Uncategorized

Funcionária da Copel é presa suspeita de desviar mais de R$ 500 mil

da Banda B, com informações da SESP

Uma funcionária pública da Copel foi presa na manhã desta terça-feira (4) na cidade de Colombo, região metropolitana de Curitiba, suspeita de desviar mais de R$ 500 mil da estatal. A ação policial é coordenada pelo Nurce (Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos), da Polícia Civil, e tem como objetivo cumprir os mandados expedidos pela Justiça de Curitiba, de prisão temporária e busca e apreensão. O juiz ainda determinou a quebra do sigilo bancário e fiscal, o sequestro de um terreno e a busca e apreensão de um veículo de luxo– ambos adquiridos com dinheiro desviado dos cofres da Copel.

A fraude foi identificada pela Copel e repassada imediatamente ao Nurce para apurar o caso. Em menos de um mês, a equipe da especializada da Polícia Civil conseguiu identificar o modus operandi da funcionária e reunir provas que sustentassem o pedido de prisão dela.

O esquema

O esquema era relativamente fácil. A servidora, que trabalha no Departamento Administrativo da Copel, era considerada exemplar e detinha alto grau de confiança dentro da empresa – que acabou sendo vítima dela. Basicamente a função da funcionária era lançar no sistema as faturas emitidas contra a empresa – para posterior pagamento.

Mas, valendo-se função exercida e do conhecimento e acesso ao sistema da Copel, passou a desviar dinheiro da companhia em proveito próprio, na maior parte das vezes quitando boletos referentes a gastos particulares.

Funcionava assim. Ela pegava os boletos bancários dela, falsificava e lançava-os como sendo dívida da empresa. Em um dos casos, ela comprou um carro de luxo 0 km. A investigação comprovou que ela construía uma fatura ou boleto com código de barras e valor corretos. Neste exemplo, ela manteve o boleto da concessionária, com código de barras e o valor de R$ 128 mil, mas montou uma fatura de uma companhia de telefonia celular. Como se a dívida de R$ 128 mil fosse da Copel com serviço de telefonia.

Desta forma, apenas nos meses de maio e junho, ela desviou mais de meio milhão de reais. Além do carro, ela fez a quitação de um terreno em Colombo, comprou materiais de construção, pagou antecipadamente a construção de uma casa pré-fabricada – recusando, inclusive, o desconto oferecido pela fábrica de R$ 10 mil –, adquiriu diversos produtos de uma loja de departamento e por meio do telemarketing de uma empresa, além de produtos de beleza.

A investigação continua, mesmo após a prisão da funcionária, e a polícia não descarta o envolvimento de mais pessoas, já que os boletos eram pagos em outros setores da estatal.

Assista ao momento em que a polícia faz apreensões na casa da funcionária (Vídeo cedido pela Sesp):

5 Comentários

  1. gabriel pencille Responder

    Tem que divulgar o nome. Se não, vão olhar cada funcionária da Copel com desconfiança…

  2. gabriel pencille Responder

    Tem que divulgar o nome. Se não, vão olhar cada funcionária da Copel com desconfiança…

  3. O interessante é saber se ela de “apropriava dos recursos” de acordo com a cor da bandeira……Amarela, Verde ou Vermelha….

  4. É por isso que a Copel está tão endividada. E as más línguas creditando a responsabilidade da dívida próxima de R$ 9 bilhões da empresa (ver balanço patrimonial) à péssima administração populista de beto richa, quando este não autorizou o repasse integral do aumento de tarifa na reeleição de 2010.

  5. A falha dela foi não ter foro privilegiado. Se tivesse poderia roubar milhões e não aconteceria nada. Foi presa imediatamente, como deveria acontecer com todo bandido.

Comente