Uncategorized

Com ou sem eleições, Justiça Eleitoral custa R$ 5,5 bi por ano

No mundo civilizado onde há eleições, quando passa o período das urnas, passa também a necessidade de manter a solidez física da Justiça Eleitoral. Nos lugares onde é moda respeitar os recursos públicos, esse tipo de instituição se desfaz com o término das eleições para retornar no próximo pleito.
Na bananeira começou assim, tanto que a composição do TSE tem certo caráter provisório: três ministros do STF, dois do STJ e dois da Advocacia. Mas em algum momento da história isso se transformou em 35.371 servidores e R$ 5,5 bilhões por ano (quase 90% para pagar salários), com ou sem eleições.
Só por curiosidade, sem intenção de irritar o leitor: os ministros do TSE trabalham terças e quintas à noite, para isso cada um têm gabinete de 150 metros quadrados.

2 Comentários

  1. Que absurdo, mas infelizmente esse é o Brasil, o povo pagando seus impostos para manter essa estrutura.

Comente