Uncategorized

Em Pinhais, velódromo do Pan acumula ferrugem

velódromo

Enquanto a prefeitura do Rio abriria neste sábado (24) o Velódromo da Olimpíada ainda inacabado, a arena usada nos Jogos Pan-Americanos de 2007 segue desmontada num depósito em Pinhais, governada pelo PT, com destino indefinido. A remontagem tinha previsão de conclusão para setembro. Mas o material segue acumulando ferrugem enquanto a prefeitura local tenta solucionar uma divergência com o Tribunal de Contas do Estado. Com informações de Italo Nogueira na Folha de S. Paulo.

O secretário de Cultura, Esportes e Lazer, Ricardo Pinheiro, teme ainda que a mudança no Ministério dos Esporte bloqueie a verba para a remontagem do velódromo. Ele se reuniu há duas semanas com o prefeito Eduardo Paes (PMDB) para pedir apoio para manutenção dos recursos. O novo ministro, Leonardo Picciani (PMDB-RJ), é seu aliado.

As peças foram parar em Pinhais após a Prefeitura do Rio e o Ministério do Esporte afirmarem, em 2012, que o velódromo do Pan não atendia às exigências da União Ciclística Internacional. Identificou-se que a adaptação custaria mais do que uma nova arena, que acabou consumindo R$ 151 milhões. Goiânia foi a primeira a se candidatar a receber o material, mas desistiu.

As peças, então, seguiram para Pinhais. A exceção foi a pista de pinho siberiana, que custou R$ 2 milhões. Ela não poderia ser reutilizada após a desmontagem e foi usada como estaca auxiliar para confecção de formas de concreto nas obras do Parque Olímpico da Barra. O transporte e remontagem do material vai custar no total R$ 24 milhões —mais do que a construção em 2007, que consumiu R$ 21 milhões, em valores atualizados.

Em fevereiro do ano passado, o destino do antigo velódromo parecia solucionado. A Prefeitura de Pinhais concluiu a licitação para a reconstrução da arena. A previsão de conclusão era setembro —após a Olimpíada. Contudo, a empresa responsável pela obra atrasou a entrega dos projetos —em vez de seis, levou nove meses.

Em março, o TCE identificou um sobrepreço de R$ 4 milhões no projeto e embargou a obra. O tribunal exigiu uma redução de custo, o que Pinheiro diz ser inviável.”Vou tentar reverter. Se não for possível, refaço a licitação”, disse o secretário.

Pinheiro teme ainda que o ministério não repasse os R$ 24 milhões prometidos para a remontagem. Até o momento, apenas um terço do valor foi empenhado. Parte das peças já têm sinais de ferrugem. Algumas já foram até roubadas.

Já o Velódromo Olímpico vai abrir as portas por três dias para um treino a fim de testar a pista, instalada este mês. Com previsão de conclusão para o fim do ano passado, a arena ainda está em obras. O atraso provocou o cancelamento do evento-teste marcado para o local.

(foto: Hugo Harada)

2 Comentários

  1. -O Brasil é o eterno país do desperdício e sem planejamento á longo prazo. Acho porque o dinheiro utilizado é farto…então porque projetos à longo prazo se pode-se fazer uma grande obra da noite para o dia, sem planejamento, sem custos definidos e sem respeitar cronograma???
    -É uma vergonha construir um velódromo para o Pan e este ser substituído pelos padrões exigidos pela UCI. Por que não construíram um velódromo que atendesse a UCI para os jogos do Pan??? É muita incompetência e corrupção envolvidas!!!
    -O que dirá de outras obras para as Olimpíadas que ainda nem foram auditadas!!!
    -Este velódromo que está abandonada em Pinhais atenderia e bem diversas cidades do Paraná. Mas no estado que se encontra, não demorará muito para “desaparecer”!!!

Comente