Uncategorized

Greca acusa Fruet de ter deixado dívida de R$ 1,2 bilhão

O prefeito de Curitiba, Rafael Greca (PMN), acusou hoje o ex-prefeito Gustavo Fruet (PDT) de ter deixado uma dívida de R$ 1,27 bilhão. Desse total, metade ou R$ 614 milhões se referem, segundo ele, a despesas feitas sem o chamado “empenho” – ou seja, sem previsão legal. O valor da dívida deixada por Fruet, de acordo com o levantamento da Secretaria Municipal de Finanças, é três vezes maior do que a herdada por ele em 2013 da gestão do ex-prefeito Luciano Ducci (PSB), de R$ 400 milhões. As informações são do Bem Paraná.

Segundo a nova administração, Fruet teria deixado R$ 358 milhões em “restos a pagar” de despesas de sua gestão, sem dinheiro em caixa. Greca acusou o antecessor de descumprir a Lei de Responsabilidade Fiscal e anunciou que vai encaminhar as informações à Justiça, ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas para que sejam apuradas as responsabilidades. “Houve um grande descontrole. Tudo será encaminhado ao MP e aos tribunais”, afirmou o prefeito, apontando ainda que a prefeitura está no limite prudencial da LRF para gastos com pessoal.

De acordo com o balanço, ma maior parte da dívida se refere à previdência dos servidores municipais, além de atraso no pagamento de serviços de coleta de lixo e repasses a hospitais. Segundo o secretário municipal de Finanças, Vitor Puppi, a gestão Fruet teria deixado de fazer os repasses ao Instituto de Previdência do Município de Curitiba (IPMC) entre setembro e dezembro do ano passado, o que teria gerado um “rombo” de R$ 400 milhões.

Segundo Greca, os problemas financeiros da prefeitura seriam motivados pelo crescimento de 70% nos gastos de pessoal entre 2013 e 2016, contra um aumento de receita de apenas 28%. “Passei a campanha respondendo acusações de meu antecessor de que eu governei sem Lei de Responsabilidade Fiscal, porque ela não existia na época. Agora gostaria que ele disesse como deixou as coisas chegarem aonde chegaram”, questionou o prefeito.

(foto: Franklin de Freitas)

2 Comentários

  1. É normal todo governante deixar dívidas para o sucessor. Não é normal dar calote no IPMC como fez o Greca quando prefeito pela primeira vez, e olha que ele se diz funcionário do IPPUC, aliás, hoje recebendo sua polpuda aposentadoria, maior que da maioria dos funcionários e da população que o elegeu e ainda recebendo salário de prefeito. Com tudo isso, ele onera o município por volta de R$ 60 mil mensais, e isso não é imoral para tempo de crise????
    Mais voltando ao tema, ele tem que reclamar ao padrinho, pois foi no governo do Beto que esta de equacionamento do déficit previdenciário foi estudado e aprovado, premiando o padrinho e onerando os próximos prefeitos. E pelo amor de Deus para de chorar, e começa a governar… Vc deixou a prefeitura em pior situação quando passou ao Taniguchi, aliás até sem capacidade de fazer empréstimos, ou esqueceu????

  2. Interessante a matéria, e com relação ao IPMC, ele vai ter um sucesso tremendo, pois nomeou apenas funcionários da sanepar para trabalhar com a previdência do servidor público. Querer fazer um paralelo da previdência com o de uma empresam, é ter uma visão muito míope, e mais, o IPMC é do servidor também e merece muito mais respeito, e deveria ter servidor gerindo o mesmo e não apenas gente de fora… fica a dica…

Comente