Uncategorized

Moro determina bloqueio de R$ 4,4 milhões de Delfim Netto


O juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, determinou o bloqueio de cerca de R$ 4,4 milhões do ex-ministro Antônio Delfim Netto e de empresas ligadas a ele. O valor foi rastreado pelos procuradores do Ministério Público Federal (MPF) durante as investigações da 49ª fase da Operação Lava Jato, batizada de Buona Fortuna, e deflagrada nesta sexta-feira (9). Informações do G1.

A casa, o escritório e empresas do ex-ministro foram alvos mandados de busca e apreensão cumpridos durante a operação, que apura o pagamento de propina em obras que envolveram a construção da Usina Belo Monte, no Pará. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro pode responder por crimes como fraudes à licitação, corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

O MPF explicou ainda que não pediu a prisão de Delfim por entender que não havia risco às investigações.

O delator da Lava Jato e ex-executivo da Andrade Gutierrez Flávio Barra afirmou ter pago aproximadamente R$ 15 milhões ao ex-ministro Delfim. O valor seria uma parcela do total da propina paga no esquema investigado na construção da Usina Belo Monte.

As outras parcelas foram pagas aos partidos PT e PMDB, atual MDB, conforme o delator Flávio Barra. Segundo ele, foram cerca de R$ 60 milhões para cada um.

O procurador da República Athayde Ribeiro Costa afirmou que o ex-ministro Antonio Palocci foi o porta-voz dos pedidos de propina para Delfim.

Somando a propina paga ao ex-ministro e aos partidos, chega-se a mais de R$ 135 milhões. O total é equivalente a 1% do contrato firmado com o consórcio Norte e Energia, vencedor da licitação para as obras da Usina Belo Monte.

4 Comentários

  1. Jose Nascimento Responder

    O homem rouba ha mais De 80 anos, e só agora que tem 100 e pego… Vou reclamar no estatuto do idoso.

  2. Quatro milhões para o Delfim Neto… Quando eu era criança, e faz tempo isso, esse homem já atuava como político. Como o salário de um político nunca foi ruim, pode ter uns bons trocados no “cofrinho do Delfim”.

Comente