Uncategorized

O que Eike pode delatar

OPERAÇÃO EFICIENCIA / LAVA JATO

Malu Gaspar, piauí

Antes de se entregar, ainda no aeroporto internacional de Nova York, Eike Batista falou para as câmeras que o seguiam. Disse estar voltando ao Brasil para passar o país a limpo, porque era seu dever. Discursou sobre as potencialidades de nossa nação, afirmou que o Brasil está mudando e classificou a Lava Jato como “espetacular”. Elogiou também o presidente americano Donald Trump e reclamou da imprensa, levando um dos jornalistas a se defender, em tom amistoso: “A gente está tão de boa vontade, Eike! Tão querendo te ouvir!” De fato. Não pareciam estar diante de um foragido com prisão preventiva, acusado de ludibriar a Justiça para esconder a propina paga a um governador de estado.

Na última entrevista antes de ser encarcerado, Eike sugeriu ter sido vítima de políticos gananciosos. Repetiu o tom de seu depoimento em Curitiba, no ano passado, em que admitiu ter dado 2,3 milhões de dólares ao marqueteiro João Santana, a pedido do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega, para saldar dívidas de campanha petistas. Na ocasião, sustentou não ter alternativa senão dar o dinheiro, mas disse ter contratado uma consultoria do marqueteiro e afirmou que a corrupção não fazia parte da cultura das empresas X. Daquela vez colou, mas agora as coisas são diferentes. Caso queira fechar com o Ministério Público um acordo de delação premiada, como parece ser o caso, Eike Batista vai ter de começar a falar a língua da Lava Jato.

Para ser aceita, sua delação precisará revisitar o processo de contratação da Termoluma, uma das usinas térmicas montadas para suprir o Nordeste de energia durante o apagão, ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso. Vai ter de explicar por que assumiu a condição de “empresário amigo do PT”, expressão ouvida de emissários petistas que foram pedir ajuda para saldar as contas da primeira eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2002. A despesa acabou sendo paga por Eike, assim como as de outras campanhas do partido. Lobistas foram contratados por ele, propinas foram distribuídas e acertos foram feitos. Alguns não foram cumpridos. José Dirceu, por exemplo, recebeu dinheiro como consultor para tirar da Bolívia equipamentos confiscados pelo governo de Evo Morales e fracassou. Ao tentar comprar a Vale, durante o reinado de Roger Agnelli, Eike serviu ao propósito lulista de enfraquecer o poderoso executivo – mas foi deixado pelo caminho quando o presidente e Agnelli se acertaram. Eike também concordou em remunerar o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa para levar ao porto do Açu um terminal de transbordo de petróleo, o que acabou não acontecendo. Não bastasse, ainda acertou com o ex-presidente Lula a venda de uma sonda petrolífera para a malograda Sete Brasil, mas foi abatido em pleno voo.

Vários outros pleitos de Eike, entretanto, foram atendidos – no BNDES, no Fundo de Marinha Mercante, na Caixa Econômica Federal. O empresário tinha a seu favor, atuando como lobistas, Guido Mantega, Fernando Pimentel e o próprio Lula. O então presidente fez lobby, por exemplo, para que dirigentes da petroleira estatal russa comprassem a OGX. Tempos depois, foi Dilma quem ligou para membros do governo da Malásia para sugerir que “era interesse do estado brasileiro” que os malaios comprassem a petroleira de Eike. Sob Dilma, o estaleiro X ganhou um contrato de construção de plataformas para a Petrobras. Ao longo dos anos, o ex-bilionário também teve ajuda de vários outros políticos, como José Sarney, Edson Lobão, Delcídio do Amaral, Aécio Neves e, claro, Sérgio Cabral. A lista é longa e, para cada faceta conhecida dos episódios dessa crônica, há uma história subterrânea que Eike pode fazer emergir.

Ele, porém, não é o único guardião desses segredos. Em outro presídio do mesmo complexo de Bangu, está Flávio Godinho, ex-braço direito de Eike que ficou milionário fazendo com que as promessas do empresário aos políticos fossem cumpridas. Nenhum dos dois homens pretende permanecer na cadeia por muito tempo, mas o espaço para a delação é curto, e Godinho é um sujeito bem organizado. Portanto, para Eike, o melhor é passar a falar a língua da Lava Jato logo, antes que a temporada na prisão se torne o epílogo definitivo de sua decadência.

Comente