Uncategorized

43,1% querem regime militar

Pasmem, senhores. Nossa veia autoritária continua forte. Pois não é que apenas 51,6% são contra a intervenção militar provisória no Brasil. Eis que 43,1%, portanto quase a metade, são a favor da volta do regime fardado. Os números são do Instituto Paraná Pesquisas que entrevistou 2.540 eleitores entre os dias 25 e 28 de setembro.

11 Comentários

  1. As vezes me pego pensando sobre este tema: pessoas desesperadas tomam atitudes desesperadas!

    Ou, até quando o covarde que há em todo brasileiro irá suportar?

  2. Olha, já estou pensando nisso também.
    Andei fazendo algumas pesquisas e verifiquei que durante o regime militar todas as rodovias e ferrovias que atravessam o Brasil foram construídas no regime militar sem falar nos Portos e Aeroportos. Vale a pena pesquisar “obras feitas no regime militar” e não restara qualquer duvida que o Brasil viveu uma fase de progresso. Como meu pai diz, “nunca me incomodei nem me incomodaram no regime militar. Quem era pilantra, baderneiro, anarquista e comunista sofria as duras penas da lei”.

    Basta observar que Lula, Dilma e tantos outros pilantras odeiam o regime militar porque eram vagabundos e foras da lei.

  3. Outro exemplo foi a coreia do sul, depois da guerra da correia em 1953, foi administrada pelo regime militar se tornou uma potência econômica, enquanto que aqui essa Democracia fajuta retrocedeu o desenvolvimento do país.

  4. Pesquisa fajuta, se for ver bem , uns 90% são a favor de intervenção militar, o único jeito de passar a limpo esse país, colocando na cadeia esses malditos políticos corruptos que traíram seus eleitores e saquearam os cofres públicos.

  5. Pode somar mais um voto ai sou a favor tambem.
    Quem nao quer que os militare assuma o poder é quem deve alguma coisa se voce nao deve nada nao se preocupe quem pode nao querer sao os marginais,veja a situaçao no rio e em outra cidades do país.
    O cidadao de bem nao deveras preocupar se o EXERCITO BRASILEIRO vai tirar os politicos ladrao e corupito em todo os PAÍS,quem nao quer e por razoes obvias sao os politicos,É IGUAL A POLICIA,QUEM NAO GOSTA DE POLICIA É VAGABUNDO .

  6. Acorda povo brasileiro faça igual a tiririca “PIOR QUE ESTA NAO FICA”.
    Povo brasileiro o EXERCITO assumindo o BRASIL,podera melhorar tudo SEGURANÇA,SAUDE e outroas coisas a mais,PENSE NISSO POVO BRASILEIRO.

    PIOR QUE ESTA NA FICA.

  7. A questão não é veia autoritária. A questão é acabar com a cleptocracia. Com os atuais políticos ninguém mais acredita que se acabe com esta corrupção desenfreada.

  8. A classe política, em todos os níveis, perdeu a qualidade que deve existir, acima de qualquer coisa, inclusive da lei: A MORALIDADE. Acostumou-se a pintar e cagar sobre o povo e agora ficou ainda pior, pois aquele que é o político mor desta classe, o Presidente da República, no caso o Temer, para não ser denunciado está fazendo a jogatina de emendas, não mexer na aposentadoria deles, enfim, está comprando os políticos. Só isto seria motivo para intervenção militar, especialmente, porque o nosso povo acovardou-se, acomodou-se, deixando que a coisa role frouxa. O povo perdeu a esperança. As forças armadas tem que salvar o Brasil, coisa que já deveria ter ocorrido. A história dos governos militares está mal escrita, com um monte de inverdades e os jovens acreditam. Jovens, perguntem aos mais velhos como verdadeiramente foi. Avante FFAA.

  9. To achando que mais da metade quer,só quem deve não aceita a intervenção,mas é inevitável,não vai até o fim do ano teremos um governo militar pra acabar de vez com a bandidagem,em todos os sentidos.

  10. Quem viveu naquele periodo sabe o quanto é bom um governo honesto onde você saia na rua com tranquilidade , teu dinheiro valia e não existia a pouca vergonha que vivemos hoje.

  11. No tempo dos militares não havia defesa do consumo de drogas, movimento LGBT, MST e outras organizações criminosas. Toda essa turma tinha medo dos ,militares e o povo de bem, como disse o Beto, não era incomodado. Foi uma fase de progresso e desenvolvimento.

Comente