Uncategorized

Médica inocentada por mortes em UTI pode receber R$ 4 milhões

da Banda B

O Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT-PR) manteve a condenação que obriga o Hospital Evangélico de Curitiba a indenizar a médica Virgínia Soares de Souza, que chefiava a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), da instituição. Segundo o advogado Guilherme Assad de Lara, além da absolvição criminal, a médica teve confirmada definitivamente indenização de aproximadamente R$ 4.000.000,00 na ação trabalhista. O advogado informou que a decisão agora é definitiva e não cabe mais recursos.

O processo trabalhista reconheceu vínculo de emprego, já que a médica não tinha registro em carteira de trabalho, bem como horas extras, intervalos, adicional noturno, recolhimento de FGTS e verbas rescisórias.

Em defesa o Hospital Evangélico alegou justa causa pelos acontecimentos supostamente ocorridos na UTI que foram tratados em causa criminal amplamente divulgada pela imprensa, entretanto, a justiça do trabalho não acolheu a defesa do hospital e negou existência qualquer fato relacionado a imaginada justa causa.

Agora o processo irá para a fase de cálculos oficiais, onde será definido o valor total devido pelo hospital. Estima-se em cálculos prévios que a ação chegue a um valor de aproximadamente R$ 4.000.000,00 (quatro milhões de reais).

Virgínia foi demitida após ser acusada pela polícia de antecipar a morte de pacientes que estavam sob os cuidados dela. A Justiça, porém, a inocentou do suposto crime. O Ministério Público recorreu da sentença.

Procurada, a direção do Evangélico disse que não iria comentar o caso, pois os acontecimentos são da gestão anterior.

7 Comentários

  1. O grande problema da doutora é receber de uma massa falida co-
    mo o Evangélico…

  2. A questão é uma só: se vc paga o que deve aqui na terra e suplica e implora perdão de Deus, então chegará ante o tribunal de Cristo sem culpa. Se, por outro lado, não pagas o que deve aqui nesta terra, chegará ante o tribunal de Cristo com culpa e a sentença é amarga e de ranger os dentes.
    Se a doutora não deve, maravilha, viva em paz e sirva a Deus e merece sim ser ressarcida pela exposição. Se ela devia, então tenho pena da sua alma, pois além de seus “supostos” crimes, soma-se o engodo.

  3. “Verdadeiro roubo institucionalizado, legalizado aos cofres públicos. Isso sim é a suprema aplicação dos princípios da Lei de Murphy. Da Teoria elementar do caos. Vivemos num País com Complexo de Alice e Síndrome de Estocolmo. Nas próximas eleições os idiotas votarão nos mesmos que estão aí. Povo de cordeiros criminosamente alienados…” – Profº Celso Bonfim

  4. Luiz Artur Gapski Pereira Responder

    O resultado é sempre este quando se tomam atitudes no calor dos acontecimentos bem eito agora arquem com a incompetência.

Comente