Uncategorized

O STF em público

Os casos da Corte, que gosta de publicidade e todo tipo de exposição, não ficam restritos às discussões internas. Os ministros do STF não têm nenhum problema em discutir em público e transformar o Supremo numa ordinária judicatura em que todo mundo faz e comenta o que quer.
Luís Roberto Barroso participou hoje pela manhã do seminário ‘Amarelas ao vivo’, promovido pela revista Veja, na saída do evento declarou: “Uma futura antologia de erros do STF incluirá essa decisão, ao lado de outras, como a que derrubou a cláusula de barreira”. Ele estava a falar do absurdo que foi o STF submeter a Câmara e ao Senado o afastamento cautelar de seus pares, aquele do caso Aécio Neves.
Sim, é um absurdo e entrará para a ‘antologia de erros’ como disse o ministro. A questão aqui é avaliar se a vaidade dos ministros e seus interesses em ter opinões, fotos e nomes conhecidos do grande público não é coisa prejudicial ao sistema. Não seria a toga a representação de discrição, serenidade e austeridade? Será que os ministros não deveriam ter comportamento um pouco menos, digamos, popular?

(Foto: Fellipe Sampaio/SCO/STF)

6 Comentários

  1. Doutor Prolegômeno Responder

    Para alguns membros do judiciário e do MP o Brasil deveria ser governado por um consulado à moda romana: dois cônsules, sendo um indicado pelo MP outro pelo Judiciário, com poderes de veto recíprocos. Isso sera a forma ideal de governo para nossa república bananeira judiciosa. Legislativo e Executivo não servem para nada. Isso tudo, logicamente, com auxílio-palácio incluído.

  2. Sergio Silvestre Responder

    Reparem que os ministros escolhidos pela Dilma são os que se salvam,nota-se que Carmem Lucia,Rosa Weber,Gilmar Mendes,,não chegam aos pés de um Barroso.

  3. Sergio Silvestre Responder

    Negativo,ela atrapalhou os planos de muita gente,inclusive as cadeias vão ficar abarrotadas se o Bretas continuar prendendo….já o tál MORO,que lastima né ,só zum zum.

  4. Para de falar besteira silvestre, dos onze ministros do STF, oito foram indicados pelo pt, sendo que destes oito, um foi substituído por falecimento, que hoje é o Alexandre de Moraes.
    Inclusive o toffoli, que acaba de “pedir vistas” para não deixar que o fim do foro privilegiado aconteça.

Comente