Uncategorized

Auxílio-moradia da justiça do trabalho é recorde: R$ 197 milhões

Justiça mais cara do Brasil, mais dispendiosa que toda a justiça norte-americana, a Justiça do Trabalho terá em 2018 o total astronômico recorde de R$197,7 milhões para gastar apenas em “auxílio-moradia”, ainda que os magistrados beneficiados tenham casa própria na cidade onde atuam. Tanto dinheiro para bancar esse privilégio único no mundo consta da Lei Orçamentária aprovada no Congresso e já sancionada. A informação é do colunista Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

O Ministério das Relações Exteriores gasta bem menos em auxílio-moradia dos seus funcionários lotados em 225 postos mundo afora. A Justiça do Trabalho custou R$17 bilhões em 2016, dos quais R$15,9 bilhões (93,5%) bancaram apenas os salários dos 56 mil servidores. O “auxílio-moradia” dos procuradores custará R$124,1 milhões e a mesma conta, no meio militar, alcança R$115,9 milhões. A maioria pobre do País paga o “auxílio-moradia” do mesmo grupo de servidores federais cujos privilégios a reforma da Previdência combate.

3 Comentários

  1. LEO CASTILHO Reply

    ESSA JUSTIÇA É ABSOLUTAMENTE CARA E DESNECESSÁRIA NO SITEMA JURÍDICO BRASILEIRO, SUA EXTINÇÃO SERIA, NO MÍNIMO, UM CONTRIBUTO A NAÇÃO…..

  2. Jandir Moraes Reply

    O déficit da Justiça do Trabalho se se fizer uma análise do custoXbeneficio que ela traz ao trabalhador e ao país é uma imoralidade.

  3. “Excelente texto. Parabéns ao Claudio Humberto. Parece que ele leu meu pensamento. Fico indignado e revoltado com esse governo recheado de corruptos e mentirosos. Usam a máquina pública que deveria ser usada em favor do povo, exatamente contra esse mesmo povo. Isso não é só uma questão de maniqueísmo. É uma questão de desvio de função e de finalidade. No País com a maior carga tributária do planeta. E nenhum retorno do que pagamos em impostos. Muito ao contrário. Somos roubados e achados todos os dias, em tudo que consumimos. Desde gêneros de 1ª necessidade a remédios. Alimentos. Roupas. A lista é interminável…” – Profº Celso Bonfim

Comente