Uncategorized

O show de Dilma

Editorial, Estadão

Por quase seis anos – penosos anos –, Dilma Rousseff respondeu pelo governo brasileiro. A rigor, deve-se classificar aquela terrível experiência lulopetista como “desgoverno”, já que resultou em mais de dois anos de recessão, na pior crise econômica da história nacional, criada quase exclusivamente por sua incompetência. Muitos se perguntam até hoje, com razão, como foi possível eleger – e reeleger – tão despreparada figura para o mais alto posto da administração do País. Desde o impeachment, sempre que a presidente cassada se pronuncia sobre qualquer tema, em seu linguajar característico, produto de seu ababelado raciocínio, sobrevém irresistível sensação de alívio pelo fato de a petista já não estar mais com a poderosa caneta presidencial na mão e, portanto, não poder continuar a fazer tanto mal ao País.

Nem seria mais o caso de continuar a fazer reparos à glossolalia de Dilma, posto que se tornou comum e, a rigor, deveria causar embaraços apenas a ela mesma. Mas há momentos em que esse constrangimento merece ser notado, pois extrapola o nível pessoal e se torna vergonha nacional. Afinal, Dilma presidiu o Brasil e, por isso, funciona como um símbolo do País no exterior. Além disso, periodicamente sai em vilegiatura, a pretexto de espalhar pelo mundo seu inconformismo com a cassação.

Um desses momentos vexaminosos se deu no mais recente giro da petista pela Europa, bancado com dinheiro público, ocasião em que, mais uma vez, ela se dedicou a enxovalhar a imagem do Brasil, tratando-o como um lugar tomado por golpistas, em que não há leis nem instituições. A um jornalista de Portugal, Dilma achou por bem “explicar”, a seu modo, como os tais golpistas a trataram durante o processo de impeachment. O resultado, registrado em vídeo, é um show de invencionices e de confusão mental.

“Teve um momento, que eu fiquei… no… no, eu, eu, eu… Eu fui suspensa de ser presidente, mas continuava sendo presidente”, disse Dilma ao atônito repórter, que claramente se esforçava para compreender aquele idioma vagamente aparentado com o português. “É uma… uma coisa, é que é uma lei muito antiga, é uma lei de 1950, então ela não dá conta da necessidade que você tem de resolver logo se uma pessoa é presidente ou não é presidente”, continuou Dilma, que imaginava estar sendo didática a respeito da legislação que rege o impeachment.

Mas o melhor estava por vir. “Então eu, eu era, eu era obrigada a ficar no Palácio do Planalto, do, do, do Alvorada, é um outro palácio, é o palácio de residência, e é típico dos palácios terem flores”, sapecou, dando início a uma assombrosa mistura de alhos com bugalhos: “Eu nunca tinha visto se tinha flor ou não tinha flor, porque você não tem tempo de ficar olhando se tem flor, mas, quando eu estava nessa situação, os golpistas são muito mesquinhos, foram lá e tiraram todas as flores e isso foi noticiado pela imprensa”.

E ela continuou, usando o tema botânico: “Para mim, um dos grandes momentos foi as mulheres, encheram a praça em frente ao palácio e me levaram flores. A partir daí, elas durante… Outro dia eu recebi uma flor lá em Berlim, porque elas me mandavam sempre flor, era, vamos dizer assim, era manifestação delas, mas tem uma outra muito bonita: foram as mulheres as primeiras a se rebelarem e a ir pras ruas, então os movimentos de mulheres, de mulheres jovens, foram para a rua as mulheres e os jovens, primeiro, o que pra mim foi muito importante”.

Depois de inventar a rebelião florida, Dilma comentou ao repórter, àquela altura já grogue, qual era seu estilo de trabalho: “Eu era dita como sendo uma mulher que tinha uma mania, era obsessiva compulsiva por trabalho, tinha, era work alcoolic (sic!) e tinha uma mania de fazer todo mundo trabalhar, o homem seria grande empreendedor”. Ao trocar o termo workaholic, que significa obsessão pelo trabalho, por uma expressão que poderia ser traduzida como “trabalho alcoolizado”, Dilma, talvez involuntariamente, fez o melhor resumo de sua passagem pela Presidência da República.

11 Comentários

  1. Sergio Silvestre Responder

    Será que não percebe que é uma montagem grotesca,a Dilma debateu com o Aécio que se diz bagre ensaboado e perdeu,mas a incompetência da Dilma era não dar dinheiro para esse jornal vagabundo.

  2. Já passou da hora de fazer uma reforma nessa constituição de 1988, acabando com essa vergonha, cortar esses privilégios, é o fim dos tempos, nós continuarmos pagando despesas para ex presidentes. Pior para falar abobrinhas no exterior. INTERVENCAO MILITAR JÁ.

  3. NÃO VOTE EM QUEM JÁ FOI Responder

    Bunda tatuada, montagem grotesca é você e a própria anta atolada. Ainda bem que a história vai se encarregar de sepultar o governo desta burra, incompetente e analfabeta figura.

  4. Que Vergonha!! Essa Anta foi a maior mentira contada em nossa história. Sinto muito por ser representado, um dia, por essa mulher. Pior que isso, e ver pessoas defendendo tudo o que dizem e fazem, aff!!

  5. Do Interior.... Responder

    Essa é aquela que o SS defende. É o tipo de gente ue os petistas gostam de eleger. Ainda se dizem “intelectuais”.

    Não tem defesa do que esta ANTA disse.

  6. Depois de ouvir a Dilma , cancelei o psicologo..tinha complexo de inferioridade , achava que nao tinha inteligencia para ser um lider…
    Ouco ela e fico pensando ..depois de tanta besteira..ate eu posso ser presidente !!!

  7. Meu Deus do céu, como é que diante deste monte de besteiras ditas pela infeliz ainda alguém tem a coragem de sair em defesa dela? O cara deve ser como ela, um work alcoolic.

  8. “Assassinou a gramatica com requintes de crueldade e perversidade. Por motivo fútil. Sem possibilidade de defesa à vitima. E ainda cometeu o crime de ocultação do cadáver. No caso, a língua portuguesa. Só rindo para não chorar quando lembro que essa apedeuta, prolixa, dicotômica, pseudo intelectualizada…” – Profº Celso Bonfim

  9. “ERRATA: Onde escrevi; Só rindo para não chorar quando lembro que essa apedeuta, prolixa, dicotômica, pseudo intelectualizada. LEIA-SE; Só rindo para não chorar quando lembro que essa apedeuta, prolixa, dicotômica, pseudo intelectualizada foi presidANTA do Brasil. Infelizmente…” – Profº Celso Bonfim

Comente