Uncategorized

Ataque na França leva Brasil a revisar plano de segurança para Rio-2016

nice

Rubens Valente, Folha de S. Paulo

O atentado em Nice, na França, nesta quinta-feira (14) levou o governo brasileiro a revisar todos os procedimentos de segurança e inteligência relativos aos Jogos Olímpicos no Rio.

A informação foi dada nesta sexta-feira (15) pelo general Sérgio Etchegoyen, ministro-chefe do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), em entrevista coletiva no Palácio do Planalto. Segundo o militar, a preocupação com o evento esportivo “subiu de patamar”.

O general mencionou como novas medidas “mais postos de controle, mais barreiras, algumas restrições de trânsito”. Ele afirmou que “é importante que a imprensa nos ajude para que a população entenda que vamos trocar um pouquinho de conforto por muita segurança”.

Etchegoyen disse que o Brasil ainda não foi informado pela França se o atentado em Nice tem ligações com terrorismo islâmico, porém foi visto como um ponto de reflexão para segurança para os Jogos. Ele informou que o presidente interino Michel Temer telefonou cedo nesta sexta-feira (15) para marcar uma reunião entre ele, o general e os ministros Raul Jungmann (Defesa) e Alexandre de Moraes (Justiça).

“Já estamos, desde então, os três órgãos e os três ministros [das áreas de Defesa, Justiça e Inteligência] fazendo a revisão de todo o nosso dispositivo de segurança para que possamos identificar eventuais lacunas e fazer uma integração mais intensa dos três itens”, disse o general.

Etchegoyn afirmou que o caso em Nice “exige uma série de revisões e uma série de novas providências e um trabalho intenso para que mantenhamos o nível de segurança”.

Ele comparou esse trabalho a uma espécie de “auditoria” do plano de segurança.

“Estamos revisando o planejamento porque temos o dever, a partir do que aconteceu, de checar se há lacunas”, afirmou.

O general informou que nesta manhã ocorre uma reunião na sede da Abin (Agência Brasileira de Inteligência) “com representantes franceses para que possamos obter novas informações, detalhes, que nos ajudem no planejamento”.

Outra medida será enviar a Paris um oficial de inteligência da Abin para “buscar no terreno as lições aprendidas desta tragédia”.

O general voltou a dizer que o Brasil ainda não recebeu informações concretas sobre um suposto plano terrorista em elaboração contra a delegação francesa nos Jogos, conforme divulgado pela imprensa francesa nesta quarta-feira (13). O ministro disse que “não existe histórico de negação de informação” do serviço de inteligência francês para o serviço brasileiro.

“Nosso intercâmbio com os franceses é muito bom, eles nos têm ajudado muito, até porque a delegação deles vem para cá e depende da estrutura que montamos. Nosso embaixador em Paris, por determinação do Ministério das Relações Exteriores, está fazendo um pedido de informações, esclarecimentos, oficialmente ao governo francês”.

O ministro-chefe do GSI, que na nova configuração administrativa de Michel Temer voltou a ter o controle sobre os trabalhos de inteligência da Abin, informou que o governo fez um trabalho de treinamento de “motoristas táxi, funcionários do Metrô, funcionários de hotéis, restaurantes, vendedores ambulantes, diversas pessoas que lidam com o público em geral” no Rio e em outras cidades que sediarão eventos da Olimpíada para que estejam “preparados para identificar situações [de risco], atividades e pessoas com comportamentos anômalos”.

Indagado se o Brasil trabalha com foco em algum grupo terrorista, como o Estado Islâmico, Etchegoyen negou.

“Nós não temos a identificação de uma organização voltada… Nós temos possibilidades de ocorrência, como em qualquer lugar. Falo da possibilidade de ocorrência de eventos terroristas. Mas nós não focamos nesta ou naquela organização”.

Em entrevista à rádio CBN, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, confirmou que o governo vai “revisar determinados procedimentos”.

“Vamos ter que ampliar as barreiras, ampliar as revistas e ter uma segurança muito mais rígida. Isso, infelizmente, é um transtorno a mais para as pessoas, mas é para o bem e a segurança delas”.

Segundo Jungmann, hoje estão mobilizados 20 mil soldados no Rio e o número deverá chegar a 22.850.

“Estamos cumprindo com todos os encargos que o COI [Comitê Olímpico Internacional] nos passou em termos de segurança”, afirmou.

Comente