Uncategorized

Na época em que o PT apoiava a inelegibilidade

Tão antigo quanto a própria política é o ditado Pau que bate em Chico não bate em Francisco.
Lula, enrolado até o último fio de cabelo, vê escorrer pelo ralo suas chances de se candidatar à Presidência da República. O PT grita, a repetir o bordão ‘eleição sem Lula é golpe’. Mas dá uma olhadinha como as coisas mudam de repente. Agora, que o partido mudou de pedra para vidraça, parece que a Ficha Limpa não tem mais razão de ser.
– Em 2010, Dilma no Twitter: “já opinei sim sobre Ficha Limpa. Sou a favor, na forma aprovada na Câmara, que impede candidatura de condenados por colegiados”.
– O ex-deputado federal José Eduardo Cardozo (PT-SP): “a lei Ficha Limpa não colide com o princípio da presunção de inocência ao ampliar o rol de inelegibilidades”.
– Cândido Vacarezza, quando era líder do PT na Câmara: “Essa discussão da definição do perfil dos candidatos ou de quem deve ser candidato é correta e tem a ver com o aprofundamento da democracia brasileira”.
– Comunicado oficial do PT em 2016: “A equipe ministerial de Temer está repleta de políticos investigados por corrupção, desvio de verbas, citações na operação Lava Jato e suspeitas de ligação com esquemas criminosos. O próprio Michel Temer foi citado na Lava Jato, enquadrado na Lei da Ficha Limpa e está inelegível por oito anos, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP)”.

3 Comentários

  1. Sergio Silvestre Responder

    Foi o Lula que assinou a lei de inegabilidade,era o Brasil passado a limpo ,mas a mafia não gostou e usaram dessa lei contra ele ,sem provas num julgamento de corar freiras.

  2. SS, uma correção: O Lula assinou a lei da ficha limpa porque jamais imaginou que um juiz de primeira instância teria peito e coragem pra conduzir uma investigação séria e repleta de provas contra ele. Hoje, Lula se arrepende amargamente. Ponto final.

  3. Pelo jeito das declarações pestistas o ditado precisa se atualizar, Pau que bate em Chico bate em Francisco. Nada como um dia depois do outro. Felizmente a mentira, esta maldita, tem perna muito curta.

Comente