Uncategorized

Advogados orientaram operadores de Cabral a mentir sobre contrato

eike-cabral

Os advogados do empresário Eike Batista e do ex-governador Sérgio Cabral orientaram os operadores Renato Hasson Chebar e Marcelo Hasson Chebar a mentir sobre um contrato fictício firmado entre uma empresa de Renato e uma companhia do dono da EBX. Segundo os irmãos Chebar, cujas delações serviram como base para a Operação Eficiência, realizada nesta quinta-feira, eles se reuniram com os advogados Ary Bergher e Rafael Mattos por orientação de Cabral, que temia que o contrato, utilizado para disfarçar um repasse de US$ 16,5 milhões de Eike, fosse descoberto. As informações são d’O Globo.

Renato e Marcelo relataram que foram procurados em 2010 por Carlos Miranda e Wilson Carlos, apontados como operadores de Cabral, para viabilizar o recebimento de US$ 16,5 milhões de Eike Batista. A quantia seria referente a uma dívida que o empresário tinha com o então governador do Rio de Janeiro. Os irmãos relataram, contudo, não saber a origem do dinheiro de Eike.

Para realizar a operação, foi celebrado um contrato de fachada entre as empresas Arcádia Associados, de Renato, e a Centennial Asset Mining Fund LLC, de Eike. O motivo alegado foi a intermediação de compra e venda de uma mina de ouro do Grupo X.

Em 2015, no entanto, Cabral procurou Renato, por estar preocupado que a transação fosse descoberta, após um extrato bancário ter sido apreendido na casa de Eike. Nesse momento, os delatores foram orientados a procurar o advogado Ary Bergher.

Em ao menos duas reuniões na casa de Bergher, onde também estava presente Rafael Mattos, “os colaboradores foram chamados para que mantivessem a versão de que o contrato fictício teria de fato ocorrido”, de acordo com um trecho do depoimento, incluído no documento em que o MPF pede a prisão preventina de nove pessoas, e a condução coercitiva de outra quatro.

Na primeira reuniao, participaram apenas Bergher e Mattos. Em outro encontro, também na casa do advogado, também estava presente Flávio Godinho, que foi foi preso nesta quinta-feira. Godinho teria tranquilizado os irmãos, e pedido para eles estudarem os detalhes da transação;

Bergher e Mattos, que são sócios, atuam tanto na defesa de Cabral como na de Eike. O GLOBO entrou em contato com o escritório dos dois, mas foi informado que eles não estavam presentes.

Comente