Uncategorized

Requião provoca incidente diplomático no Parlasul

índice
A presidente Dilma Rousseff (PT) parece ter perdido o voto de um dos seus mais árduos defensores no Congresso Nacional: o senador Roberto Requião (PMDB-PR) abandonou, junto com outros 11 congressistas brasileiros, a sessão do Parlasul, em Montevidéu – Uruguai, em comemoração dos 25 anos do Mercosul. Tudo porque o presidente do Parlasul, o argentino Jorge Taiana, publicou no site do parlamento nota contra o impeachment de Dilma. Com informações de Fernando Rodrigues no UOL.

Segundo o deputado Benito Gama (PTB-BA), a maioria dos delegados brasileiros resolveu “protestar contra a opinião do presidente do Parlasul”. Ligado à ex-presidente argentina Cristina Kirchner, Taiana falou sobre o processo de impeachment no Brasil numa nota publicada no site oficial do Mercosul. “É um golpe parlamentar e uma utilização forçada da lei do impeachment”, disse ele.

“Não tem cabimento tal declaração no âmbito do Mercosul, ainda mais publicando no site oficial da instituição. Nós todos nos reunimos e decidimos sair do recinto, com o apoio do chefe da nossa delegação, que é o senador Roberto Requião”, relatou Benito Gama, por telefone, de Montevidéu.

Requião disse que o protesto, por parte dele, foi por conta do posicionamento dos congressistas brasileiros nos fundos do local onde se realizava o evento. “Foi um desrespeito não apenas com os brasileiros, mas também com os representantes de outros países. Colocaram funcionários nos melhores lugares e nos deixaram no fundo”, afirmou.

Para Requião, o presidente do Parlasul não poderia ter expressado a opinião sobre o impeachment no Brasil como se fosse a da instituição. “Esse era um assunto para ser debatido por todos e vamos debatê-lo”, declarou.

Nestes 2 dias (25 e 26 abril) haverá várias reuniões do Mercosul. Os congressistas brasileiros pretendem fazer mais protestos. Na manhã desta 2ª feira, o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, tentou evitar a saída dos brasileiros do recinto, mas não foi bem sucedido.

O chanceler brasileiro Mauro Vieira presenciou a cena, mas não chegou a tentar impedir a saída dos congressistas brasileiros.

Exceto pelos deputados Jean Wyllys (PSOL-RJ), Ságuas Moraes (PT-MT) e Benedita da Silva (PT-RJ), todos os outros representantes do Brasil saíram da sala onde se realizava a cerimônia de hoje.

Wyllys escreveu no twitter sobre o ocorrido. Segundo ele, os demais congressistas resolveram se retirar depois de terem sido colocados em uma fila no fundo do auditório onde ocorria o evento.

“O cerimonial reservou a fila O para a delegação brasileira, que fica no fundo. Os deputados da oposição de direita mais Requião não gostaram (…) sentiram-se ofendidos e então se retiraram”.

Ao todo, 36 deputados e senadores brasileiros são integrantes do Parlasul. Dentre os 14 que participam dos 14 que participam dos eventos em Montevidéu estão os deputados Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), Roberto Freire (PPS-SP), Jean Wyllys (PSOL-RJ), Ságuas Moraes (PT-MT), Benito Gama (PTB-BA), Heráclito Fortes (PSB-PI) e Benedita da Silva (PT-RJ) e os senadores Roberto Requião (PMDB-PR), Lídice da Mata (PSB-BA) e Antonio Carlos Valadares (PSB-SE).

6 Comentários

  1. Zé Ninguém Reply

    Pelo menos fez uma coisa boa, quem diria hein, um dia eu elogiando o Senador Maluco. Mas sou honesto, o que é certo eu elogio.

  2. João Miguel Zavelinski Reply

    Se os americanos do norte não devem se meter nos nossos assuntos,porque os sulamericanos podem.Fez muito bem Requião.

  3. Esse senadorzinho ai é melhor exemplo de como um estado pode escolher mal seus representantes. Pobre Parana.

  4. Se até Requião, conhecido defensor de Dilma e das coisas do PT reagiu, a coisa foi séria. Vamos aproveitar a oportunidade e cair fora do Parlasul e também do Mercosul.

  5. COLOCAR PESSOAS DESPREPARADAS NO PARLASUL É UM VERDADEIRO DESCALABRO PARA A NOSSA PÁTRIA, QUE ALÉM DA VERGONHA DE TER UMA PRESIDENTE QUE VAI SER DEFENESTRADA DO PODER, POR MALFEITOS E FALTA DE GERENCIAMENTO DA COISA PÚBLICA. FOI CRIMINOSA NA ÉPOCA DA DITADURA E CONTINUA COMO ERA.

Comente