias para
    salvarem a pele, o país parou literalmente. Nós aqui de fora somos
    meros expectadores e o PT emperra a economia já destruida para
    enterrar definitivamente. Se a Dilma não cair devemos considerar
    a maior tragédia que o Brasil terá neste século. Não vamos mais
    sair do buraco !!!

  6. Não acredito, como não acreditam muitos e muitos milhões de brasileiros, que aconteça outra coisa que não seja a queda da presidenta. Os que ficarem do lado dos vermelhos ppor interesse pessoal, certamente terão a represália de seus gestos já na sua família, pois as próximas gerações herdarão um país mais para a Venezuela do que para um país onde as palavras Ordem e Progresso estão estampadas na sua bandeira. É nesta hora, que a tão comentada afirmação de golpe vai se tornar realidade. Somente na força é que tiraremos esta camarilha do poder, já que se chegarmos a este momento, todas as outras medidas políticas e jurídicas foram derrotadas, ainda que diante do mundo inteiro está mais que provado o péssimo desgoverno do PT. Então, sim, embora eu já tenha uma certa idade, é que coloco o meu nome a disposição das Forças Armadas para se preciso for, com o meu sangue ajudar a limpar esta nação destes vermes que habitam entre gente decente. E, junto, que levem os que venderem suas almas ao PT em troca de benesses pessoais.

  7. a nova versão do mensalão com dinheiro público, e os políticos que se submetem são os verdadeiros saqueadores do Brasil.
    Mostram suas faces que estão no poder somente para o proprio benefício, e faz escarnio com o eleitor, quantos justos verissimos querem se arrumar, são os verdadeiros bandidos de terno e gravata.
    Basicamente toda a cupula do PP estão contaminados e influenciados pela quadrilha do Lula, este indubitavelmente, o maior dos bandidos prejudicando toda nação brasileira. usurparam e abusaram, no maior estelionato eleitoral, saqueando o brasil.

  8. Então, é catastrófico o que está ocorrendo na política em nosso Brasil.Uma mídia extremamente tendenciosa e um bando de oportunistas de um lado e de outro, outro bando, querendo explicar o inexplicável. Entre vendilhões e usurpadores, prefiro ficar com o bom senso. Ao invés de ficar gastando esforços, para disputar quem roubou mais, deixem que a polícia e a justiça apurem as responsabilidades e cumpram seu papel, punindo os responsáveis, doa a quem doer e que se defendam como puderem, mas trabalhem um pouco também. Chega de vagabundagem e a mídia apoiando os vagabundos, que estão unica e exclusivamente, tentando esconder-se no anonimato ou a serviço destes. O que menos se pensa, é combater a corrupção, já que dos dois lados, poucos escapam.

  9. O POVO ESTÁ DE OLHO NA CÂMARA, SENADO E STF, CUIDADO COM O POVO NÃO SE BRINCA MESMO O BRASILEIRO QUE É PACATO, PORÉM CANSADO DE SER ENGANADO ESTÁ DEIXANDO DE SER BURRO E SABE A FORÇA QUE TEM. POLÍTICOS PONHAM A BARBA DE MOLHO, MINISTROS DO STF PONHAM AS BARBAS DE MOLHO, OU MUDAMOS OU FAREMOS MUDAR SE É QUE ENTENDEM!

Comente