Uncategorized

Ratinho propõe diálogo e policiais suspendem greve

A Associação dos Delegados de Polícia do Paraná (Adepol-PR), que encabeça a manifestação das classes policias no Estado, informou, nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (25), que o Governo do Estado recuou e pediu prazo para apresentar estudo de reposição aos policiais. Com isso, a categoria recuou da greve marcada para hoje. As informações são do Portal Paraná.

Segundo a Adepol-PR, o governador Ratinho Junior (PSD) se comprometeu a apresentar uma proposta em audiência oficial com a classe dos policiais na semana que vem. Em razão disso, foram suspensas as paralisações e operações padrão até o fim do prazo pedido pelo Governo. “Este é o último prazo, a última prova de boa vontade. Esperamos que o governo apresente boa fé e cumpra, desta vez, o combinado”, declarou o presidente da Adepol-PR, o delegado Daniel Fagundes.

4 Comentários

  1. Só eu que estou achando que o Ratinho vai entregar uma faixa de “OTÀRIOS” a classe policial?

  2. A Polícia no sentido geral, tem por obrigação de ser solidária com seus pares, isto é, outros servidores que executam suas tarefas e possuem os mesmos direitos. Se a polícia trair outras classes, creio que estará instalada a desconsideração para com outros quadros do estado.Afinal, estamos no mesmo barco, e negociar egoisticamente é duma pratica imoral e sem limite.

  3. Omissão total …

    O gov. Ratinho Jr. está sendo insensível acerca da triste realidade do funcionalismo do Poder Executivo, só eles, desde jan.2016 com os mesmos salários.

    O governo divulgou dias atrás a média salarial de várias categorias, mas todos sabemos do que se trata, esconde os extremos, as baixíssimas remunerações e as altas (inexistem no âmbito do Poder Executivo) !

    Esquece-se o governador (ou não sabe, mesmo ?) que ao contrário dos demais de outros poderes e órgãos “especiais” (por ex.: MP/PR), aqueles do Poder Executivo não possuem plano de benefícios (VT, AA, Auxílio Saúde, creche / pre-escola, etc e etc), mas somente o salário “seco”, sobre o qual incide o IR e a contribuição previdenciária (11%, inclusive para os aposentados.

    Ficamos por aqui, não vamos falar da realidade lastimável e vergonhosa da previdência estadual (RPPS) do funcionalismo do Paraná, a qual deveria ter mais de R$ 20 bilhões de investimentos e agora só tem em torno de R$ 7 bilhões).

    Ou seja, tá falida e o futuro dos aposentados e pensionistas é in certo e inseguro !(quadro muito agravado com o atual arrocho salarial: desde jan.2016).

    Governador abra seus olhos e governo pra todos !

Comente