Uncategorized

Mulher que desistiu de adotar crianças terá que pagar pensão

A história é assim: a mãe biológica deixou os dois filhos com um casal, alegando que não tinha condições de cria-los. Na Justiça, o casal iniciou os trâmites para adoção que se estendia a mais de um ano. No meio do processo o marido morreu e a mulher alegou que sozinha não teria condições de criar as crianças. Os irmãos, de 5 e 7 anos, estão numa instituição e novamente disponíveis para adoção.
A Vara da Infância e da Juventude de Campo Largo, na região metropolitana de Curitiba, decidiu que a mulher pague 30% dos rendimentos como pensão alimentícia para duas crianças, alegando que “que anteriormente tinham casa, comida, lazer e escola, de repente foram acolhidos institucionalmente, passando a depender do Estado” e que o pagamento “daquela que gerou a expectativa de se tornar sua mãe” é justo e urgente.

1 Comentário

  1. Eu adotaria as crianças sem conhecê-las. Se me fosse permitido eu e minha mulher e meu estamos dispostos a conhecê-las e enfrentar o processo de adoção.

Comente