Uncategorized

Programa de desligamento voluntário quer adesão de 5,5 mil funcionários

A Caixa Econômica Federal reabriu hoje o Programa de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE). O período de adesão vai até o dia 14 de agosto. O programa é voltado aos empregados que desejarem se desligar voluntariamente da empresa e que se enquadrem nas regras estabelecidas pela entidade.
Em fevereiro, foi aberto um PDV com o objetivo de alcançar 10 mil funcionários, dentre os cerca de 30 mil que trabalhavam na empresa. Segundo a Caixa, 4.429 participaram do programa no início do ano. Agora o programa espera completar os 10 mil, estabelecendo o limite de 5,5 mil desligamentos voluntários.
O incentivo financeiro, de caráter indenizatório, será equivalente a dez remunerações base do empregado, limitado a R$ 500 mil, considerando como referência a data de 31 de junho. O benefício será pago em parcela única, sem incidência de Imposto de Renda (IR), recolhimento de encargos sociais e contribuição à Fundação dos Economiários Federais (Funcef).

Podem aderir ao programa os empregados aposentados pelo INSS até a data de desligamento, sem exigência de tempo mínimo de efetivo exercício na Caixa; os aptos a se aposentarem pelo INSS até 30 de dezembro, também sem exigência de tempo; os com, no mínimo, 15 anos de trabalho na Caixa, no contrato de trabalho vigente, até a data de desligamento; ou ainda os com adicional de incorporação de função de confiança/cargo em comissão/função gratificada até a data de desligamento, também sem exigência de tempo na Caixa.

Segundo o banco, o objetivo é ajustar a estrutura ao cenário competitivo e econômico atual, buscando mais eficiência. A opção pela adesão fica a critério do empregado. A Caixa analisará a proposta e poderá acatá-la ou recusá-la. O desligamento ocorrerá por meio de rescisão do contrato de trabalho a pedido, dispensando-se o cumprimento de aviso prévio. O desligamento dos funcionários que aderirem ao PDV deve ocorrer de 24 de julho a 25 de agosto, segundo informou o banco.

Informações: Agência Brasil

3 Comentários

  1. Do Interior... Responder

    Esse pessoal da caixa é um ninho de esquerdistas. É pior do que os professores do Paraná. São alienados pela CÚT que diz que perderão o emprego se outro governo vier se não for o PT. Não enxergam que a crise que está aí é fruto do governo petista. Principalmente as fraudes de Dilma que usou os bancos para driblar o déficit fiscal.

    O curioso é que o PT assaltou os fundos de pensão desse pessoal mas a cut não diz nada. Daí, tudo pode.

  2. eleitor desmemoriado Responder

    Esta é mais uma chance de quem já está de saída de sair com o bolso cheio. E bota cheio nisto, receber uma grana livre de IR não é coisa de se perder. Mas é bom que a Caixa faça isto mesmo, o banco está muito viciado, muitas práticas antigas, o cara entra hoje e amanhã já fossilizou a cabeça, o ambiente se parece mais com uma repartição pública do que com um banco. Os governos federal, estadual e municipais deveriam fazer o mesmo, aí a velharada que já devia ter se aposentado há muitas décadas vai para casa para cuidar da mamãe ou do papai noventão.

  3. Daniel Fernandes Responder

    Eleitor desmemoriado, se os deputados estaduais podem receber os caraminguás todo mês sem pagar nada de imposto, qual é o problema de um funcionário da Caixa receber apenas uma vez uma grana sem pagar IR?

Comente