Uncategorized

Delegada: ‘Imagens deixam claro que jornalista fugiu de abordagens’

da Banda B

A delegada Daniela Corrêa Andrade, do 3ª Distrito de Curitiba, afirmou que imagens de câmeras de segurança mostram “claramente” que o o jornalista Andrei Gustavo Orsini Francisquini arranca com seu carro nas duas oportunidades em que foi abordado pela polícia. A declaração foi feita em coletiva de imprensa realizada na tarde desta quinta-feira (23). Andrei foi morto após perseguição que terminou na Praça da Espanha, na madrugada do dia 12 de maio.

Segundo a delegada, as investigações aguardam o término de todos os laudos e ainda não é possível tirar nenhuma conclusão sobre a ação policial. “Ainda não podemos tirar conclusões, estamos apenas no início das investigações. Por enquanto, só recebemos o laudo do exame de local. Estamos aguardando o recebimento das perícias solicitadas, queremos ouvir as testemunhas intimadas e terminar de levantar as imagens do circuito de segurança”, disse.

Comerciantes da região colaboraram com as investigações cedendo imagens de câmeras de segurança dos estabelecimentos e a polícia ainda aguarda resposta da PM sobre o funcionamento (ou não) do totem da corporação instalado na praça. A delegada afirma que as imagens recuperadas até o momento não deixam dúvidas de que o jornalista resistiu às abordagens policiais. “Vemos claramente que o Andrei arranca nas duas abordagens feitas pela polícia, a primeira na Vicente Machado e a outra na Praça da Espanha. Isso é bem claro”, afirmou.

O inquérito policial tem prazo de trinta dias, prorrogáveis por até mais trinta, para ser concluído e encaminhado à justiça.

Advogado da família
O advogado da família do jornalista morto, Paulo Cristo, também falou à imprensa e disse conhecer os antecedentes criminais da vítima, mas afirmou que os processos já estariam todos resolvidos. “O Andrei não era nenhum anjo, mas em relação ao o que aconteceu no passado, ele já pagou. Os processos que constam foram todos resolvidos”, disse o advogado.

Cristo também afirmou à imprensa que Andrei nunca possuiu uma arma, contradizendo o que contaram os policiais militares no boletim de ocorrência. “Nós estamos categoricamente dizendo que ele nunca possuiu essa arma. Os elementos colhidos pela perícia irão indicar se o Andrei manuseou ou não essa arma”, afirmou o advogado.

O caso
Andrei foi morto após um suposto confronto com a Polícia Militar. Imagens de câmeras de segurança mostram o momento da primeira abordagem, na Rua Vicente Machado. Dois PMs atiram para tentar evitar a fuga, mas o jornalista segue em velocidade até ser cercado a algumas quadras dali, já na praça. Neste momento, Andrei é baleado ao tentar novamente fugir. A PM alega que encontrou uma arma dentro do carro do suspeito. A família nega que ele tivesse a pistola. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil e pela Corregedoria da PM.

5 Comentários

  1. QUESTIONADOR Reply

    -Pelas imagens divulgadas pela imprensa, podemos ver a fuga do rapaz!!!
    -Olha, temos um ditado: quem não deve, não corre!
    -Mas não podemos negar que houve erro na abordagem dos policiais no momento da fuga. Atiraram no veículo sem o mesmo ameaçar a vida dos agentes…faça-me o favor…e a história de que os policiais viram o sujeito com uma arma dentro do carro(à noite e com película escura nos vidros do veículo)….de qualquer forma precisa ser investigado e ouvida muitas testemunhas…
    -Não defendo nem um e nem outro(nem o acusado e nem os policiais). A verdade precisa se impor!

  2. Só a RPC continua a defender o infrator? Até quando vai continuar apoiando que haja fuga nas abordagens policiais? Será que Imposto atrasado é justificativa pra colocar a Vida dos outros em risco, furando preferenciais e tocando horror? Tem que haver conscientização de obediência as autoridades.

  3. Não sabia que a pena para quem não parar em abordagem policial é a MORTE, pena de morte no Brasil só existe em tempo de guerra declarada. Quer dizer que a policia está autorizada a matar apenas por histórico de passagens policial, e como saber antes de abordar o veículo e puxar os antecedentes, estava escrito no veículo, “conduzido por indivíduo com passagens de crimes de menor potencial ofensivo”?A PM julga, sentencia e executa a sentença, que foi a de Morte por disparos de arma de fogo, pelas costas e nas costas. Que Estado De Direito estamos vivendo? Existem bons e maus Policiais, preparados e não preparados. Não estou defendendo em hipótese alguma o descumprimento de ordem de abordagem ou qualquer apologia ao ilícito, apenas colocando luz e equilíbrio às abordagens policiais, a população não pode ter medo da Polícia.

  4. Dou certo crédito ao advogado da vítima, quando ele diz que o morto não tivesse mesmo uma arma no carro, quem nunca ouviu dizer que policiais plantam provas? Mas até o momento tudo aponta contra o morto, ele de santo nada tinha. E as câmeras provam que el fugiu duas vezes dos PMs, isto prova o quê? Coisa boa com certeza não é.

Comente